Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Se tudo é, então nada é

por Amato, em 02.07.20

No início de uma madrugada igual a tantas outras, entretive o espírito com um poema que me chegou ao olhar. Era um conjunto de frases elegantes, construídas com belas palavras. Falava de amor — claro, o omnipresente amor! —, dois amores, em verdade, que se confundiam: um amor carnal e um amor mais abstrato do que o primeiro, incorpóreo, por ter como objeto de afeição, nada mais, nada menos, que uma cidade. Isso mesmo: dois amores que se misturavam num só numa efervescência de palavras belas.

 

A leitura deste poema produziu em mim aquele sentimento de satisfação incompleta, um certo contentamento imperfeito, tão familiar, tão banal nos dias de hoje. Deem-me um desconto: já sou suficientemente velho para habitar em mim uma permanente impressão de que nada é novo e que tudo são variações mais ou menos descaradas de temas já amplamente tratados no passado.

 

A minha curiosidade prendeu-se, pois, não no conteúdo mas na forma do poema, mais precisamente na ausência de forma ou estrutura, sem métrica ou qualquer tipo de regularidade silábica ou a nível da rima. Aquele poema seria, assim, uma espécie de construção em verso livre. Sim: desta maneira não nos comprometemos e estamos sempre certos.

 

O que é certo é que a coisa fez germinar em mim uma dúvida fundamental: deste modo, sem regularidade que me valesse, sem estrutura para me dar um chão, como poderia eu, um leigo, qualificar o que havia lido como poesia? É que hoje em dia já ninguém escreve sonetos ou odes, ninguém perde tempo a contar sílabas, a acomodar rimas interpoladas ou cruzadas, nem a submeter-se a qualquer tipo de estrutura ou forma. O verso livre é a expressão, na poesia, desta filosofia de liberdade que alcança todas os braços da arte e se liberta com violência das restrições da forma, num culminar de toda uma evolução iniciada desde o Renascimento. Expressões similares encontramos também na pintura, na escultura, no bailado ou na música.

 

Liberdade, liberdade, liberdade! Liberdade! Foi este o caminho.

 

Ou não?

 

O problema é este: se tudo é passível de ser considerado como poesia, se tudo é poesia, se tudo é poema, então… nada é. Pensem nisto.

 

Quase tudo é definido por negação. Sabemos o que as coisas são, não através de uma epifania qualquer que nos bate nos sentidos da alma mas através do que não é. O que não é define o que é. Se tudo é poesia, então nada é poesia, esvazia-se o conceito, deixa de ser relevante a qualificação. Se qualquer sarrabisco numa tela é pintura enquanto arte, então nada é pintura. Se qualquer conjunto aleatório de sons é qualificado como música contemporânea, então até o barulho produzido pelos automóveis na hora de ponta pode ser qualificado como música e, portanto, nada mais é música porque tudo o é. Se qualquer aglomerado de pedras é escultura, então nada mais é, nada mais é escultura. É tudo uma expressão subjetiva da atividade humana de valor relativo às impressões e não à técnica que, mais não é que o domínio da forma que perece, que deixa de existir.

 

A forma é, pois, importante. As regras são importantes. As restrições à liberdade, também na arte, são determinantes para dotar o ser humano de liberdade, precisamente, na criação. A arte mostra-nos como a liberdade sem limites é um método infalível para coartar a própria liberdade, por paradoxal que isto possa soar. Se quisermos matar a criação humana, basta dar-lhe toda a liberdade, destruir as estruturas, matar as formas. Veja-se como é infértil a arte contemporânea, sobrevivendo, envergonhada, sem o assumir, à custa das formas célebres do passado. O verso livre é infértil, assim como as expressões contemporâneas da música, da pintura ou da escultura, perfeitamente incompreendidas por um público sem norte. Porque sem forma, não há arte. Sem restrições à liberdade, não há liberdade. Porque se tudo é, então nada é.

A falta de ética é coisa que se tornou normal

por Amato, em 10.06.20

https://www.iol.pt/multimedia/oratvi/multimedia/imagem/id/581bb76d0cf277d677a4c9a8/

image: www.iol.pt

 

Quase oito meses depois da tomada de posse enquanto ministro das finanças do XXII governo constitucional e depois de uma ainda mais longa novela, principiada ainda em tempos de campanha eleitoral, em torno da sua suposta continuidade no cargo e alimentada por uma certa ambição pessoal relativamente à apetecível posição de governador do Banco de Portugal, eis que, aos nove dias do mês de junho de 2020, Mário Centeno apresenta a sua demissão das funções governativas que exercia anunciando-a ao país de braço dado com o primeiro-ministro António Costa.

 

A situação é-nos apresentada, transversalmente, com uma naturalidade desconcertante. Mais à esquerda dizem-nos que o mais importante são as políticas e não as figuras. Sendo uma verdade evidente, não deixa de ser também uma cobarde fuga ao enfrentamento da questão. Da direita ensaiam-se tímidas acusações de promiscuidade abafadas por um vasto currículo nessa insalubre matéria de transferências diretas entre a política e as instituições públicas e privadas.

 

Parece, com efeito, ter-se estabelecido como ato natural a demissão de um cargo político para perseguir outros objetivos de carreira. A prestação de funções governativas está reduzida, pois, a mais um parágrafo no curriculum vitae, a mais um degrau na carreira profissional, a mais um pré-requisito — um pré-requisito valioso, é certo — para se alcançar ambições pessoais maiores. Longe vai a necessidade de aparentar somente um certo sentido de missão ao país e ao povo. Há um pragmatismo que está completamente instalado, há uma ausência de hipocrisia que é salutar por um lado, mas que, por outro, é simplesmente a inexistência declarada de um qualquer pingo de vergonha.

 

O “Ronaldo das finanças”, o ás de trunfo do primeiro-ministro para a sua reeleição não foi mais do que um engodo, uma baixeza para ludibriar o eleitorado e para o PS vencer as legislativas e que sai agora precisamente na antecâmara para a discussão do orçamento suplementar, que é palavra bonita para se não dizer retificativo. O ministro das finanças deixa ficar o guião para que outros o defendam, aprovem e sigam, perfeitamente desresponsabilizado das consequências que dele advenham: uma indecência.

 

Não exageremos, todavia, na crítica ao ministro das finanças. É provável que a sua demissão tivesse que ter sido antecipada para o dia de ontem. É que havia legislação a ser aprovada ontem, justamente ontem, dois projetos de lei do PAN e do PEV, contendo regras mais restritivas para a nomeação do governador do Banco de Portugal e que podiam colocar em causa as aspirações de Mário Centeno.

 

O episódio de Mário Centeno não é o primeiro e, bem entendido, não será o último nesta dança promiscua entre o governo e as instituições públicas e privadas, nacionais e supranacionais. A forma como a situação foi gerida, desde o princípio, carregou-a de um simbolismo indelével, um simbolismo de uma assumida falta de respeito pelos cargos, de uma declarada falta de consideração pelo povo e pelo país e de um descaramento de cabeça erguida que é perturbador. É como se a falta de ética se tivesse tornado coisa normal, perfeitamente natural e aceitável.

Suprema ironia

por Amato, em 04.06.20

Nestes tempos de pandemia assistir aos liberais, aos que são avessos ao estado limitador das liberdades, de mão estendida por uma esmola desse mesmo estado, exigindo até como se fosse seu direito, é a revelação da suprema ironia, da ironia das ironias.

 

Todos exigem.

 

Todos procuram melhor posição às cavalitas da detestável máquina estatal, agarrados às famigeradas e desprezíveis gorduras do bicho.

 

Querem livre mercado. Querem o mercado a funcionar e a regular-se a si próprio. Menos quando dá para o torto. Nesse momento, querem estado e querem estado à fartazana!

 

Que lindo mundo este em que é possível andar de cabeça levantada e continuar a tentar convencer os outros a fazer aquilo que não se faz quando a oportunidade aparece. E como apareceu a oportunidade! Fica o registo para memória futura.

 

A fatura não tardará a chegar mas para os mesmos do costume, aqueles que têm que trabalhar para sobreviver. Luta de classes ao rubro... só que não. Infelizmente.

Estado de direito?

por Amato, em 30.05.20

Esta semana trouxe-nos um primeiro desfecho do caso do ataque à Academia do Sporting. Não me vou pronunciar sobre o caso, nem emitir qualquer opinião pessoal sobre o mesmo. Não o fiz há dois anos, nem o farei agora.

 

Fico muito preocupado, contudo, em perceber cabalmente que vivo numa sociedade em que se pode acusar alguém de algo de tão grave como terrorismo e, através disso, prender preventivamente e reduzir os seus direitos de arguido ao mínimo possível para, após dois anos de processo, escassa ou nenhuma prova ser produzida ou apresentada, nada ser provado.

 

É assustador observar a facilidade com que algo deste género pode ser posto em marcha e é ainda mais assustador quando se percebia que os fundamentos iniciais para uma tipificação de terrorismo eram, quanto muito, dúbios. A partir daqui as especulações legítimas que podemos tecer enquanto observadores independentes da “coisa” são múltiplas e perigosas.

Um adeus a Bernie, um adeus à esperança

por Amato, em 09.04.20

Estas semanas de confinamento tiveram em mim, como os meus leitores já devem ter notado, um efeito de distanciamento social no verdadeiro sentido da palavra. Distanciei-me da sociedade, dos seus ecos, das suas ilógicas, das notícias, dos jornais, da repetição, do condicionamento.

 

Por um lado, confesso não ter tolerância para este fluxo contínuo e ininterrupto de notícias sobre o covid-19, para este jorro demente de informação sem critério, sem contexto e sem juízo, para esta prova acabada de como a sociedade se converteu num rebanho de doutores tosquiados ao som dos clamores de um pastor histérico.

 

Por outro lado, também não disponho da energia para andar a rebater e a contrariar este movimento universal. Afinal, quem sou eu — no contexto das limitações que também me afligem — para o fazer? Não disponho — nem posso dispor — de provas ou de cabais demonstrações e da autoridade moral que elas conferem para encetar tal demanda. Do que disponho é deste senso comum que persiste em não me abandonar e que vive, por este dias, ofendido, agredido a cada instante, a cada mirada fugidia no jornal, a cada descuido do ouvido com a mudança do canal. E, claro, disponho também da memória do passado que não me permite aquele brilhozinho no olhar, que apenas quem observa as coisas pela primeira vez pode ter, e a mundividência, o ter mundo, o conhecer muitos lugares mais ou menos longínquos e ter sempre presente que não vivemos isolados numa ilha, que o que nos acontece não nos confere uma qualquer qualidade especial.

 

Este texto não serve, pois, para falar do covid-19 nem para beliscar sequer esta loucura à qual estamos todos forçadamente confinados. Deixarei o tempo passar e, no final, se assim o entendermos, poderemos olhar para trás e fazer as nossas avaliações ao que foi feito, ao que nos sujeitaram e, coletivamente, à diferença entre o ponto de partida e o ponto de chegada. Essa avaliação, todavia, nunca é feita. Sei-o bem. Repare-se, a título exemplificativo, como as autoridades de saúde portuguesas diziam no início do mês passado, coadjuvadas pela generalidade da comunidade médica, que o uso de máscaras era absolutamente ineficaz e contraproducente e, agora, essas mesmas pessoas defendem o seu uso generalizado. Não vejo ninguém propriamente indignado com isto. O rebanho vive a histeria do momento e não consegue parar para refletir sobre o que o aflige. São os tempos modernos... são os tempos modernos.

 

Queria escrever, hoje, sobre Bernie Sanders, o quase octogenário que tentava, uma vez mais, ser o candidato presidencial democrata contra Donald Trump em terras do tio Sam.

 

Tive conhecimento das primeiras vitórias auspiciosas de Bernie sobre a sua concorrência, mas depois, a infeção mediática do covid-19 fez com que deixasse de acompanhar a corrida. Em boa verdade, não é que esta encenação democrática tão enraizada no folclore dos Estados Unidos da América me suscitasse um qualquer particular interesse. Não sei, até, se já o escrevi aqui, mas nunca vi em Bernie uma alternativa verdadeira para a América e para os americanos começarem a transformar o seu modo de vida. Acho improvável que alguém que fez toda a sua carreira no establishment, dentro do sistema, possa vir a contribuir para a sua reforma ainda que, na minha opinião, a reforma do sistema capitalista seja atividade perfeitamente infecunda. Para mim, sempre se afigurou muito mais provável que Bernie estivesse a usar essa retórica dita “socialista” como um pretexto para almejar um poder que nunca teve. Todavia, é certo que Bernie se apresentava com uma linguagem rejuvenescedora pela sua assertividade, transportava uma mensagem sem mas e sem ses, abrangente e unificadora de diversos quadrantes e isso parecia constituir um upgrade relativamente à oratória oca e dissimulada de Obama que cavalgou a onda das aspirações da população afro-americana e resultou em coisa nenhuma. Bernie era isso, era uma esperança reforçada em algo que pudesse ser novo ou diferente, que pudesse constituir um passo em frente civilizacional num grande país que persiste em viver de forma tão atrasada, parado ainda antes do início do século XX, organizado de forma tão pouco solidária, sob regras tão pouco humanas, tão primárias. Bernie era só uma esperança e nada mais que uma esperança.

 

Foi, por isso, com grande surpresa e desolação que tomei conhecimento hoje da desistência de Bernie Sanders da corrida à nomeação, deixando Joe Biden sozinho. Não se trata de que Biden, como versão masculina de Hillary Clinton, íntimo dos mais perversos interesses económicos americanos, não terá qualquer hipótese de derrotar Trump. Mesmo que tal, por milagre, acontecesse, e ao contrário do que a maioria infundadamente pensa, isso não traria nenhuma vantagem aos americanos nem ao mundo. A questão é outra.

 

A questão é que, se nem agora, depois de uma década de americanos a amontoarem-se nas valetas das ruas e das estradas e nos parques e debaixo das pontes com as suas tendas, com as suas roulottes, despedidos dos seus trabalhos, despejados das suas casas, e que não vêm qualquer futuro para si e para os seus filhos, sequelas palpáveis da última crise do capitalismo, se nem agora, morrendo mais e mais sem qualquer assistência médica — chegam informações que o número de mortes por pneumonia nos EUA já vinha aumentando exponencialmente desde o ano passado ainda antes do covid-19, para não referir as crescentes mortes de diabéticos e de outros doentes crónicos sem acesso a medicação — se nem depois de tudo isto, e de tudo o resto que podia ser aqui também elencado, os americanos votam numa esperança de mudança, seja ela chamada de Bernie Sanders ou não, então é difícil acreditar se algum dia o farão. A tristeza da coisa é esta.

 

Esta desistência de Bernie é, pois, mais que um adeus ao senador que, com certeza, não deve aventurar-se mais nestas coisas: é, sobretudo, um adeus à esperança. O país bastião do capitalismo no mundo que atualmente vê a sua influência a escapar-se acelerada e irremediavelmente como areia por entre os seus dedos, é, fundamentalmente, um país condenado a um futuro de decadência porque, nele, dentro das suas fronteiras morais e filosóficas, não subsiste um singelo vestígio de esperança.

 

Nota final para o site onde li sobre a notícia da desistência de Sanders. Diz aqui, no Diário de Notícias da Madeira, e passo a citar, que “Bernie Sanders, 78 anos, senador pelo estado de Vermont, tinha começado as primárias do Partido Democrata com três importantes vitórias, apesar das suas ideias radicais de esquerda, sobretudo nas áreas da economia e da saúde.” Reparem bem: para um jornal português as ideias de Sanders, como por exemplo criar um sistema nacional de saúde para os americanos, são “ideias radicais de esquerda”. É elucidativo do panorama que temos.

As impressões que o covid-19 me dá

por Amato, em 18.03.20

Depois de algum tempo de ausência neste espaço, por motivos de certo modo relacionados com as transformações que o covid-19 tem imposto às nossas rotinas, gostava de partilhar com os meus leitores algumas impressões que esta pandemia me tem causado. São impressões pessoais, observações empíricas sem valor científico, e sem quaisquer ambições neste particular, sobre o que me rodeia, sobre o que se tem passado. São reflexões despretensiosas acerca do que nós, cada um de nós, individualmente, e todos, coletivamente, revelamos ou temos sido forçados a revelar, da nossa natureza, da nossa organização, das nossas prioridades, dos nossos valores em face desta crise de saúde pública que tem posto em causa o nosso modo de vida.

 

A primeira impressão é para mim uma evidência: nestes momentos resulta claro o quão ineficaz é o nosso sistema económico. O capitalismo, com a sua pulverização característica de negócios e de empresas, com a sua liberalização das relações, das responsabilidades, mas sempre com o poder económico concentrado em escassos pares de mãos incógnitas e intangíveis vê-se incapaz, impotente até, para operacionalizar uma estratégia coerente e otimizar recursos para combater o flagelo, neste caso chamado de covid-19.

 

Se ao longo dos tempos de moderada ou anémica bonança há sempre justificações com as quais se adorna o sistema e se enganam os menos ilustrados ou os mais distraídos, a verdade é que, neste momento presente, não sobrevivem quaisquer argumentos. Amarrados aos interesses económicos para os quais existem, as nações europeias estrebucham para tentar fechar as fronteiras, para colocar os cidadãos em casa, para impor um estado de quarentena minimamente sério que seja minimamente eficaz.

 

Entenda-se a dificuldade da coisa no contexto estrito do desenho do nosso sistema económico onde a vertigem pela maximização dos proveitos se impõe a tudo e a todos, onde as conexões económicas se estendem a cada canto do globo para fugir ao escrutínio das finanças locais e de uma moralidade de distribuição digna da riqueza e onde, mais e mais, quem não trabalha não ganha. E, se não ganha, não come. Não é, pois, de estranhar a lentidão com que a generalidade dos países europeus atuou perante a ameaça de pandemia que encobria, então, os seus amanhãs. Não é, pois, de estranhar que a generalidade dos países europeus tenha aguardado até ao último instante para começar a agir.

 

Não querendo — longe disso! — ensaiar qualquer apologia ao sistema chinês, compare-se e aprecie-se a diferença entre o que se fez por cá e o que se fez por lá, na China, para controlar o surto de covid-19. É difícil comparar, bem sei, mas essa dificuldade — não se iludam! — favorece-nos enormemente pois é exponencialmente mais difícil gerir um problema de biliões do que um de milhões. Mas é fácil de entender. Foi fácil para a China colocar as pessoas de quarentena em casa — as pessoas trabalham, em regra, para o governo. Foi fácil para a China fechar a sua economia — o governo chinês tem uma posição dominante. Foi fácil para a China agilizar e otimizar recursos — dispõe de mão de obra e de indústria para produzir ventiladores, máscaras, material de hospital e o que quer que seja necessário. Foi fácil para a China desenvolver tratamentos específicos para a doença — dispõe dos meios tecnológicos e científicos para o fazer. Foi tudo fácil para a China. Para nós, europeus, sobretudo para países como Portugal, tão dependente de terceiros para tudo e para nada, depois de ter alienado tudo o que era indústria, agricultura, recursos naturais, depois de se ter submetido voluntariamente a um projeto de economia terciária satélite dos grandes países europeus, tudo é difícil. Para Portugal tudo é difícil.

 

A segunda impressão que queria partilhar é esta. A economia está em crise profunda não por causa das máquinas ou da inovação científica, não devido à falta de matéria prima, mas em razão dos seus recursos humanos estarem a ser afetados. Prestem atenção a este ponto. Contrariamente ao que a lavagem cerebral do costume nos diz, a força laboral é, ainda hoje, o fator mais determinante para a economia e para os países. Esta evidência que o covid-19 coloca a nu é inversamente proporcional com a importância que é dada aos trabalhadores, a uma mais justa retribuição do seu trabalho, a uma mais justa distribuição da riqueza. Pelo contrário, o que tem acontecido, desde os anos desde o fim da guerra fria até aos dias de hoje antes do covid-19, é precisamente uma diminuição de salários e de direitos laborais e uma cada vez mais desigual distribuição de uma riqueza que se tem acumulado cada vez mais nas mãos de uns poucos.

 

Mesmo agora, durante esta crise, serão os trabalhadores aqueles que sairão mais prejudicados no fim do processo. Por exemplo, multiplicam-se os apoios às empresas, apoios esses que os governos lhes dedicam sem quaisquer contrapartidas. Os trabalhadores, esses, veem-se ora forçados a trabalhar sem proteção e a expor-se ao vírus, ora forçados a ir para casa e viver com uma reduzida parte dos seus rendimentos ao mesmo tempo que as suas obrigações se mantêm em regra geral. E estes dão-se por contentes: os precários,  cada vez em maior número no tecido laboral dos países, perdem imediatamente os seus empregos e a estes ninguém lhes vale.

 

A terceira impressão diz respeito à ciência e aos homens e mulheres da ciência que temos entre nós. Considero espantosa a forma como, em momentos destes, a voz da ciência é praticamente inaudível. É caricato como se ouve tão pouco e se valoriza tão pouco aquilo que os homens e mulheres de ciência, especialistas das matérias, têm a dizer. As redes sociais têm um papel catalisador do ruído mediático que os media produzem, é certo, e também é verdade que a própria ciência assume sempre um papel ambivalente nestas matérias, refugiando-se em pareceres especializados e parciais para emitir posições frequentemente contraditórias e favorecer os obscuros interesses que as classes dominantes têm sempre nestes momentos.

 

Faltam hoje, mais do que nunca, talvez, pessoas com um conhecimento abrangente e sólido e não meramente especializado, capazes de analisar os problemas, apoiando-se noutros especialistas, e emitir opiniões fundamentadas no “estado da arte”, consistentes e coerentes que sirvam como um farol para a sociedade à deriva. Fazem falta destas autoridades. Não existem sequer, porque a nossa sociedade não as produz nem as valoriza, obcecada que está no conhecimento especializado que, podendo ser muito bom para produzir software e “tecnologia de ponta”, nestas alturas vale zero.

 

A quarta e última impressão é que nós, coletivamente, estamos muito próximos daqueles povos que acreditavam em virgens prenhas sem pecado, em múmias regressadas à vida, em deuses com cabeças de animais e em outras magias que tais. Somos um povo muito crédulo. Continuamos, neste ano 2020, um povo muito crédulo. A história que nos contam do covid-19 é algo que nos devia deixar em polvorosa e exigir explicações. A forma como este problema se abateu sobre nós e abalou as nossas vidas não devia ser encarada com cançonetas, frases inspiradoras de circunstância ou reflexões pueris e pouco profundas. Dá impressão que podem fazer o que quiserem e nós, povo, arranjamos uma forma de nos adaptarmos, de viver com isso.

 

Que espécie de gente somos nós? Não somos, definitivamente, uma que possa tomar o seu destino com as suas próprias mãos.

As nomeações para o Constitucional

por Amato, em 29.02.20

Admito que fiquei contente com o chumbo parlamentar aos nomes propostos pelo governo para o Tribunal Constitucional, particularmente com o de Vitalino Canas. Eu sei que é um contentamento efémero, que não sobrevive a uma primavera sequer, porque as alternativas serão, com segurança o sublinho, de qualidade não superior. Mas, que dizer? O peso dos anos fez de mim uma pessoa que se alegra com estas pequenas vitórias, com estes pequenos reveses infligidos ao sistema.

 

A questão das nomeações para o Tribunal Constitucional despertou em mim uma reflexão mais profunda sobre a ação política da esquerda no contexto parlamentar em particular e sobre a mais geral ação revolucionária de transformação da sociedade.

 

É que resulta pouco relevante todo o trabalho desenvolvido a nível legislativo se, depois, no local onde as leis são esgrimidas, aplicadas e fiscalizadas, isto é, os tribunais, pontificam elementos que fazem as mais subversivas interpretações que formulam, por sua vez, jurisprudências que perduram e, essas sim, é que valem, essas é que contam, independentemente da maior das bondades com que as originais leis foram escritas. Verdade seja dita, não há lei que seja escrita sem suficiente nota dúbia, tela em branco para se colorirem as mais convenientes interpretações que é exatamente o que se pretende: introduzir suficientes graus de liberdade para se fazer da lei o que, em cada momento, interessa.

 

De que vale pedir constantemente a fiscalização sucessiva das leis se, depois, na sede onde essa fiscalização é feita, há uma maioria sem sensibilidade para as preocupações expressas pelos deputados? De que vale denunciar a inconstitucionalidade das leis se, depois, uma maioria dos juízes do Palácio Ratton tem uma interpretação da lei fundamental pouco progressista e, até mesmo, retrógrada?

 

Por estas e por outras, a escolha dos nomes para o Tribunal Constitucional não pode ser considerada de ânimo leve, como uma simples formalidade, particularmente pela esquerda. Em tempo oportuno, o Bloco de Esquerda fez questão de sublinhar a sua oposição ao governo nesta matéria. Do PCP ouviu-se um silêncio gutural que tem sido seu apanágio de há uns anos a esta parte em tudo o que é relevante que é para não criar ondas nem instabilidades. Também por aqui se percebe que a revolução não pode emergir desde dentro das instituições, jogando as regras do sistema. Há partidos, tão habituados que estão aos labirintos burocráticos das instituições, que perderam isto de vista.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Tags

mais tags