Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

"Como não sou mulher, não me preocupa"

por Amato, em 26.04.17

entrevista que saiu hoje no Público a Rui Moreira é muito boa. Aliás, aproveito para saudar os jornalistas envolvidos, Manuel Carvalho e David Dinis, dois nomes que já critiquei neste blog, pela qualidade das perguntas endereçadas a Rui Moreira. Outras ficaram, seguramente, por fazer, mas algumas das que foram feitas foram de natureza absolutamente preciosa. Refiro-me particularmente à parte relativa ao escandaloso caso Selminho.

 

Por que afirmo isto? Porque tiveram o condão de desvendar a natureza do caráter de Rui Moreira para qualquer leitor minimamente atento. A entrevista merece ser lida com atenção para se poder perceber bem alguns dos meandros deste caso. Destaco, contudo, os seguintes trechos.

 

Público: Há três nomeados para esse Tribunal Arbitral. De um lado está a Câmara a que Rui Moreira preside, do outro lado está a empresa de que Rui Moreira é accionista e há um terceiro elemento estabelecido por comum acordo entre a Câmara a que Rui Moreira preside e a empresa da qual Rui Moreira é accionista. Não é, politicamente falando, uma formulação que o expõe a qualquer acordo que saia desse tribunal?

Rui Moreira: Não, como não intervenho no processo, não serei eu… (...)

 

Note-se como se fazem as vigarices neste país. Como é possível que se possa resolver um diferendo desta natureza desta forma?! Como pode um tribunal autorizar uma tal solução?! Como é possível que Rui Moreira não sinta um pingo vergonha ou embaraço por esta situação?!

 

Público: (...) Não receia que o princípio da mulher de César lhe dificulte a campanha?

Rui Moreira: Como não sou mulher, não me preocupa. (...)

 

A resposta continua, é certo, mas esta primeira frase atesta a arrogância do personagem. Como não é mulher, não o preocupa. Porque no seu entender o dito popular apenas é aplicável ao outro género.

 

Fico-me por aqui. O povo escolhe os seus representantes conforme bem entende. Normalmente, escolhe-os à sua imagem e semelhança. Não tenho dúvidas de que Rui Moreira vencerá as próximas autárquicas, facto que lamento profundamente por antecipação. É que não me sinto bem por saber que uma autarquia, ainda que não a minha, tenha um indivíduo desta estirpe de caráter na sua presidência.

 

O caso Selminho não é grave, porque o caso Selminho é evidente, não dá para esconder. Graves serão todos os outros casos tratados de modo semelhante, todos os casos de promiscuidade sórdida entre o poder local e os interesses económicos privados — de alguns já vamos ouvindo notas soltas aqui e ali —, casos de que teremos conhecimento, seguramente, quando Rui Moreira estiver já longe do Porto, talvez nalgum governo do país.

Cultura de prepotência

por Amato, em 20.04.17

A juventude entra na faculdade e, ato contínuo, segue em rebanho para as chamadas praxes onde é sujeita a todo o tipo de enxovalhos e humilhações. É certo que também há retorno positivo, há amizades, engates, conhecimentos, mas a coisa é exatamente assim e, mais, uma coisa não devia estar relacionada com a outra. Os jovens sujeitam-se e aguentam as humilhações dia após dia, até ao final do primeiro ano. Resulta, quase em jeito de regra geral, que estes mesmos jovens começam o segundo ano de faculdade a infligir idênticos enxovalhos e humilhações aos caloiros do novo ano. Fazem-no porque fizeram-lhes igual. Fazem-no por vingança. Fazem-no porque veem nessa ação uma espécie de sentido estranho justificativo para o que sofreram no ano anterior.

 

Esta lógica social do ambiente relativamente circunscrito das universidades é transportada por decalque para outros ambientes sociais, nomeadamente para o mundo do trabalho. Na maioria dos locais de trabalho, os trabalhadores sofrem os maiores enxovalhos e humilhações por parte dos seus patrões. Estes últimos fazem abusivo uso do seu poder sobre os primeiros que deles dependem para a sua sobrevivência. Esta arrogância, esta prepotência, esta falta de correção e respeito no trato transporta-se na cadeia de comando, desde o patrão até ao último subordinado. É estranho que assim seja e que não ocorra uma quebra desta lógica em algum elo. É estranho que cada um dos trabalhadores interiorize que é assim que se deve tratar um subordinado, em última instância, um colega. Recordo o dito popular: “Não peças a quem pediu, nem sirvas a quem serviu”...

 

Há uma interiorização deste exercício do poder pelo poder que é transversal em toda a sociedade. Como se nos tratássemos uns aos outros por vingança, olho por olho, dente por dente. Por que é que agimos desta forma para com os outros? Porque outros agiram sobre nós dessa mesma forma. Não sei onde caberá aqui a ideia de não fazer aos outros o que não gostamos que nos façam a nós próprios.

 

Por que o fazemos? Porque já assim se fazia quando aqui chegámos. 

 

https://i.stack.imgur.com/MyQki.jpg

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Mensagens