Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Os afetos não são neutros

por Amato, em 05.07.18

No próximo dia 9 de julho cumprir-se-ão dois anos e quatro meses da presidência dos afetos de Marcelo Rebelo de Sousa, mas parece não ter sido tempo bastante para o povo entender bem o alcance da coisa. Isto dos afetos, dos beijinhos óbvios e dos abraços fáceis, tem o condão de entreter as massas e traz consigo, dentro de cada abraço, aquela ideia da política apartidária, acima de qualquer disputa e controvérsia, da política da razão e da verdade que toda a gente considera, mas ninguém o admite frontalmente, ser só uma. Que belos animais democráticos que nós somos! A política dos afetos é, bem entendido, a expressão máxima do populismo mais vil, porque é a política do é e não é, quando, de facto, é.

 

Veja-se bem o que se passa hoje. O Marcelo dos afetos, dos beijos e dos abraços, não tem um minuto da sua agenda sem fim para falar com os professores deste país que estão em greve há um mês. Marcelo, que se diz professor, não demonstra um pingo de preocupação, ou simplesmente empatia, pelos problemas da classe à qual tem sempre tanto orgulho em dizer que pertence.

 

Mas o mesmo se tem passado em cada greve deste país, dos têxteis, dos transportes, do setor da saúde ou da energia. Marcelo, que se vai desmultiplicando em viagens, em aparições e comentários públicos a tudo o que acontece, por mais despropositado que seja — incluindo os jogos da seleção de futebol —, em selfies parolas, abraços e beijinhos superficiais, nunca, até ao momento, teve um ato de genuína preocupação para com os problemas e angústias dos trabalhadores deste país, dos verdadeiros responsáveis por se diminuir os défices e por se aumentar as exportações ou outros índices económicos.

 

Por ventura, um mandato inteiro não será suficiente, nem dois, nem três, se acaso existisse a possibilidade, para que o povo compreenda isto: os afetos não são neutros. Têm cor. Assumem posição. E essa posição é a do poder económico burguês. Os beijinhos e os abraços, esses, servem apenas para embalar as massas, condenadas a uma condição de servidão sem fim à vista.

Marcelismo da era moderna: a transformação silenciosa do sistema

por Amato, em 10.11.17

A cada aparição despropositada do Presidente da República, seja nos hospitais por causa da legionella, seja nas barragens a propósito da seca, seja nas localidades vítimas dos incêndios, Marcelo parece que diz: “Estes tipos — os do governo, os das instituições públicas, os médicos e os bombeiros — não são de fiar para fazer o que é preciso, mas não se preocupem, o Presidente está aqui para tomar conta do acontecimento. Se houver problema, a culpa é deles, mas estarei aqui para apontar o dedo.”

 

Bem vistas as coisas, o papel a que o Presidente se presta é de todo em todo indecente. Ao mesmo tempo que apoia o governo, tudo faz para o relegar para um plano secundário a roçar o desprezível. Faz tudo parte do plano de Marcelo: uma transformação silenciosa do sistema, que visa instituir um regime presidencialista, ainda que informal — até ver! —, no país. Depois dos ignóbeis cavaquismo, socratismo e passismo, quem diria que viria um marcelismo da era moderna tomar conta de Portugal, a reavivar o fantasma do padrinho do Presidente, o último ditador fascista assumido deste país?

Marcelo, o vaidoso sagaz

por Amato, em 05.11.17

Desde o anúncio da candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa à presidência da República, foram feitas análises e previsões, traçaram-se cenários sobre cenários, baralharam-se hipóteses mais ou menos remotas e, cada uma delas, acabou por sair frustrada, derrotada pela história dos factos, caída na valeta do descrédito. Primeiro, espantaram-se com o incondicional apoio de Marcelo ao frágil governo que mal parecia equilibrar-se numa corda bamba de improváveis alianças. Depois, incrédulos, petrificados perante os raspanetes merecidos — mas que ninguém ousara dirigir — àquela criança mimada e mal educada, de mau perder e que se recusava emprestar o seu brinquedo, que então liderava o principal partido da oposição. Passos Coelho, com efeito, havia de sucumbir a um isolamento político construído pela hábil e paciente mão de Marcelo. Mais recentemente, Marcelo surpreendeu a opinião pública com um discurso duro e mais que justificado contra o governo e, do qual, se retirou uma demissão de uma ministra.

 

Porque é que todos os comentadores, todos os cenários, todas as previsões, ou quase todas, têm falhado ao longo desta primeira parte do reinado de Marcelo? A razão é o facto de ignorarem, ou pelo menos subestimarem, aquela que é a característica chave do personagem Marcelo Rebelo de Sousa: a sua vaidade.

 

Marcelo é um homem vaidoso. Quer ficar na história do país, quer ser reconhecido, quer ser grande aos olhos do povo por muito incapaz que seja ou por muito que nada faça de substantivo. Mas é este o seu desígnio que coloca acima de qualquer outra coisa, incluindo putativas lealdades partidárias. É isto que o define como homem, a sua vaidade poderosa, alicerçada numa experiência e sagacidade que não devem ser menosprezadas. Por isso, desde a primeira hora, Marcelo desmultiplica-se em viagens de estado e em ações mais ou menos estéreis, não rejeita uma aparição pública, reage a tudo o que mexe no país e não nega nenhuma entrevista, pelo contrário, promove-as. Com a sua ação, Marcelo sobrepõe-se ao governo, secundariza o primeiro-ministro, criando, sozinho, uma espécie de regime presidencialista informal. E é por isto mesmo que, para Marcelo e para a sua estratégia, não há nada melhor que um governo frágil.

 

Tivéssemos um governo forte de maioria absoluta e estas mesmas ações de Marcelo teriam um impacto reduzido à insignificância objetiva do seu cargo. Tivéssemos um governo forte e Marcelo seria um mero animador de telejornais, uma irrelevante extensão do comentador que foi durante os anos passados. Mas o governo que temos não é forte. Ao dar-lhe a mão, Marcelo capturou o governo na sua teia. Porque o governo precisava de todo o apoio que pudesse ter, deixou-se cair na armadilha. Paulatinamente, como dizia, a figura do Presidente foi-se sobrepondo à figura do primeiro-ministro e do seu governo. Hoje a palavra do Presidente vale muito. Mas amanhã fará tremer a sociedade.

 

Ao contrário do que se propala, não foi o duro discurso de Marcelo que fez com que a ministra se demitisse. Aliás, também aqui, neste ponto, se atesta a profunda sagacidade do Presidente. Marcelo sabia de antemão que a ministra se iria demitir e, precisamente por estar consciente disso mesmo, produziu aquele discurso duro e crítico relativamente ao governo. Se Marcelo tivesse falado e nada tivesse acontecido, a sua autoridade teria saído enfraquecida, a sua palavra cairia na insignificância. Assim, falou sabendo o que iria acontecer para induzir no povo uma ideia de causalidade entre discurso e demissão. Porque não falou Marcelo após Pedrógão? Porque não falou semanas antes? Não falou nesse nem noutros momentos, porque esperava o momento certo para produzir o efeito que pretendia.

 

Com isto, a palavra de Marcelo valerá muito mais no futuro. Desengane-se quem se apressa a adivinhar a queda do governo num futuro próximo. Marcelo aguentará este governo o máximo de tempo que conseguir. Marcelo precisa deste governo por ventura mais ainda do que este governo precisa do apoio de Marcelo. Não há governo que dê a este Presidente tanto em protagonismo, em relevância política e em poder quanto este. E quando vier um novo governo, Marcelo não será já a frágil figura que era quando assumiu o cargo. Atente-se nas palavras temerosas de Santana Lopes e Rui Rio para com o Presidente. Eles também estão conscientes de que o próximo governo nascerá dos restos mortais deste, amordaçado na teia habilmente tecida por Marcelo Rebelo de Sousa ao longo destes tempos.

 

Não se esqueçam: Marcelo não se move por nenhum interesse vulgar e comum a tantos outros presidentes e chefes de estado. Neste sentido, Marcelo é absolutamente incorruptível. Tudo o que fará terá que ser compreendido tendo em consideração o seu objetivo fundamental: o máximo reconhecimento por parte das massas. É a isto que Marcelo é profundamente devoto. Presidente dos afetos? Não, isso é música para embalar o povo.

 

https://www.tribunaalentejo.pt/sites/default/files/styles/article_teaser/public/field/image/ased.jpg?itok=fTjOi07X

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Mensagens