Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Uma revolução para os séculos que se apresentam adiante

por Amato, em 12.09.19

O que mais me dói é perceber esta ilusão em que vivo. Acreditem. A minha maior dor é essa. Sabem? A ilusão de que vivemos em democracia, de que somos livres, de que nascemos iguais e de que somos tratados como iguais pela lei e pela justiça. A ilusão de que existe justiça...

 

Essa dor acaba por ser natural, claro, pois o viver é como que um eterno acordar para a realidade, de um sono de ilusão que nos é imprimido desde o berço. E cada um de nós acaba por entender o alcance tangível dessa construção de castelos de nuvens sobre as nossas cabeças. Todos nós, uns mais cedo, outros mais tarde, acabamos por bater de frente com essa parede de fantasia, vítimas dessa mesma quimera que fomos alimentando ao longo da vida.

 

As publicações deste blog têm tratado abundantemente da parte política do problema. Como pode haver, afinal, democracia quando cada escolha é condicionada de antemão e quando quem efetivamente tem o poder de decisão nunca se expõe ao sufrágio popular? Deixemos, portanto, esta vertente de parte.

 

Falemos de justiça.

 

Falemos de justiça, porque a justiça constitui proverbialmente, no contexto da nossa configuração social, a espada definidora das liberdades individuais e coletivas e o escudo que protege o valor mais precioso que urge entre os homens dos nossos tempos: a igualdade. Uma justiça parcial implica, naturalmente, a diferenciação entre os homens no que às suas liberdades diz respeito. Uma justiça parcial é estruturadora de uma sociedade de classes de homens diferenciadas em influência e em poder, umas sobre as outras.

 

Olhemos, pois, para a justiça. Acompanhemos alguns casos, os que afetam as pessoas que nos são mais próximas e os outros, os mediáticos, que nos impingem olhos adentro. Recolhamos informação. Ontem mesmo, surgiu mais uma notícia que ilustra bem o estado da coisa. Uma vez mais, as grandes corporações burguesas do país, saem incólumes dos crimes cometidos e ainda se vangloriam disso mesmo em plena praça pública. Mas os casos sucedem-se em catadupa. Não façamos deste caso exemplar, porque o exemplo é o dia-a-dia da sociedade. O exemplo foi ontem, é agora e será amanhã também, seguramente.

 

Repare-se que não basta à burguesia reinante ditar as regras com que a sociedade se deve reger em seu benefício. Não. Ainda é necessário poder quebrar essas mesmas regras quando convier e garantir que a esponja purificadora dos tribunais passará sobre os seus delitos e os absolverá perante a sociedade. No passado havia a igreja que detinha esse papel de absolvição moral. Hoje, convenhamos, os tribunais prestam um melhor serviço.

 

Pensar que existe justiça na sociedade burguesa é a ilusão das ilusões. Pensar que a lei nos vê a todos como iguais é fantasia, é ficção. A nós, comuns mortais, resta-nos a nossa inteligência e o nosso senso que servem de amarras ao real e ao concreto. E manter bem viva a consciência de que não existem saídas para este sistema corrupto e despudorado dentro do próprio sistema. Não se pode reformar o que detém natureza ímpia, vil e desprezível.

 

A revolução da sociedade é o único e derradeiro caminho que nos resta. Uma revolução para os séculos que se apresentam adiante. Uma revolução que se impõe para nos catapultar para uma modernidade de bem estar, de paz, de cultura e de elevação intelectual. Para construir uma sociedade fraterna de irmãos, colocando a tecnologia ao serviço de todos, e não uma sociedade de inimigos em constante disputa por uma côdea de pão sob o olhar atento de meia dúzia que toma todos os recursos do planeta para seu próprio proveito.

É isto o estado de direito de que tanto falam?

por Amato, em 14.09.18

O que assistimos neste final de semana a nível da nossa comunicação social, com particular ênfase sobre a escrita, é tão sério, é tão grave, é tão vergonhoso, que a pergunta que se impõe é: será que ainda temos ERC, Entidade Reguladora para a Comunicação Social, em Portugal? Será que ainda existe? E justiça? E lei?

 

Ficámos a saber que um jornal consegue, nos dias de hoje, ser simultaneamente investigador, acusador e juiz do que quer que lhe apeteça. Com efeito, a propósito do seríssimo caso e-toupeira que envolve graves relações de promiscuidade entre a justiça e o futebol, os jornais lembraram-se de plasmar nas suas primeiras páginas a fotografia de um jovem que alegadamente terá roubado documentos e estará na base do processo.

 

Será que sou só eu que acha este tipo de conduta inadmissível e indecente?

 

Será que sou só eu que considera que um jornal que faz isto devia ser imediatamente fechado e os seus dirigentes criminalmente responsabilizados?

 

Quem é que se responsabiliza se, depois desta obscena exposição mediática, sem qualquer tipo de julgamento ou condenação por tribunal habilitado para o efeito, acontecer algo que atente contra à integridade física deste jovem?

 

Ou será que é preciso que aconteça algo de grave para entrarmos em histeria e começarmos a apontar dedos ao óbvio?

 

Onde está a ERC?

 

Onde estão as autoridades?

 

Onde está o governo?

 

Que selva é esta em que um cidadão pode ser assim enxovalhado na praça pública, de um dia para o outro, apenas porque convém para encobrir outros factos mais graves?

 

É isto o estado de direito de que tanto falam?

Não se pode ser de esquerda apenas em parte

por Amato, em 19.11.16

Por mais do que uma vez, tenho escrito que não se pode ser de esquerda apenas em parte, que a esquerda não é algo que se possa materializar numa sociedade em porções, nem que seja capaz de cobrir por camadas as injustiças, uma por uma. Quem interpreta a esquerda deste modo, o que está a fazer, com efeito, é a criar novas injustiças, substituindo, quanto muito, as existentes. Quando o paradigma liberal, capitalista, permanece intacto e acorremos a cada injustiça com uma panaceia que nos parece apropriada, apenas semeamos novas injustiças que as gerações seguintes tratarão de colher.

 

Veja-se, a título de exemplo, o caso das pensões mais baixas que, ao que parece, verão um aumento concreto ao longo do próximo ano, por ação da esquerda parlamentar. É evidente que as pensões mais baixas são objetivamente insuficientes para uma sobrevivência minimamente decente seja para quem for. É evidente. Por ser evidente, deixemos a evidência de lado. Importa refletir sobre a razão pela qual tais pensões são as mais baixas e a razão é óbvia: são pensões atribuídas a quem durante a vida toda pouco ou nada descontou para o sistema. Ora, quando pensamos no assunto deste modo, a evidência anterior, não perdendo por completo a sua natureza, começa a abandonar alguma da sua robustez.

 

Não é muito justo que o Estado acorra em auxílio de quem viveu uma vida inteira à margem do sistema. Estou a generalizar, claro. É certo que, muitas vezes, não se trata de uma opção voluntária. Outras tantas vezes, todavia, é.

 

É aqui que se separa o trigo do joio. É aqui que se vê o que é esquerda do que é mera alquimia política.

 

Se entendemos que o estado deve ser assistencialista e deve acudir a todos os casos e garantir um mínimo de rendimento a todos, pois então o sistema de redistribuição da riqueza deve ser equitativo, justo, ponderado, e globalmente transversal. Devem ser claras as transferências de verbas das classes economicamente superiores para os estratos mais baixos.

 

Se assim não for, isto é, se formalmente a sociedade permanecer esboçada segundo a arte liberal, se se continuar a permitir a concentração de riqueza, o estabelecimento de monopólios económicos e se se continuar a proteger a burguesia, a classe dominante, então quem acaba por pagar todos estes aumentos são sempre os mesmos explorados do costume, aqueles que trabalham de dia e de noite, aos sábados e feriados, só porque foi essa a educação que lhe deram e porque veem no trabalho uma especial virtude. Porque não conseguiriam viver de uma outra forma, de mão estendida, por muito explorados que sejam.

 

Com a intenção de desfazer injustiças, a esquerda agudiza injustiças já existentes ou cria outras totalmente novas. Isto não é esquerda, é outro tipo de exploração dos trabalhadores.

 

Porque não existe esquerda aos bocados.

 

Porque não se pode ser de esquerda apenas em parte.

Uma boa oportunidade para se começar a acabar com a Concordata

por Amato, em 30.08.16

Seria deveras interessante que esta recente altercação entre Igreja Católica e Estado a propósito da cobrança de IMI a edifícios pertencentes à Igreja resultasse num pouco mais do que no habitual “recuar e meter o rabinho entre as pernas”, que, aliás, já se antecipa, por parte do Estado, cedendo a todas as pretensões da Igreja. Seria interessante que este caso pudesse constituir o princípio de algo belo e justo, o princípio do fim da Concordata, esse tratado de tratamento de favor, esse acordo de privilégio, que um Estado formalmente laico como o nosso concede e persiste em conceder a uma igreja em particular.

 

É interessante notar, contudo, que o nosso povo, sempre tão lesto em apontar o dedo aos privilegiados deste país, sobretudo aos seus vizinhos, aos seus amigos, ou àqueles que usufruem de apoios sociais, é, ao mesmo tempo, tão torpe em erguer esse mesmo dedo na direção dos verdadeiramente poderosos, daqueles que verdadeiramente recebem a fatia de leão dos rendimentos do país, nos quais podemos incluir, de modo absolutamente inexorável, a Igreja Católica.

 

É caso para escrever que para que isto acontecesse, para que o governo começasse a beliscar os escandalosos privilégios da Igreja, seria necessário bem mais do que a força dos homens, os quais não estão para aí virados, nem daqui a um milhão de anos. Seria necessário um verdadeiro milagre.

 

Jesus expulsa os vendilhões do templo

 

O estado a que chegámos

por Amato, em 08.07.16

Não sei se será melhor escrever “O estado a que chegámos!” ou “O Estado a que chegámos”. Não sei. Vou refletir sobre o assunto.

 

A comunicação social, braço armado do poder burguês, estende a sua influência a todos os domínios da sociedade. Não é uma influência à primeira vista descarada ou evidente. Trata-se antes de um sussurrar permanente, um condicionamento subliminar que procura chegar e chega a cada vez mais cidadãos.

 

É condição essencial para o sucesso desta operação a montagem de um cenário com uma infinidade de intervenientes que opinam aparentemente de forma independente. Se os lermos na diagonal, até parece que cada um acrescenta algum pormenor diferente que o seu antecessor. O mecanismo ilusório resulta, portanto, eficaz. O ouvinte ou o leitor passa por todas aquelas vozes e, no final, está a repetir aquela mesma mensagem que une todas elas sem dar por isso. A coisa acontece, o que é mais grave, com a perceção de livre arbítrio na formação de opinião.

 

O braço mediático burguês não conhece fronteiras: interfere ativamente na política, tanto na parte legislativa como na parte executiva, mas também coloca o seu dedo na justiça. É indesmentível que o julgamento mediático hoje em dia é mais valioso e determinante que o julgamento nos tribunais; os juízes podem ser facilmente atacados indiretamente por um qualquer órgão de comunicação social; os tribunais vêm a sua ação constantemente posta em causa. A questão das constantes fugas de informação assume aqui um papel relevante para analisarmos esta problemática globalmente.

 

O caso de Carlos Cruz, condenado e a cumprir pena em liberdade condicional, é paradigmático. A forma como se coloca em causa a decisão do tribunal de o condenar chega a ser chocante. Conceda-se todos os recursos que a lei permite ao condenado, mas no fim de contas calem-se! No fim de contas aceitem e respeitem o tribunal! Isto não devia ser como um jogo de futebol em que cada qual assume o papel de treinador de bancada. A justiça devia ser algo sério. Já estou a imaginar a sucessão de entrevistas a reclamar inocência e os programas de televisão que lhe vão conceder. É uma vergonha e é nojento. Atingimos um estado lastimável que, na prática, concretiza os piores receios sugeridos por uma espécie de estado anarquico.

 

Não há independência. Não há democracia. Não há liberdade. Não há lei. Não há justiça. Só há um pensamento único. Só há fomento do caos e da desconfiança como tronos sociais para a burguesia poder reinar.

Uma espécie de proxenetismo democrático

por Amato, em 26.05.16

Se o sistema fosse justo, se o conceito de democracia fosse autêntico e se se refletisse com plenitude e com lisura na vida real, então hoje seria um dia em que apenas uma parte da população, a que não votou na PAF, aquela confluência sinistra entre PSD e CDS, usufruiria de dia feriado. Quanto aos outros, iriam trabalhar como se de um qualquer outro dia se tratasse por ser essa a sua genuína convicção. Agora, gozar o feriado tendo votado a favor da sua extinção... é baixo, é sórdido, é uma espécie de proxenetismo democrático e não devia de ser admitido.

 

Claro que não há nada a fazer relativamente ao problema, o qual resulta insolúvel devido à axiomatização democrática incluir o conceito de voto secreto, cujas virtudes para o sistema, aliás, ultrapassam em muito as infâmias. Serve simplesmente para observarmos a verdadeira natureza oportunista de uma boa parte dos votantes. Com este tipo de princípios será sempre muito difícil edificar uma sociedade melhor.

Uma nota de rodapé sobre o “Jogo Duplo”

por Amato, em 17.05.16

É interessante notar que a Operação Jogo Duplo visa desmontar um esquema de viciação de resultados envolvendo apenas as equipas da segunda divisão de futebol portuguesa. Os montantes em causa deverão estar na ordem das centenas de euros, vá, que sejam milhares. Quanto à primeira divisão, ou primeira liga como se lhe quiser chamar, onde os montantes movimentados seriam sempre multiplicados por dez ou por cem, pelo menos, nem uma suspeita! É deveras interessante constatar este facto!

 

Parece que, para quem de direito, quanto mais dinheiro se movimenta, mais sérias são as pessoas! Qual mundo de fantasia em que vivemos... Por mim, desconfio que uma investigação séria e transversal, a ser feita, faria com que o caso Calciocaos, que abalou o futebol italiano há cerca de sete anos, fosse visto como uma brincadeira de crianças.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens