Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Lembremo-nos dos gregos

por Amato, em 17.09.16

Chama-se de Grécia Antiga a uma civilização que existiu entre aproximadamente o século VIII a. C. e o ano 600 d. C. Esta civilização não era delimitada exclusivamente por fronteiras políticas. Pelo contrário, as muitas dezenas de cidades-estado que varriam toda a zona que hoje é ocupada pela atual Grécia, pelo sul de Itália e da França, a Macedónia, o Chipre, a Turquia e parte do norte de África, eram unidas por um laço mais forte chamado de cultura, de filosofia e de ciência.

 

Na Grécia Antiga sabia-se mais matemática e tinha-se mais conhecimento do que durante os quase dois milénios que se seguiram ao fim do império romano. Sabia-se, por exemplo, que era a Terra que orbitava em torno do Sol e não o contrário. Estimara-se também o raio da Terra e a distância da Terra à Lua. São apenas alguns exemplos. Os avanços dos gregos abrangeram praticamente todas as áreas do saber e da cultura.

 

É surpreendente constatar como foi possível apagar este riquíssimo legado da História do Homem durante quase dois mil anos. Sim, foi exatamente isso que aconteceu. De um momento para o outro, a recém criada Igreja Católica queimou livros e bibliotecas, apedrejou e queimou sábios e cientistas e mergulhou toda uma civilização nas mais profundas trevas culturais, período esse ao qual se convencionou chamar de “Idade Média”. Da noite para o dia, passou-se a acreditar que afinal era o Sol a “viajar” em torno de uma Terra plana. Mesmo depois do fim deste período, a retoma do caminho da cultura fez-se sempre muito devagar, muito lentamente. Ainda hoje, a sociedade contemporânea alicerça-se sobre o legado grego.

 

http://wallpapercave.com/wp/WD6lDpg.jpg

 

Ninguém sabe ao certo o que se perdeu. Ninguém pode afirmar com segurança com quantos séculos de atraso ficámos, o quão à frente estaríamos se tal não tivesse ocorrido. Mas, para mim, o importante é notar o facto. O que é importante é perceber que sim, que é possível mergulhar o povo na mais profunda ignorância de um dia para o outro, literalmente. Aconteceu no passado. Pode-se repetir no futuro. E quando nos apoiamos sobre os recursos tecnológicos de que hoje dispomos e no que mais temos à disposição para desprezarmos tal ameaça, estamo-nos apenas a enganar. Não dominamos nada de nada. Quanto muito, os sistemas de comunicação apenas concorrem para a lavagem cerebral coletiva. Bem entendido, hoje em dia é ainda mais sofisticado enganar o povo.

 

Se não se acreditarem, se acharem que é teoria da conspiração, olhem para a História. Lembrem-se dos gregos.

Será que um dia veremos Catarina Martins abraçada a Angela Merkel?

por Amato, em 23.05.16

É uma questão legítima entre muitas outras que envolvem o Bloco de Esquerda e a “sua” ideologia. E eu, por simples curiosidade, gostava de saber a resposta.

 

A legitimidade da pergunta advém com propriedade da indefinição ideológica que caracteriza o Bloco de Esquerda e de uma prática que surpreende a teoria sempre que a “razão” — a do apelo das massas — o justifica.

 

Por vezes, parece que julgamos saber, parece que se forma uma ideia concreta do que é o Bloco e do que o Bloco quer, para logo de seguida o caminho iludir-nos e, no interior de uma espécie de bruma ideológica, perdermo-nos irremediavelmente, por tão pouco vislumbrarmos os próprios passos sob tamanho denso nevoeiro. Esta é a noção que eu, cidadão, tenho do Bloco de Esquerda, mas por ventura o problema residirá em mim, por ser exigente em imprudente porção.

 

Repito, portanto, a pergunta inicial: será que corremos o risco de um dia podermos ver Catarina Martins abraçada a Angela Merkel num qualquer dia que há de vir e que o futuro nos reserva?

 

A pergunta, como qualquer outra que pudesse ser feita, aliás, adivinha respostas diferentes mediante o apoiante do Bloco que, honesta e francamente, se dignar a responder à questão. Dependerá, como está claro, da “tendência” em que se inserir no seio do seu partido assim como da sua sensibilidade particular.

 

A pergunta, volto a ela, parece impossível — concordo. Quando soletro devagar as letras que compõem a interrogação parece que formam palavras que soam a absurdo.

 

O absurdo, todavia, é de uma natureza drasticamente precipitada. O absurdo é um rótulo para um frasco de conteúdo simultaneamente impetuoso, apressado e imprudente. O absurdo é uma espécie de gás instável que rapidamente se dissolve na atmosfera das areias do tempo.

 

O que diríamos se há dois ou três anos nos colocassem a hipótese de Alexis Tsipras abraçar Angela Merkel? Absurdo?

 

E o que diríamos se nos dissessem que o Syriza iria aprovar o seu segundo pacote de austeridade — escrevi bem, segundo! — sobre o povo grego? Absurdo?

 

http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2015/06/26/08/29F7A86800000578-3139947-image-a-1_1435305203533.jpg

 

A pergunta inicial começa agora a soar menos absurda? Talvez...

 

É que foi o Bloco de Esquerda, por sua decisão — ao que se sabe, não forçada —, a colar-se politicamente e em tempo útil ao Syriza. Foi o Bloco de Esquerda e foram os seus dirigentes que participaram nos congressos do Syriza, que usaram da palavra nos seus comícios, envolveram-se nas suas campanhas eleitorais, que nos trouxeram a “boa nova” daquela “nova esquerda” que começava a efervescer a “velha Europa” e a “velha política” — fomos todos, em certa medida, contaminados por essa ideia —, que rejubilaram, enfim, com as vitórias do partido e que apoiaram a coligação do Syriza com a extrema direita nacionalista ANEL. Então, veio aquela fase do berreiro protagonizado por Tsipras e o seu então ministro das finanças Varoufakis perante a União Europeia que, igualmente, levou ao delírio a esquerda em geral.

 

O problema veio depois... O problema veio com a capitulação absoluta do Syriza face a todas as exigências do diretório de potências europeias, face a toda e cada uma das políticas de austeridade debitadas pelo imperialismo raivoso. A cada uma delas o Syriza acolheu e adotou como sua.

 

A partir daqui a palavra Syriza foi como que varrida do léxico do Bloco de Esquerda: banida da sua retórica argumentativa, renegada dos seus discursos. Nem uma palavra mais, nem de apoio, nem de repúdio.

 

Entretanto estabeleceram-se também parcerias político-económicas relevantes entre a Grécia, a Turquia e Israel, que incluíram trocas de juras de admiração e de amor eterno. Também neste ponto, e porque a questão dos direitos humanos é tão cara — e bem! — ao Bloco, gostaria de poder aprender com a sua opinião.

 

O exercício de clarificação é um, todavia, ao qual o Bloco de Esquerda se mostra frequentemente avesso. As chamadas “causas fraturantes” ou simplesmente alegóricas, como a do “cartão de cidadania”, concorrem para este desígnio do Bloco se esquivar a qualquer concretização sobre o que pensa.

 

Do silêncio do Bloco de Esquerda relativamente à questão Syriza legitimamente se deduz um incómodo pungente que a realidade Syriza pesa sobre a sua ação e sobre a sua retórica, por um lado, e, por outro, uma conivência consciente com a prática do Syriza ao leme do governo da Grécia, pelo que podemos esperar da parte do Bloco, com um certo grau de segurança, uma réplica à escala portuguesa daquilo que o seu irmão helénico está a aprontar na Grécia se acaso tiver idêntica oportunidade. Quer pelo primeiro, quer pelo segundo, torna-se claro que a estratégia do silêncio é efetivamente a única alternativa do Bloco para não sair drasticamente melindrado com a questão Syriza.

 

Ainda assim, e voltando ao princípio, voltando à pergunta titular, confesso que não me importaria de viver para assistir à cena. Assistir ao abraço fraterno entre Catarina Martins e Angela Merkel seria sinal, pelo menos, de que teria ocorrido uma pequena mudança no quadro político português e de que os desgraçados do costume que nos desgovernam, aos quais se convencionou apelidar de partidos do arco da governação, estariam, ainda que momentaneamente, arredados da dita, quer dizer, do poder e isso já seria enormemente relevante.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens