Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Negociação entre uma parte e o todo

por Amato, em 23.06.15

Quando alguém negoceia o que quer que seja não há um lado bom ou um lado mau. Não há um lado justo e outro injusto. Mais: não há moral e imoral. Quando duas partes negoceiam sobre algo há apenas isso: duas partes com interesses necessariamente distintos, embora podendo ser mais ou menos convergentes aqui e ali, que procuram assegurar o melhor acordo possível. Mas este melhor acordo não é algo vago, não permanece etéreo numa espécie de dimensão da justiça e da moralidade. Não: este melhor acordo é aquele que melhor serve as partes. Em geral, quanto melhor se revelar para uma, pior será para a outra.

 

Neste sentido, torna-se numa experiência plena de surrealidade a de assistir às continuadas declarações do Primeiro-ministro português sobre as negociações com a troika. Chega a ser absurdo, mesmo. Como pode um líder de um país dizer que o que os credores querem é o melhor para nós? Como pode? O desenvencilho deste aparente absurdo apenas se faz se percebermos que, afinal, não existem duas partes a negociar, mas apenas uma. Trata-se de uma negociação de uma só pessoa consigo próprio ou com uma parte de si, entre uma parte e o todo.

 

No momento em que a Grécia, bem ou mal, procura um melhor acordo para o seu financiamento, estando totalmente no seu direito, vem o Primeiro-ministro português tecer rasgados elogios aos credores e veladas críticas a esta política natural dos gregos, tão natural quão surreal tem sido a ação do governo português. Tudo isto é surreal ou, talvez, elucidativo.

 

No filme Django Libertado há uma ideia que permaneceu no meu espírito. O principal obstáculo à liberdade dos escravos não eram os seus donos. Os grandes inimigos dos escravos eram os próprios escravos, seguidistas, delatores, invejosos dos que ousavam levantar a cabeça, não obstante partilharem o mesmo destino. Pensavam eles, iludidos, cair nas boas graças dos senhores esclavagistas para daí retirar algum proveito. Lamentavelmente, no plano da política internacional, o Primeiro-ministro português age exatamente do mesmo modo.

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens