Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Governos Vichy e colaboracionistas contemporâneos

por Amato, em 07.06.16

Quando o Terceiro Reich conquistou a França, foi dissolvida a terceira república francesa e instaurado o chamado État Français. O governo fantoche, então criado, passou a ser conhecido como o governo Vichy, por ser sediado nessa cidade francesa que fica a sudeste de Paris, próximo de Clermont-Ferrand.

 

http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/03072/vichy_3072505b.jpg

 

Hoje, a História é recontada simplesmente em jeito de vitimização do povo francês. A realidade, contudo, está longe, bem longe, desse processo oportuno de vitimização.

 

O governo Vichy não era simplesmente um governo resignado às contingências da sua realidade: era um governo ativo, bem mandado, colaboracionista. E não era, não foi, um governo isolado popularmente — longe disso! Há quem diga que o povo está sempre com quem ganha, seja no futebol, seja na política. Seja por isso ou por outra razão qualquer, o governo Vichy tinha num despertar massivo de franceses fascistas e anticomunistas um suporte que era concreto, que era substancial e não vestigial como a História recontada nos diz. Mesmo muitos daqueles que pudessem não ser nem uma coisa nem outra — o que frequentemente resulta em sê-lo por omissão — apoiavam declaradamente o governo Vichy e a sua natureza antidemocrática e fascista. Diziam, então, que era algo necessário para que a França conservasse alguma da sua autonomia.

 

Para os franceses perder a sua liberdade era algo necessário para que a França conservasse alguma da sua autonomia. Não me enganei no que escrevi. É curioso que exatamente a mesma argumentação surge na boca dos defensores da austeridade alemã/europeia nos dias que correm: a austeridade é algo necessário para conservarmos alguma da nossa autonomia. Muito curioso...

 

O que pretendo com esta entrada é desmontar aquela ideia, frequentemente associada à História capitalista da Segunda Grande Guerra, de que uma boa parte do conflito se deveu a dois ou três desequilibrados que enganaram a maioria do povo. Não foi assim. A Segunda Grande Guerra foi feita pelas pessoas, as mesmas a que chamamos de “normais”. E os governos colaboracionistas foram muito reais. A Alemanha Nazi teve o apoio de inúmeros países europeus que literalmente lhe estendeu passadeiras vermelhas para que marchassem Europa fora.

 

Apenas com uma visão lúcida sobre a História poderemos ser capazes de evitar que a mesma se repita. E ela aí está, a repetir-se, mesmo diante dos nossos olhos!

 

Hoje a ideologia Nazi não se manifesta abertamente, declaradamente, mas está aí: a xenofobia, a ideia de superioridade física e moral dos povos nórdicos perante todos os outros. Vemo-lo na questão da dívida. Vemo-lo na questão dos refugiados. A Alemanha não conquista hoje pelo poder das armas, não usa tanques de guerra, blimps ou motos com sidecar: conquista pelo poder da banca e das dívidas soberanas. E os governos Vichy... aí estão eles, completamente vergados à vontade alemã, completamente entregues, com os seus políticos colaboracionistas, cegamente a defender a austeridade, cegamente a defender a vontade alemã/europeia.

 

Nesta semana, soubemos que Manfred Weber, o líder do PPE, o Partido Popular Europeu, partido com assento no Parlamento Europeu que agrega os partidos da social democracia e da democracia cristã, e do qual fazem parte o PSD e o CDS, enviou uma carta a Jean-Claude Juncker, o Presidente da Comissão Europeia, a solicitar a aplicação de sanções aos países da zona euro que não tenham cumprido o défice de 3% em 2016, Portugal incluído.

 

Que papel é este a que os eurodeputados portugueses do PPE, os do CDS e do PSD, se prestam se não o de contemporâneos colaboracionistas? Que papel é este?! Por que não se demarcam? Por que não abandonam o PPE imediatamente? Noutros tempos, tais atitudes seriam tratadas de uma forma bem diferente e bem “definitiva” por configurarem conspiração e traição à Pátria. Hoje, contudo, parece que é normal...

 

Aí temos, diante de nós, a História a repetir-se, a voltar ao ponto de partida, como um satélite na sua órbita elítica. Aí temos, diante de nós, o contemporâneo Terceiro Reich a ocupar toda a Europa sem que uma bala sequer seja disparada. E, com ele, os contemporâneos governos Vichy, a gerir os territórios de acordo com os ditames alemães, e os colaboracionistas que — democraticamente — os suportam e os justificam hoje como ontem.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens