Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Nós-outros

O castelhano é uma língua com uma verdadeira preciosidade que pouca gente nota, assim, como um tesouro escondido. Enquanto que na maioria das línguas o pronome pessoal da primeira pessoa no plural refere-se a uma espécie de grupo do qual fazemos parte, em português, por exemplo, o pronome é nós, nós o nosso grupo, nós a nossa equipa, nós a nossa família, nós o nosso partido, nós o nosso país, em castelhano o pronome é nosotros, ou seja, nós-outros.

 

Não faço a menor ideia se esta diferença foi intencional ou fruto de um feliz acaso, mas o pronome nosotros, assim modificado em comparação com os seus irmãos das outras línguas, é carregado de um forte sentido de comunidade. Nós-outros não diz respeito unicamente ao nós. Pelo contrário, nós-outros inclui os outros, juntando o eles também na equação do nós. Numa sociedade tão vocacionada para o apontar dos próprios defeitos aos outros, para o divisionismo, o elitismo e divisões artificiais por castas ou classes, a ideia do nós-outros podia assumir aqui um papel terapêutico simbólico. A eficácia desse papel nos países hispânicos carece, todavia, de avaliação, mas há coisas que não têm que ser científicas para serem boas, justas e belas.

 

Lembrei-me do nós-outros ao ouvir algumas reações àquela barbaridade que está a ocorrer no Brasil de Bolsonaro. Uma menina de dez anos apenas, violada, decidiu abortar e está, ela e a sua família, a ser violentamente atacada e ameaçada, com multidões de extremistas religiosos pró-vida perseguindo-os ao ponto da menina e família terem sido forçadas a mudar de identidade e de cidade para poderem continuar a viver. Os comentários não deixam de revelar a tal separação que existe entre o nós e o eles. Mas o nós é o nós-outros, lembram-se? O que vemos nos outros também existe entre nós e a intolerância, o extremismo, o pensamento atrasado, a falta de humanidade são características presentes, por vezes à espera de um qualquer rastilho para poderem arder livremente entre nós.

 

A quem tiver boa memória, basta lembrar o que foi a dificuldade em fazer aprovar a lei da interrupção voluntária da gravidez neste país chamado Portugal, como foram os debates e a argumentação usada então. Esses movimentos pró-vida não desapareceram, continuam por aí, identicamente inspirados, identicamente iluminados e voltarão agora em força com a legislação sobre a eutanásia. E, agora, têm mais força e representação no nosso parlamento.

 

Nós-outros: nós somos os outros e os outros somos nós.

publicado às 10:33

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub