Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

O estado a que chegámos

por Amato, em 08.07.16

Não sei se será melhor escrever “O estado a que chegámos!” ou “O Estado a que chegámos”. Não sei. Vou refletir sobre o assunto.

 

A comunicação social, braço armado do poder burguês, estende a sua influência a todos os domínios da sociedade. Não é uma influência à primeira vista descarada ou evidente. Trata-se antes de um sussurrar permanente, um condicionamento subliminar que procura chegar e chega a cada vez mais cidadãos.

 

É condição essencial para o sucesso desta operação a montagem de um cenário com uma infinidade de intervenientes que opinam aparentemente de forma independente. Se os lermos na diagonal, até parece que cada um acrescenta algum pormenor diferente que o seu antecessor. O mecanismo ilusório resulta, portanto, eficaz. O ouvinte ou o leitor passa por todas aquelas vozes e, no final, está a repetir aquela mesma mensagem que une todas elas sem dar por isso. A coisa acontece, o que é mais grave, com a perceção de livre arbítrio na formação de opinião.

 

O braço mediático burguês não conhece fronteiras: interfere ativamente na política, tanto na parte legislativa como na parte executiva, mas também coloca o seu dedo na justiça. É indesmentível que o julgamento mediático hoje em dia é mais valioso e determinante que o julgamento nos tribunais; os juízes podem ser facilmente atacados indiretamente por um qualquer órgão de comunicação social; os tribunais vêm a sua ação constantemente posta em causa. A questão das constantes fugas de informação assume aqui um papel relevante para analisarmos esta problemática globalmente.

 

O caso de Carlos Cruz, condenado e a cumprir pena em liberdade condicional, é paradigmático. A forma como se coloca em causa a decisão do tribunal de o condenar chega a ser chocante. Conceda-se todos os recursos que a lei permite ao condenado, mas no fim de contas calem-se! No fim de contas aceitem e respeitem o tribunal! Isto não devia ser como um jogo de futebol em que cada qual assume o papel de treinador de bancada. A justiça devia ser algo sério. Já estou a imaginar a sucessão de entrevistas a reclamar inocência e os programas de televisão que lhe vão conceder. É uma vergonha e é nojento. Atingimos um estado lastimável que, na prática, concretiza os piores receios sugeridos por uma espécie de estado anarquico.

 

Não há independência. Não há democracia. Não há liberdade. Não há lei. Não há justiça. Só há um pensamento único. Só há fomento do caos e da desconfiança como tronos sociais para a burguesia poder reinar.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens