Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Subsídio para os trabalhadores mais pobres

por Amato, em 21.04.15

O PS ainda não disse verdadeiramente nada sobre o que quer que seja. O seu líder com nada se compromete. Limita-se a dançar, bonacheirão, pelas ocorrências do dia-a-dia, na esperança que o poder lhe caia graciosamente no colo, como tem sido norma no Portugal que se seguiu ao vinte e cinco de abril. O povo alterna porque sim. Também não se percebe muito bem porquê, se não porque nutre apreço pela promíscua dança.

 

Ontem, semearam nos meios de comunicação esta hipotética proposta do PS de criação de um subsídio para os trabalhadores mais pobres, aqueles que, mesmo trabalhando, empobrecem sempre. Semearam para preparar a sociedade, para colher o feedback gerado por tal medida.

 

Esta hipotética medida merece ser discutida pela sua singular simbologia.

 

Conceder um subsídio à classe trabalhadora mais pobre constitui uma medida de relevância, não apenas no que à mais elementar justiça social e económica diz respeito, mas também no que concerne o estimular da economia pela via do consumo interno, algo fortemente mutilado nestes anos de depressão e de austeridade.

 

Levantam-se aqui, contudo, duas questões.

 

Primeiro, no que à geração dos recursos para dotar esse subsídio diz respeito, prevê-se que o capital seja angariado dos impostos pagos por todos e, portanto, maioritariamente pelos trabalhadores por conta de outrem e individuais. Torna-se claro que este subsídio para os mais pobres tornará os remediados e os menos pobres, a fustigada classe média entenda-se, mais pobre. Esta ideia não parece ser muito animadora... não parece ser justa.

 

Em segundo lugar, levanta-se uma não menos importante questão de princípio. Se o subsídio é criado para corrigir uma assimetria grave no tecido social, um desequilíbrio grosseiro na distribuição da riqueza produzida, pois então deveria ser obrigatoriamente acompanhado de um pacote de medidas legislativas que visassem a correção estrutural desse desequilíbrio. Sem tais medidas (aumento do salário mínimo, regulação do mercado de trabalho, fim dos falsos recibos verdes, fiscalização efetiva das relações laborais) este subsídio resulta também num prémio para todas as entidades patronais que pagam tais avenças miseráveis, na medida em que torna os seus trabalhadores mais motivados, menos reivindicativos e permite perpetuar o sistema e quiça diminuir ainda um pouco mais as retribuições pagas.

 

Esta hipotética medida é paradigmática do que não é esquerda, mas do que, não obstante, muitos julgam ser esquerda, visto não promover uma equilibrada distribuição de riqueza. Antes pelo contrário.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens