Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Presidenciais 2016: uma reflexão

por Amato, em 25.01.16

Em diversas ocasiões previ neste mesmo blog a vitória à primeira volta de Marcelo. O resultado não é, por isso mesmo, completamente inesperado. Também não é inesperado o resultado obtido por Sampaio da Nóvoa, o mais forte “candidato dos cidadãos”. Aliás, a votação nele vertida é equivalente à do seu antecessor, Manuel Alegre. O que é inesperado é a forma como os votos foram dispersos pelos outros candidatos; inesperado e seriamente grave para a esquerda em geral e para o momento concreto que vivemos hoje, particularmente para o governo atual.

 

Também isto já o escrevi nalgum post mas aproveito para o reafirmar em jeito de presságio: com este Presidente, o governo PS não chegará ao final da legislatura. Mas mais grave do que isso é a pressão que será exercida a partir de agora sobre a sua governação. O atual quadro de apoio popular aos partidos com assento na Assembleia transformou a correlação de forças e deslegitimou a coligação parlamentar.

 

Com efeito, toda a oratória da direita que resultou da derrota nas eleições legislativas, por muito infantil e medíocre que fosse, acaba por sair legitimada e reforçada com estas eleições que a dotaram de uma expressiva vitória por maioria absoluta. A democracia tem disto mesmo: os votos legitimam tanto o digno como o indigno, tanto o honesto como o corrupto, tanto o íntegro como o canalha.

 

Esta pressão popular far-se-á sentir (cá vem mais um presságio...) sobre cada aspeto da vida política e da vida corrente do país, sobre cada política adotada, sobre o caráter das medidas, sobre a escalada do patronato sobre os trabalhadores, sobre a influência dos sindicatos, sobre as decisões dos tribunais e sobre as interpretações que irão ser feitas das leis. Tudo isto se fará sentir, desde o salário real ao custo de vida, passando pelo intervalo de cinco minutos para ir ao quarto de banho durante o trabalho. Que ninguém tenha dúvidas: o povo português sentirá na pele, mais do que nunca, o poder do seu voto.

 

Medidas que iriam ser tomadas não o serão mais e, a pouco e pouco, a coligação parlamentar partir-se-á. A hipótese etérea de um tempo novo na política portuguesa com o PS a governar um pouco mais à esquerda esfumar-se-á rapidamente com o ajoelhar determinado de Costa à direita triunfante que o terá, seguro, debaixo de um pé, sob ameaça de uma dissolução parlamentar, até ao momento em que se decidir a fazê-lo desde o alto da cátedra do Professor Marcelo.

 

Um outro pormenor que concorrerá para este quadro desastroso é a pseudo-vitória do Bloco de Esquerda nestas eleições presidenciais e a derrota do Partido Comunista Português. Atribuo o prefixo pseudo pelo facto do Bloco de Esquerda ter efetivamente diminuído a sua votação em relação às legislativas e, portanto, resultar artificial a caracterização do resultado eleitoral como vitória, mas cada qual será livre de o entender como bem lhe aprouver.

 

A dinâmica da coligação parlamentar tripartida dependia de dois fatores essenciais: do peso combinado do Bloco de Esquerda e do Partido Comunista Português e da influência deste último no que diz respeito à transmissão de uma certa dose de bom senso, de honestidade e de seriedade ao processo. O Partido Comunista Português é, por muito que custe entender, o fiel da balança neste acordo parlamentar. Não é somente a minha opinião, Pacheco Pereira disse qualquer coisa do género na Quadratura do Círculo. Por seu turno, o Bloco de Esquerda é o elo mais fraco desta coligação parlamentar, pelo seu aventureirismo, pela sua instabilidade e indefinição endémicas, pela sua sede de protagonismo, capazes de provocar o caos de um momento para o outro.

 

Os resultados eleitorais ditaram o fortalecimento do Bloco e da sua instabilidade e o enfraquecimento assinalável do Partido Comunista e da sua capacidade para segurar a coligação. Esta descida do Partido Comunista não era de todo em todo expectável sobretudo devido à ideia de um eleitorado fiel de sete ou oito pontos percentuais, ideia essa alimentada no histórico das eleições, mas não verificada desta vez.

 

O caldo está, enfim, preparado. O último ingrediente foi adicionado ontem e chama-se Marcelo. Teremos direita a influenciar o governo. Teremos austeridade. Teremos retrocesso. Teremos eleições para breve para reforçar a dose quando assim for necessário. O povo assim o quis.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens