Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

O referendo na Grécia: uma análise exaustiva

por Amato, em 29.06.15

Volvidos muitos meses desde o início das negociações e a escassos dias do país entrar em incumprimento com os “credores”, foi apresentada à Grécia uma proposta com a adjetivação de definitiva mas que, entretanto, diversas vozes oficiais e oficiosas vieram já garantir assim não o ser, que ainda há “margem de manobra”, dizem. Estas declarações muito nervosas surgem após o anúncio de um referendo a esta proposta por parte do governo grego. Aliás o nervosismo parece ser característica endémica por parte das instituições internacionais que se comportam claramente como representantes aflitos dos interesses dos “credores”, essa massa intangível de coisa desconhecida e vil.

 

A proposta, muito melhor do que a apresentada a qualquer outro país intervencionado, incluindo Portugal, o que, por si só, demonstra, para lá de qualquer argumentação, a vantagem da negociação relativamente à aceitação obediente dos ditames externos, não deixa de estar carregada de austeridade e de amarrar o povo grego a uma espiral de dívida e de recessão. Bem entendido, outra coisa diversa não seria de esperar. Não está na sua natureza. Perante tal proposta o governo grego decidiu colocar a sua decisão de aceitação ou não nas mãos do seu povo.

 

O referendo é democraticamente inatacável. A democracia tem isto mesmo: ouvir a voz do povo resolve qualquer contenda, legitima qualquer decisão, para além de qualquer dúvida. Posto isto, devo dizer que a decisão de referendar este acordo é uma das atitudes moralmente e politicamente mais covardes de que há memória. O povo grego vê-se confrontado com uma decisão após meses de impasse e de incerteza, após anos de insegurança relativamente ao seu presente e ao seu futuro. Onde está a sua liberdade de escolha? É lamentável e, repito, covarde que o governo grego não assuma claramente a sua posição e procure, assim, um bode-expiatório para retomar nas suas próprias mãos a política de austeridade, numa procura permanente e imatura de popularidade e aceitação das massas.

 

Parece que apela ao não neste referendo, como não poderia deixar de ser pois caso contrário cairia definitivamente a máscara que o conduziu ao poder, mas deixo aqui algumas interrogações. O que acontecerá se o sim ganhar? Demitir-se-á o governo? Prosseguirá a austeridade ou entregará essa tarefa aos outros que o antecederam? Com que premissas é que afinal foi eleito?

 

Não existe aqui, nesta crítica, qualquer incongruência da minha parte. Louvo a atitude deste governo em fazer o que mais nenhum país europeu fez e o que poucos mundialmente fizeram: negociar perante as instituições internacionais de abutres. Louvo e continuarei a louvar. Trata-se de uma atitude patriota que qualquer governo patriota tomaria independentemente do seu posicionamento político. Entendo, porém, que este governo, suportado numa coligação entre partidos antípodas, revela-se ideologicamente esvaziado. Mediaticamente opõe-se à austeridade alemã mas perdurou, meses a fio, na procura de um acordo de financiamento. Por que acordo esperava afinal? Não se percebe muito bem qual o fim que este governo grego procurava. Ao mesmo tempo diz não querer sair deste euro que asfixia a Grécia e que é o principal responsável pela dimensão da sua dívida. Com efeito, em nenhum momento rasgou nem com esta moeda, nem com os parceiros europeus que, ao invés de apoiarem a Grécia, ofendem-na, achincalham-na e humilham-na em pleno processo negocial numa base diária. Não se percebe qual é o plano.

 

O Syriza é o representante desta “nova” esquerda, que noutros países tem nomes diferentes, que é lesta e assertiva no diagnóstico aos problemas do capitalismo, e com o qual todos nós, os de esquerda, concordamos, mas depois, quando lhe é concedida a oportunidade de tomar o destino dos seus povos em mãos, não sabe bem o que fazer. Tem medo das experiências do comunismo e do seu legado e rejeita-as dogmaticamente porque receia o que o povo pensará deles se não o fizer mas, nesse processo, cola-se às estruturas do capitalismo, às estruturas de consolidação do poder burguês que governa as sociedades. Esta esquerda não sabe o que fazer, nem sabe bem o que quer, não sabe por onde caminhar e, por isso mesmo, dá um mau nome à esquerda, isto é, concorre para a sua difamação e para o alimentar dos chavões cuspidos desde o outro lado.

 

Falta bagagem a esta esquerda. Falta-lhe passado. Falta-lhe compreensão histórica e entendimento. Falta-lhe fazer as pazes com a história para poder corrigir os erros cometidos e poder trilhar um caminho desconhecido mas a passos sólidos. Falta-lhe futuro.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens