Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

O que se esconde entre o sudoku e as palavras cruzadas

por Amato, em 01.02.16

Normalmente apanho o Metro de manhã quando vou de carro, não o metropolitano, o jornal. Abro uma frincha na janela, desejo um bom dia ao rapaz que por ali anda ao pé de Serralves e sigo para o trabalho. Dou uma vista de olhos aos títulos e vou direto à página do sudoku. Ouvi dizer que é importante fazermos isso e as palavras cruzadas para exercitar a mente e não a dar à preguiça com o avançar da idade. Tenho tempo porque chego sempre muito cedo.

 

Hoje fiz o sudoku, no parque de estacionamento, em menos de dez minutos mas também não era muito difícil, devo admiti-lo em abono da verdade. Estava na segunda volta das horizontais das palavras cruzadas quando me deparo com o correio do leitor, ali mesmo ao lado na página dobrada do jornal. Não tinha dado por aquilo. Este jornal tem um espaço assim: um pequeno retângulo onde uma breve mensagem, alegadamente enviada por um leitor, é publicada.

 

O que é interessante é que o teor da mensagem é sempre o mesmo, a ideologia é sempre igual, seja qual for a alma que se dá ao trabalho de enviar a sua opinião para esse importante veículo de informação que é o Metro. Seja o António de Ermesinde, a Maria da Póvoa ou o Aníbal de Gaia. Quem os lê fica com a certeza da existência de um pensamento único vivo no seio mais profundo da população. Na verdade, é como se existisse um objetivo subliminar e uma lógica subjacente que se sobrepõe à aleatoriedade que qualquer um espera quando se depara com tal espaço opinativo.

 

O Metro não constitui caso único. Pelo contrário, se estivermos atentos, parece ser prática comum generalizada nos jornais a escolha a preceito dos artigos de opinião do público anónimo a serem publicados. Muitos dirão que se trata apenas do legítimo direito do jornal em definir os seus critérios editoriais. Para mim, esta situação coloca assertivamente a nu a natureza não democrática da generalidade dos meios de comunicação.

 

Já sabíamos que os jornalistas são escolhidos para desenvolverem o seu trabalho com um determinado “estilo”, chamemos-lhe assim, e também já sabíamos que os critérios editoriais reservam-se o direito de censurar a notícia a seu bel-prazer. Agora, ficamos também a saber que mesmo as cartas dos leitores são selecionadas segundo tal critério. Isto quer dizer que os jornais vão até às últimas consequências do seu próprio poder para manipular a opinião veiculada nas suas páginas não admitindo outra que não a que entendem por correta.

 

Por isso, dá-me vontade de rir quando ouço frases do tipo: “o jornalismo livre é a base de qualquer democracia”. É que é tanto disparate junto...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens