Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Consistência dos conceitos II

De que falamos quando nos referimos a “esquerda” ou a “direita”? Por que razão nutrimos esta divisão teórica do espectro político? Fará sentido? Existirá uma correspondência direta com a prática no mundo dos homens?

 

As sociedades humanas, especialmente aquelas com profundas tradições enraizadas numa qualquer cultura religiosa e moral de natureza monoteísta, tendem a desenvolver-se numa vertigem bipolar, observando os acontecimentos e procedendo à sua análise com uma palete de duas cores apenas. Chamam-lhe o “bem” e o “mal”, a “virtude” e o “pecado”. No sentido de contrariar esta tendência criaram-se estruturas várias que assumem e legitimam a existência de interesses diversos muito para lá da moralidade barata do número dois.

 

A génese desta forma de pensar e de entender a vida dos homens poderá radicar nas sociedades clássicas, de natureza pagã. Na Grécia Antiga, por exemplo, a multiplicidade de divindades tinha frequentemente interesses contraditórios que eram esgrimidos nas sua próprias mitologias e também nas tradições de raiz mais popular. Talvez essa perceção tenha sido determinante para a valorização que era dada à capacidade de argumentação e de dialética das camadas mais educadas das populações. Com efeito, numa sociedade com mais do que duas faces, a capacidade de elaborar argumentos, de disputar diferentes pontos de vista, era tida como fundamental para um entendimento saudável entre os membros das comunidades.

 

Estas mesmas tradições encontram-se plasmadas nos tribunais e estruturas arbitrárias das sociedades contemporâneas que, assim, bebem diretamente da fonte deixada pelos nossos antepassados clássicos. Mas as semelhanças com os Gregos ficam-se, frequentemente, por aqui. No resto, nas discussões que se travam nos diversos palcos mediáticos, persiste-se em discutir o mundo nas duas cores de que falava anteriormente. Neste capítulo, assumimo-nos como descendentes retrógrados dos nossos antepassados.

 

E a política que, não obstante o descrédito e a difamação associada à palavra, traduz a natureza mais sincera do ser humano, do ser social e, portanto, político, que cada um de nós é, por muito que o reneguemos, a política, como dizia, padece da mesma maleita de natureza daltónica.

 

Volto, então, ao princípio: de que falamos quando nos referimos a “esquerda” ou a “direita”?

 

Existe uma única diferença fundamental entre as duas filosofias subjacentes. Trata-se da forma como cada uma encara o ser humano no contexto social: a sua responsabilidade, o seu direito, o seu lugar, o seu papel, enfim, no grande plano comunitário. Trata-se, no fundo, da utilização, ou não, do prefixo des na palavra confiança no que se refere ao vizinho anónimo, o desconhecido, aquele que se apresenta completamente despido de sentimentos ao nosso olhar.

 

Esta é a única diferença. O resto são apenas ferramentas para se construir o caminho a seguir acompanhadas de uma imagética mais ou menos agradável aos sentidos. A forma como se projeta a organização económica do país e se processa a distribuição da riqueza assume, aqui, um papel determinante para corporizar a teoria política.

 

É imediato concluir que aquilo a que chamamos de “esquerda” normalmente não o é e que temos jogado o jogo segundo uma divisão artificial do campo sem correspondência com o real. Também neste particular é necessária bastante segurança sobre a utilização concreta dos conceitos, sob pena de que estes se invertam completamente em significado no espaço de menos de um quarto de século.

publicado às 10:55

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub