Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

As “pequenas” coisas e a base dos entendimentos

por Amato, em 31.12.15

Num destes dias de dois mil e dezasseis é possível que o PS se veja sozinho, isolado, débil. Então, assistiremos a um golpe de misericórdia que se materializará na decapitação deste executivo governamental. Esse golpe virá pelas costas e será dirimido pelas mãos juntas dos partidos da grotesca PaF, por ora defunta fingida. Nesse momento, a sociedade em peso apontará os seus dedos hipócritas aos partidos da esquerda, acusando-os de tudo e de mais qualquer coisa e responsabilizando-os, com a sua voz de escárnio costumeira, pela queda do governo.

 

O cenário hipotético mas plausível deve ser desmontado desde já. Deve-se dizer o que está mal, o que se está a plantar, como se está a fazer a cama onde nos deitaremos. Há coisas que se fazem e que ninguém presta atenção, mas que se colocam na base dos entendimentos como argamassa que une ou desune boas vontades e esforços.

 

Neste particular, sublinho uma situação pertinente ocorrida no final deste ano civil. Perante uma ameaça de greve pelos trabalhadores da Petrogal, este governo, tal como o anterior o havia feito, emitiu um despacho “fora-da-lei” que deliberava serviços mínimos (leia-se: máximos) afrontando a Constituição no que o direito à greve diz respeito e desmobizando a ação de luta dos trabalhadores da empresa. Podia não o ter feito. Mas fê-lo. Decidiu sair célere em defesa do patronato, buscando, deste modo, o seu patrocínio. Não pesou mais os interesses dos trabalhadores: pesou mais os interesses do patronato. Não quis o patrocínio dos trabalhadores: quis o patrocínio do patronato. É uma opção legítima, descontando o “pormenor” Constituição.

 

São estas “pequenas” atitudes que minam um relacionamento. É este tipo de postura perante a vida real, perante os problemas concretos, que influem em decisões mais amplas e mais substantivas e que estão na base dos acordos parlamentares. Quando o PS cair não será por acaso. Quando o PS se vir sozinho, isolado e débil muitos não o compreenderão. Muitos não serão capazes de entender por que razão a esquerda não lhe estende uma mão. Não será pelas “grandes” coisas. Não será pelas estrelas do céu ou por aquela outra que pontifica, brilhante, no topo do pinheiro de Natal. Será antes pelas “pequenas” coisas, pelo que se encontra na base e que sustenta, todos os dias, o tronco desse pinheiro.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens