Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

A questão da confiança

por Amato, em 04.07.15

Antonio Fernandez - Restauração de Portugal e Morte de Miguel Vasconcelos

Ouvimos esta frase dita de forma desgarrada: “conquistámos a confiança dos mercados”. Ouvimos e aceitamo-la como se de uma conclusão óbvia se tratasse. Ouvimo-la sem que na nossa mente burile qualquer princípio de interrogação, sem que germine o que quer que seja que não seja uma aceitação dogmática que surge não se percebe bem de onde.

 

Há mais frases como esta, “conquistámos a confiança dos mercados”. São frases que aparecem e se repetem à exaustão, qual sound bite, e de tanto repetidas conquistam uma credibilidade que é de plástico, que é não é orgânica, que, em verdade, não é nada. Nada.

 

A montante da questão é importante perceber o que é isso de “mercados”. É importante que se conheçam os rostos que agem confortavelmente a coberto da palavra. A existência sem rosto torna-se mais fácil. É uma existência que transcende o mundo dos homens, daqueles que todos os dias saem de casa à procura de trabalho e de sustento para si e para os seus. E, por isso, parece que não é de pessoas como nós, iguais a nós, de que falamos. Parece que estamos a falar de semideuses. Muitos desses vivem mais perto de nós do que pensamos. Estão mesmo aqui ao lado. Todavia, escondendo-se atrás da palavra “mercados”, que mais não é que uma palavra que representa o corporativismo burguês contemporâneo, parece que podem e que mandam mais do que realmente podem e mandam. Parece que são mais importantes do que o resto, mais importantes do que o sol, o vento e a chuva. Parece que são mais importantes do que os homens que todos os dias se levantam à procura de trabalho e de sustento. E, então, resulta natural a existência de governos totalmente colaboracionistas com os interesses e o proveito destes tais de “mercados”.

 

A jusante da questão vem o conceito de “confiança”. De que confiança estamos a falar? E o que fizemos nós para conquistar tal confiança? Ninguém pergunta? Ninguém questiona a moralidade da coisa? Que confiança é esta de “Só te empresto dinheiro se cortares o teu braço esquerdo”? O que é isto? Destruímos a nossa economia de uma forma dramática, sem precedentes, numa política de terra queimada declarada. Remetemos uma boa parte da nossa mão de obra a um destino de emigração. Desbaratámos de forma irremediável cada instrumento de influenciação económica de que dispúnhamos. Desequilibrámos descaradamente o mercado laboral e a balança distributiva de rendimentos no seio da nossa economia de tal forma que diminuímos dramaticamente as condições de vida de um português médio e condenámos assustadoramente as retribuições para o estado de qualquer eventual laivo de crescimento económico. Neste processo multiplicou-se a dívida, prolongando-se um estatuto a todos os níveis de estado-escravo ou estado-servo ao nosso país. A isto se chama ganhar a confiança dos mercados. A isto eu chamo de mediocridade moral, baixeza política.

 

A questão da confiança é crucial. É crucial para percebermos quantos como Miguel de Vasconcelos temos no meio de nós, quantos é necessário não arremessar da janela do paço real onde nos desgovernam a mando de alemães e afins, mas arremessar para uma cela escura ou, melhor, para fora das nossas fronteiras, com o correspondente pontapé no traseiro, para irem morrer longe, bem longe, das nossas praias.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens