Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

A perfeição da democracia

por Amato, em 29.11.14

Noutro dia conversei com uma pessoa que me dizia: “a democracia é imperfeita” porque “as pessoas votam de acordo com os seus interesses e não de acordo com os seus ideais”.

 

Ouvi e concordei com a naturalidade do argumento. É verdade que uma boa parte da população vota de acordo com os seus interesses: basta atentar para o que se passa a nível local, onde as eleições autárquicas são as mais concorridas, e ver o que os candidatos vencedores oferecem e como o pagam, findadas as eleições. Sabemos disso.

 

Sabemos que os ideais ficaram fora de moda. Conhecemos a energúmena sentença “são todos iguais”, quando na verdade o “todos” significa “eu”. Conhecemos esta inércia e esta acomodação ao sistema, de como as coisas se processam. Acreditamos que isto é o melhor que podemos ter e que não vale a pena sequer imaginar outra organização que possa ser mais equilibrada. Para muitos atingimos o estádio final de evolução da humanidade.

 

Sabemos de tudo isto e tudo isto faz soar com verdade e assertividade a conclusão “a democracia é imperfeita”, porque foi através dela que aqui chegámos.

 

Mas alguma coisa me fez matutar sobre a frase e sobre o argumento durante a viagem de volta. Alguma coisa não batia certo. Como é que um sistema em que todos têm igual voz, em que todos os votos valem o mesmo e em que, à partida, por muita pressão que possa haver, cada um pode efetuar a sua escolha de forma anónima, como é que um sistema assim poderá ser algo menos que perfeito?!

 

Então pensei: é na imperfeição da democracia que, precisamente, radica a sua perfeição. Quem somos nós, afinal, para opinarmos sobre a tomada de decisão de cada um? E se os interesses particulares dessas pessoas coincidirem precisamente com os seus ideais? E se os seus ideais forem precisamente a salvaguarda do seu interesse particular? Quem somos nós para o julgar menos digno?!

 

Claro que, nesta breve análise, excluo a influência da educação e da cultura na tomada de decisão, instrumentos fundamentais para se poder ver um pouco mais além do que o próprio umbigo. Mas ainda assim a natureza perfeita da democracia é indiscutível: cada pessoa escolhe o que considera ser o melhor e não existe um outro sistema capaz de igual façanha. A democracia é, com toda a razão, o regime político em que o governo é escolhido à imagem e semelhança do povo que o elegeu.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens