Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

A nódoa política

por Amato, em 15.07.15

Devo reconhecer que me enganei redondamente. No meu último artigo sobre a Grécia dizia eu:

 

“Para mal dos seus pecados, o povo grego mostra ser dono de uma coragem de ferro, de uma vontade de aço, e obriga o Syriza a continuar a lutar.”

 

É espantoso verificar que assim não foi. O Syriza, sem nada que o fizesse prever e desbaratando vergonhosamente o capital de confiança depositado em si pelo povo após o referendo, capitulou em todos os domínios e ajoelhou-se, como todos os outros que criticou, perante o imperialismo capitalista vigente na Europa do euro. Fica a pergunta: por que razão o Syriza promoveu o referendo, afinal? E mais: será que o Syriza, defendendo o não, estaria na verdade à espera de um sim? Pensar sobre o assunto chega a ser doloroso. As minhas críticas ao Syriza pecaram por escassas: o Syriza mostrou uma total ausência de espinha dorsal.

 

Dizer que o Syriza é uma nódoa política, particularmente no espectro da esquerda, é pouco ou, por ventura muito. Passo a explicar.

 

Por um lado é pouco: é impossível respeitar um partido ou governo que se demonstra tão incapaz, tão desprovido de ideias e de ação própria para o seu próprio país que não apenas uma oratória oca. Neste tempo, nestes largos meses, que o Syriza já leva de governação, não se vislumbra uma ação governativa que não meramente dialética e moralista na negociação com a Europa, uma ação que lhe permitisse alavancar o seu próprio país da situação em que se encontra, que lhe permitisse, enfim, poder traçar um caminho autónomo à margem das negociações. Sem tal estratégia, o governo grego fragilizou progressivamente a sua posição negocial tendo ficado muito claro, a partir de um determinado momento, que a única ideia deste governo Syriza seria a obtenção de um acordo de financiamento que, em todo e qualquer caso, seria sempre desastroso para a Grécia. O Syriza acabou por capitular em toda a linha, submetendo-se a um acordo que vai depauperar o seu país, os seus instrumentos económicos, os seus recursos, e, mais importante, que renova a subordinação da economia grega à política de dívida e de dominação hegemónica alemã/europeia.

 

Por outro lado, vista a coisa de outro prisma, chamar nódoa política ao Syriza é demais. O povo grego, à semelhança do resto do mundo, não se enganou na sua escolha. Escolheu democraticamente aquilo que quis. E o que escolheu foi um partido que se dizia contra a austeridade mas absolutamente contra a saída do euro. O povo grego escolheu o paradoxo e depositou as suas esperanças nesse paradoxo que, agora, resulta por demais evidente. O povo grego não escolheu, bem entendido, quem, ali ao lado, repetindo a primeira parte do discurso, defendia a saída do euro como fundamental para que a Grécia se pudesse ejetar desta espiral de dívida e de dominação estrangeira. O povo grego tem, por isso, exatamente o que escolheu.

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Mensagens