Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

A “esquerda” do Bloco

por Amato, em 25.02.16

Existem uns outdoors do Bloco de Esquerda espalhados pelas cidades que gritam, a propósito do Novo Banco, “banca pública ao serviço das pessoas”.

 

Esta frase que escolhi destacar dentro de aspas é de uma relevância enorme, profunda, para se entender a “esquerda” do Bloco.

 

A frase em si mesma aponta para a nacionalização da banca. Há uma certa ambiguidade que provém de não se perceber, à partida, se essa nacionalização que o Bloco pretende é geral, abrangendo toda a banca, ou particular, no que concerne apenas ao Novo Banco. Não obstante essa ambiguidade, que é muito relevante para a análise em questão, para se saber se o tratamento que se propõe é simplesmente tópico ou se é mais do que isso, global e estrutural, é indiscutível que se aponta para um caminho de nacionalização da banca.

 

Ora, é justamente aqui que se separa o trigo do joio no que à esquerda diz respeito. Porque se é verdade que a nacionalização da banca é algo de axiomático para quem quer que pense à esquerda, também é verdade que este tipo de opções encerram uma certa qualidade revolucionária e não encaixam no resto das peças do sistema capitalista. Neste ponto, importa perguntar quais são as opções do Bloco relativamente ao Euro e à União (Económica) Europeia? Qual é o seu plano para fazer face a um isolamento e segregação a que o capital votará o nosso país no caso de tais medidas serem tomadas?

 

É que o processo revolucionário não é fácil, nem trivial e não é um caminho de passos avulsos: é necessária coragem para enfrentar os muitos obstáculos, as inúmeras resistências do sistema, e coerência espinal para se poder encetar e percorrer o caminho da transformação da sociedade. O Bloco partilha da mesma linguagem revolucionária, mas quanto ao resto... revela um comprometimento absoluto com as regras do sistema e, se acaso enfrentasse a União Europeia, não contemplando uma rutura com a mesma e com as suas estruturas, recuaria à primeira contrariedade, tal como fez o seu irmão Syriza na Grécia.

 

“Banca pública ao serviço das pessoas”. Concordo e assino por baixo. Mas e depois? Podemos contar com o Bloco para a “guerra” que se seguirá?

 

Termino com uma nota. O Bloco fala em “pessoas” e não em “povo”. Acredito que o uso desta terminologia não é inocente e pretende ser diferenciador. Acredito que diz muito sobre a forma como o Bloco e a sua “nova esquerda” observam a sociedade. De que pessoas estamos a falar, afinal? Parece que, para o Bloco, já não existem classes sociais, nem luta de classes. Isso é coisa do passado. Isso é coisa de comunistas. Agora apenas existem pessoas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens