Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

A apologia do pecado

O que é mais traumatizante no caso Robles não é o facto de se constatar que há um político no Bloco de Esquerda que não tem um pingo de vergonha na cara, nem de escrúpulos, nem de caráter. Com efeito, nem o Bloco de Esquerda é um partido de santos, nem a esquerda, em geral, é composta, apenas e em exclusivo, destes seres imaginários sem sexo.

 

O Bloco de Esquerda, em particular, parece ser profícuo em nos brindar com figuras muito mediáticas, nomeadamente no que concerne à autarquia da capital, que, uma vez conquistado o poder, tratam de arranjar a sua vidinha e esquecer a cartilha que levavam no bolso durante a campanha. Ou já se esqueceram de um tal de José Sá Fernandes? À terceira, isto é, ao terceiro eleito para a Câmara de Lisboa, será de vez. Acreditemos.

 

O que é, de facto, consternador, é a direita ter capitalizado com o fenómeno que teve assim o condão de difamar e descredibilizar o discurso da esquerda como um todo e de, ao mesmo tempo, encher o peito da abjeta direita política e da sua práxis mundana de promiscuidade com o mundo dos negócios. Em linguagem religiosa, foi como se tivesse resultado uma apologia definitiva do pecado que se deduziu diretamente do apontar do dedo aos defeitos de caráter dos evangelistas.

 

Não. Não é assim. Não aceito esta lógica. Não aceito que Assunção Cristas e seus acólitos malfeitores possam sair disto por cima, como se toda a patifaria que aprontaram durante largos anos no governo, no domínio do mercado de arrendamento e noutros, pudesse ser apagada simplesmente porque do outro lado havia uma pessoa pouco séria. Que apague aquele sorrisinho prepotente que leva, por estes dias, nos lábios!

 

Não deixo de sublinhar, todavia, a forma patética com que o Bloco de Esquerda lidou com todo este caso. Justifica, desculpa, não se demite, demite-se, não se desculpa, não se justifica, admite-se um erro. Afinal houve um erro. Ficam na memória as tristes figuras de Mariana Mortágua, Catarina Martins e Francisco Louçã procurando, no mais exclusivo espaço mediático, justificar o injustificável. O Bloco de Esquerda é isto, infelizmente. Não se nota evolução.

publicado às 17:52

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub