Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Séneca e como os problemas de ontem são os problemas de hoje

por Amato, em 30.04.17

Quem se interessa um pouco pelo estudo da história dos povos e do saber, chega rapidamente à conclusão que a versão da história que nos dão a conhecer tem que ser obrigatoriamente muito limitada. Mais importante ainda é perceber a falsidade daquela ideia que nos é plantada desde tenra idade de que agora somos muito avançados e que há dois mil anos atrás éramos todos um conjunto de bárbaros. Quem se acredita nisto não poderia estar mais longe da verdade.

 

A própria conotação que é atribuída à palavra bárbaro é muito interessante. Foram os romanos que a usaram pela primeira vez para distinguir aqueles povos que os invadiam vindos do norte, exércitos de homens de face por barbear, prelúdio do final do império. Hoje, poucas são as pessoas que não associam à palavra um homem sem cultura, sem modos e sem educação e, todavia, as evidências apontam para que os bárbaros fossem possuidores de uma cultura e de uma educação ao nível das do império romano.

 

Algo de semelhante se passa relativamente a todas as civilizações que nos são distantes. Ainda que admitamos notáveis avanços em algumas delas, nomeadamente nas clássicas, a verdade é que o fazemos numa atitude de profundo paternalismo. Esse paternalismo é alicerçado nos nossos avanços científicos, nos gadgets absolutamente redundantes com que decoramos as nossas vidas. Todavia, se olharmos com um bocadinho de atenção, somos obrigados a modificar a nossa opinião.

 

Cientificamente falando não nos encontramos tão mais avançados como julgamos e esta conclusão é tão mais evidente se fossemos capazes de excluir o século XX desta equação, período no qual os mais relevantes avanços foram conquistados desde a antiguidade clássica. Até ao século XX, toda a Matemática que se sabia já era dominada desde a Babilónia, dois mil anos antes de Cristo, se não antes. E ainda há toda uma gigantesca e antiquíssima civilização oriental (chinesa) que nos é completamente desconhecida. Lembro-me sempre deste facto interessante: existem inscrições nas antigas pirâmides egípcias que, hoje em dia, apenas poderiam ser feitas com o auxílio de maquinaria avançada.

 

Há, todavia, algo que supera a ciência em importância: o pensamento. Os pensadores clássicos colocam a nossa moderna civilização numa posição embaraçosa. Primeiro, porque a nossa civilização abdicou por completo de pensar, diminui a importância da Filosofia, reduz tudo à Ciência, a saberes feitos e finais, não questionáveis, artificiais. Segundo — e isto é que é realmente interessante —, porque estes filósofos já se questionavam sobre os mesmos problemas com que hoje nos deparamos na nossa sociedade.

 

Lúcio Aneu Séneca (4 aC - 65 dC)

 

Observe-se o caso de Lúcio Aneu Séneca precetor do jovem Nero, futuro imperador romano, e um filósofo romano que influenciou decisivamente o pensamento no período do Renascimento, mil e quinhentos anos depois da sua morte. Séneca foi autor de inúmeras obras notáveis de reflexão sobre a sociedade e sobre o Homem. Numa delas, talvez a mais famosa, Da Brevidade da Vida, Séneca diz o seguinte:

 

Nenhum homem sábio deixará de se espantar com a cegueira do espírito humano. Ninguém permite que sua propriedade seja invadida e, havendo discórdia quanto aos limites, por menor que seja, os homens pegam em pedras e armas para a defender. No entanto, permitem que outros invadam suas vidas pessoais de tal modo que eles próprios conduzem os seus invasores a isto. Não se encontra ninguém que queira dividir sua riqueza, mas ao mesmo tempo a sua vida é distribuída entre muitos. São avarentos em preservar o seu património, mas quando se trata de desperdiçar o seu tempo, são muito pródigos relativamente à única coisa capaz de justificar a avareza. Por isso, diverte-me interrogar um qualquer, dentre a multidão dos mais velhos:

“Vemos que chegaste ao fim da vida, contas já cem ou mais anos. Vamos! Faz o cômputo da tua existência. Calcula quanto deste tempo foi gasto com um agiota, com uma amante, com um patrão ou com um cliente, quanto tempo se subtraiu com querelas conjugais, as reprimendas aos escravos, as atarefadas perambulações pela cidade; acrescenta as doenças que nós próprios nos causamos e também todo o tempo perdido: verás que tens menos anos de vida do que os que contas. Faz um esforço de memória: quando tiveste uma resolução na tua vida que seguiste? Quão poucas vezes um dia qualquer decorreu como planeaste! Quando empregaste o teu tempo contigo mesmo? Quando mantiveste a aparência imperturbável, o ânimo intrépido? Quantas obras fizeste para ti próprio? Quantos não terão esbanjado a tua vida, sem que percebesses o que estavas perdendo; o quanto da tua vida não   subtraíram sofrimentos desnecessários, tolos contentamentos, ávidas paixões, inúteis conversações, e quão pouco não te restou do que era teu! Compreendes que morres prematuramente!” Qual é pois o motivo? O Homem vive como se fosse viver para sempre, nunca lhe ocorre que é frágil, não nota quanto tempo já decorreu; gasta o tempo como se ele fosse farto e abundante, ao passo que aquele mesmo dia que é dado ao serviço de outro homem ou outra coisa pode ser o seu último. O Homem detém simultaneamente todos os medos dos mortais e todos os desejos dos imortais

Ouvirás muitos dizerem: “Aos cinquenta anos refugiar-me-ei no ócio, aos sessenta estarei livre de meus encargos.” E que segurança têm eles de uma vida tão longa?

E quem assegurará que tudo decorrerá conforme os seus planos? Não se envergonham de reservar para si apenas as sobras da vida e destinar à meditação somente a idade que já não serve mais para nada? Quão tarde começam a viver, quando já é hora de deixar de fazê-lo. Que negligência tão louca a dos mortais, de adiar para o quinquagésimo ou sexagésimo ano os prudentes juízos, e a partir deste ponto, ao qual poucos chegarão, querer começar a viver!

 

— Séneca, Da Brevidade da Vida, III (tradução não oficial)

 

Quando se lê um texto deste calibre há apenas uma conclusão a retirar: se há dois mil anos atrás os povos já se confrontavam com este tipo de problemas que hoje são tão reais nas nossas sociedades, hiperbolizados ao limite do imaginável com fenómenos como as chamadas redes sociais, então isso significa que o Homem de há dois mil anos atrás não era substancialmente diferente do Homem de hoje em dia, que as sociedades eram muito parecidas e que os problemas com que se deparavam então eram os mesmos com que nos deparamos hoje.

 

Um conhecimento profundo e genuíno da nossa história, comprova-se com textos deste tipo, apenas pode contribuir para o entendimento e resolução dos problemas do Homem e das sociedades humanas. O desprezo pela História e pela Filosofia, tem apenas como objetivo cristalizar a vida humana num modo de funcionamento que é o mesmo, perene, imutável com o passar dos milénios, e que apenas serve aos poderes que governam e lideram as massas para eles próprios se manterem, expandirem e cristalizarem. Pela evolução real do Homem e das sociedades, é imperioso que sejamos capazes de compreender isto e que não nos deixemos ofuscar por iphones e outros artifícios tecnológicos perfeitamente inúteis.

Os símbolos de uma sociedade

por Amato, em 30.03.17

Quando visitei Moscovo pela primeira vez fiquei fascinado com o edifício da universidade. Estaline mandou construir as mais altas torres no ponto mais alto da cidade, de tal forma que nenhum outro edifício da cidade pudesse suplantar em altura, e, concomitantemente, em importância, o edifício da universidade. O objetivo era claro: os mais adorados heróis da União Soviética haviam de ser os seus cientistas, os seus professores, todos aqueles que dedicassem a sua vida ao estudo e ao conhecimento. Esses deviam ser os primeiros ídolos da nação.

 

Este tipo de decisão é mais do que simbólica, já que marca indelevelmente a filosofia de uma sociedade, os seus princípios e em que é que a mesma se baseia, para o que é que vive, os seus objetivos e quem escolhe idolatrar. Primeiro estavam os homens da universidade, primeiro estava o conhecimento. Depois estavam os outros, cada qual com o seu quinhão de importância.

 

Esta visão cultural é indissociável do facto da União Soviética ter sido o estado que mais evoluiu num mais curto espaço de tempo, tendo pegado numa Rússia medieval e a catapultado para uma superpotência em todas as áreas do saber.

 

No nosso Portugal, todavia, os ídolos são outros: são os atores de novela, os cantores pop e os jogadores de futebol. Podemos ver, com efeito, que estamos no ponto diametralmente oposto àquele com que comecei este texto. Não é de estranhar, assim, a atribuição do nome Cristiano Ronaldo ao aeroporto da Madeira. Cristiano Ronaldo é apenas um jogador de futebol. Dá um chutos na bola. É muito bom naquilo que faz, mas é apenas um jogador de futebol, repito. Não sabe falar. Não tem uma ideia clara sobre nada de nada. Vive uma vida a ser bajulado pela fama e pelo dinheiro que tem. Todavia, é o ídolo do país. Seguindo os mesmos princípios, sugiro o nome de Tony Carreira para o novo aeroporto de Lisboa.

 

São estes os ídolos de Portugal. Não nos devemos admirar que 90% das crianças não gostem de Matemática, nem gostem de estudar. Os ídolos do país também não gostavam e nem por isso deixam de ser famosos e importantes e entretêm a malta com atividades sem interesse nenhum. É esta a construção de sociedade que escolhemos. Tudo isto são escolhas muito objetivas e muito conscientes que fazemos. A razão parece-me clara: entreter em vez de instruir. É sempre mais eficaz para se poder reinar sobre o rebanho.

 

http://www.telegraph.co.uk/content/dam/football/2017/03/30/124632319_REUTERS_A-bust-of-Cristiano-Ronaldo-is-seen-before-the-ceremony-to-rename-Funchal-Airp-large_trans_NvBQzQNjv4BqqVzuuqpFlyLIwiB6NTmJwfSVWeZ_vEN7c6bHu2jJnT8.jpg

 

É de ironia que este género de muros é feito

por Amato, em 29.01.17

Esta construção anunciada e já iniciada do muro entre os Estados Unidos da América e o México é muito irónica. Acho mesmo que, mais que argamassa e tijolos, mais que rede e arame farpado, é de ironia que este género de muros é feito.

 

No vídeo que se segue, o filósofo brasileiro Mário Sérgio Cortella expõe superiormente o ridículo da questão.

 

Que falta nos faz a Filosofia! Que falta nos faz saber pensar!

 

 

Sublinhe-se também que a taxa anunciada sobre os produtos mexicanos para financiar a construção do muro incidirá, não sobre o México, mas sobre o povo americano que, desse modo, pagará mais pelos mesmos. Para lá da propaganda, quem pagará a construção do muro será, de modo inexorável, o povo americano.

Uma outra educação

por Amato, em 21.01.17

Se amanhã acontecer uma catástrofe à escala global, uma espécie de Apocalipse bíblico, e sobrarem apenas umas parcas dezenas de exemplares da nossa espécie, o que seríamos capazes de recuperar da nossa civilização? O que seríamos capazes de reconstruir?

 

Quando pensei pela primeira vez nesta questão fiquei um pouco assustado. A resposta é: muitíssimo pouco. A perspetiva seria a de nos reduzirmos a pouco mais que homens das cavernas. É assustador, mas é a verdade.

 

Na realidade, o cidadão médio vive o seu dia-a-dia envolto numa estrutura social e tecnológica que o transcende de tal forma que, nem que se dedicasse ao estudo até ao final da sua vida, conseguiria compreender minimamente o seu modo de funcionamento. Mesmo o cidadão letrado acima da média não mais é que um especialista numa determinada área, num determinado segmento de uma área, pelo que sozinho não seria capaz de reproduzir sequer o processo em que se insere laboralmente.

 

A via de especialização dos saberes pode ser considerada como natural com o progresso da humanidade, pois decorre da impossibilidade potencial de um indivíduo conseguir dominar todo o conhecimento acumulado ao longo dos séculos. Todavia, há mais do que isto.

 

Há toda uma filosofia inspiradora no ocidente que tem conduzido à especialização do indivíduo não por ser uma inevitabilidade mas por ser uma conveniência. Podemos recuperar os passos dessa tendência desde os primórdios da revolução industrial, ainda antes da “linha de montagem”.

 

Com efeito, é conveniente que os peões da sociedade, os que constituem a força do trabalho, não saibam tudo e não saibam de tudo, porque, se soubessem, poderiam emitir opinião e poderiam influenciar o processo. Se fossem dotados de alguma cultura geral, poderiam emitir juízos de valor sobre o poder que os governa e convém que o proletariado não tenha poder. Daí a especialização. Daí o privilegiar de uma formação específica relativamente a uma formação geral, abrangente. A ideia é: especializar para limitar.

 

Entretanto, é mais fácil usar um automóvel, um eletrodoméstico, um telemóvel, e não fazer ideia de como funciona. Sentimo-nos importantes simplesmente pelo ato de usar e por possuir. Se avaria, compra-se outro. Nem vale a pena tentar arranjar. As sociedades humanas abraçaram o projeto de serem conjuntos de ignorantes. Ignorantes com uma formação, ignorantes diferentes dos ignorantes do passado, é certo, mas, não obstante, ignorantes, totalmente incapazes de sobreviverem sozinhos, sem que alguém lhes diga o que fazer, como fazer.

 

Não acreditam no que vos escrevo? Experimentem fazer a um recém licenciado alguma pergunta sobre uma área diferente da sua. Perguntem-lhe alguma coisa básica sobre animais ou plantas, ou sobre astronomia. Perguntem-lhe sobre a história do país, sobre o 25 de abril de 74. Perguntem-lhe sobre a história da localidade de onde vêm. Vão ficar espantados com as respostas. Ainda noutro dia, um jovem licenciado em Economia com quem falei estava convencidíssimo que a revolução dos cravos tinha sido o fim da monarquia em Portugal.

 

Por ventura, o mais modesto cidadão do século XIX saberia responder a estas perguntas. Hoje, todavia, os que mais estudos têm não o conseguem fazer.

 

Resulta, portanto, claro que uma outra educação é a única alternativa para os povos do mundo serem livres, isto é, para deterem os seus destinos nas suas mãos e não passarem pelas suas vidas guiados como animais de carga. Sim, é verdade: não basta viver no ocidente para se ser livre. Não basta haver eleições para se ser livre.

"Cada homem rico, abastado, custa centos de infelizes, de miseráveis"

por Amato, em 29.09.16

Depois de publicar a parte da citação de Almeida Garrett que é mais conhecida, mais popular, digamos, dei comigo a revisitar o Viagens na Minha Terra. A citação em causa vem logo no terceiro capítulo e pareceu-me insuficiente. Com efeito, tanto o texto que a precede, como aquele que a ela se segue, são de uma riqueza tão assinalável que me parece indesculpável que não se lhes dê iguais honras de destaque.

 

Todo o parágrafo, que transcrevo em seguida, é de uma beleza muito rara no universo dos livros escritos em português, normalmente abundantes de um provincianismo que não permite reflexões deste género. Saliente-se antes ainda a incontornável pergunta que ecoa por entre as linhas do texto:

 

“No fim de tudo isto, o que lucrou a espécie humana?”

 

Bravo, Garrett!

 

Não: plantai batatas, ó geração de vapor e de pó-de-pedra, macadamizai estradas, fazei caminhos-de-ferro, construí passarolas de Ícaro, para andar a qual mais depressa, estas horas contadas de uma vida toda material, maçuda e grossa, como tendes feito esta que Deus nos deu, tão diferente do que a que hoje vivemos. Andai, ganha-pães, andai: reduzi tudo a cifras, todas as considerações deste mundo a equações de interesse corporal, comprai, vendei, agiotai. — No fim de tudo isto, o que lucrou a espécie humana? Que há mais umas poucas dúzias de homens ricos. E eu pergunto aos economistas políticos, aos moralistas, se já calcularam o número de indivíduos que é forçoso condenar à miséria, ao trabalho desproporcionado, à desmoralização, à infâmia, à ignorância crapulosa, à desgraça invencível, à penúria absoluta, para produzir um rico. — Que lho digam no Parlamento inglês, onde, depois de tantas comissões de inquérito, já deve de andar orçado o número de almas que é preciso vender ao Diabo, o número de corpos que se têm de entregar antes do tempo ao cemitério para fazer um tecelão rico e fidalgo como Sir Roberto Peel, um mineiro, um banqueiro, um granjeeiro — seja o que for; cada homem rico, abastado, custa centos de infelizes, de miseráveis.

 

— Almeida Garrett, Viagens na Minha Terra

 

Viagens na Minha Terra, Livros de Bolso Europa América

 

A revolução educativa que é mais necessária

por Amato, em 05.01.16

Cada vez me convenço mais da imbecilidade superlativa dos indivíduos apologistas da superioridade das ciências exatas face às demais ciências ou áreas do saber.

 

Cada vez percebo mais claramente da importância do domínio da língua e da dialética para o saber pensar e para o saber imaginar.

 

Cada vez mais observo claramente como grandezas diretamente relacionadas e diretamente proporcionais: a Filosofia e a Sociedade. O declínio da primeira relaciona-se diretamente com o declínio da segunda, nos seus princípios, na sua estrutura e nos seus valores.

 

Antes de começarmos a espingardar com o método científico convinha sabermos expor argumentos, pensar sobre o que expomos, saber falar, saber escrever, saber... pensar. E, resulta para mim muito claro, esta sociedade parece usar com destreza de gráficos e de ferramentas estatísticas, de testes de hipóteses e de grupos de controlo para provar isto e aquilo e não pensa, muitas vezes não sabendo o que faz. O que devia vir primeiro não vem nunca. Não existe a reflexão sobre o que se faz ou sobre o que se pretende fazer e essa reflexão quando existe é reprimida porque ameaça colocar em causa mais um batalhão de testes. Mais vale fazer os testes, então.

http://energybrokerplus.com/wp-content/uploads/2011/11/thinker-monkey.jpg

Pensa-se pouco, raciocina-se pouco, reflete-se pouco. Faz-nos falta. Estuda-se Matemática, Física, Biologia e Química a mais e estuda-se Português e Filosofia a menos. As ciências exatas têm feito de nós, direta ou indiretamente, robôs, macacos treinados, animais de circo amestrados.

 

Esta é a revolução educativa que é mais necessária: uma revolução sobre o objeto de ensino. O que é determinante é “letrar” os cidadãos, isto é, dotá-los das ferramentas da leitura e escrita com destreza, do saber pensar e refletir. O resto também é importante mas não é o mais importante. O resto, para quem sabe ler, escrever e pensar... encontra-se ao alcance de uma mão.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Tags

mais tags