Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Nós-outros

por Amato, em 21.08.20

O castelhano é uma língua com uma verdadeira preciosidade que pouca gente nota, assim, como um tesouro escondido. Enquanto que na maioria das línguas o pronome pessoal da primeira pessoa no plural refere-se a uma espécie de grupo do qual fazemos parte, em português, por exemplo, o pronome é nós, nós o nosso grupo, nós a nossa equipa, nós a nossa família, nós o nosso partido, nós o nosso país, em castelhano o pronome é nosotros, ou seja, nós-outros.

 

Não faço a menor ideia se esta diferença foi intencional ou fruto de um feliz acaso, mas o pronome nosotros, assim modificado em comparação com os seus irmãos das outras línguas, é carregado de um forte sentido de comunidade. Nós-outros não diz respeito unicamente ao nós. Pelo contrário, nós-outros inclui os outros, juntando o eles também na equação do nós. Numa sociedade tão vocacionada para o apontar dos próprios defeitos aos outros, para o divisionismo, o elitismo e divisões artificiais por castas ou classes, a ideia do nós-outros podia assumir aqui um papel terapêutico simbólico. A eficácia desse papel nos países hispânicos carece, todavia, de avaliação, mas há coisas que não têm que ser científicas para serem boas, justas e belas.

 

Lembrei-me do nós-outros ao ouvir algumas reações àquela barbaridade que está a ocorrer no Brasil de Bolsonaro. Uma menina de dez anos apenas, violada, decidiu abortar e está, ela e a sua família, a ser violentamente atacada e ameaçada, com multidões de extremistas religiosos pró-vida perseguindo-os ao ponto da menina e família terem sido forçadas a mudar de identidade e de cidade para poderem continuar a viver. Os comentários não deixam de revelar a tal separação que existe entre o nós e o eles. Mas o nós é o nós-outros, lembram-se? O que vemos nos outros também existe entre nós e a intolerância, o extremismo, o pensamento atrasado, a falta de humanidade são características presentes, por vezes à espera de um qualquer rastilho para poderem arder livremente entre nós.

 

A quem tiver boa memória, basta lembrar o que foi a dificuldade em fazer aprovar a lei da interrupção voluntária da gravidez neste país chamado Portugal, como foram os debates e a argumentação usada então. Esses movimentos pró-vida não desapareceram, continuam por aí, identicamente inspirados, identicamente iluminados e voltarão agora em força com a legislação sobre a eutanásia. E, agora, têm mais força e representação no nosso parlamento.

 

Nós-outros: nós somos os outros e os outros somos nós.

Avante 2020

por Amato, em 17.08.20

Gosto muito da Festa do Avante!. Gosto mesmo. Considero a Festa como o evento cultural e político mais significativo do panorama nacional. Já o escrevi aqui, não mudo de opinião. A Festa é uma realização que deve orgulhar todos os comunistas que, durante três dias, mostram ao mundo, pela prática, que uma outra sociedade é possível, que o sonho comanda a vida e que a chama da utopia tem que ser mantida bem viva para não deixarmos de caminhar no sentido do progresso e da fraternidade. Adoro viver aqueles três dias da Festa do Avante!.

 

A edição deste ano, um ano que continua fortemente marcado pela pandemia, tem estado envolta em polémica motivada por motivos óbvios relacionados com a saúde pública e alimentada por outros, também óbvios e permanentes, relacionados com a guerrilha política habitual de cariz anticomunista primário.

 

É de sublinhar que, este ano, a realização da Festa do Avante! tem tido mais cobertura e atenção mediáticas do que todas as outras quarenta e tal edições já realizadas desde 1976 e tal facto promete aprofundar-se ainda mais com a realização propriamente dita da Festa, antevendo-se uma minuciosa observação dos espaços da mesma em busca de possíveis más práticas no contexto da saúde pública.

 

Não obstante tudo o que foi escrito acima, a minha posição é de não concordância com a realização da Festa do Avante! neste ano de 2020. Não concordo por dois motivos fundamentais.

 

Primeiro, por uma razão de saúde pública. A Festa representa uma concentração de muitas pessoas, não interessa se são cem mil, trinta e três mil, se são mais ou se são menos. São muitas pessoas. É verdade que o espaço é amplo, e ainda foi mais aumentado este ano, mas o simples bom senso, para além de qualquer diretiva da Direção Geral de Saúde, devia inibir a promoção de uma festa com tanta gente, estando o país, particularmente, na antecâmara da segunda vaga do vírus, como já está a acontecer no resto da Europa.

 

Acresce, em segundo lugar, que o lema da Festa é a fraternidade, o convívio intergeracional, a conversa, o debate, a troca de experiências, a manifestação dos sentires e das emoções. Ainda que, por absurdo, fosse possível cumprir um religioso distanciamento social e todas as normas e mais algumas, em que é que resultaria a Festa do Avante!? Será que vale a pena a Festa ser realizada, assim, a qualquer custo, sem o poder partilhar de um abraço ou de um beijo, de sorrisos escondidos atrás de máscaras, despida dos seus mais íntimos valores, da sua razão de ser?

 

A impressão que transparece é que sim, que a Festa tem que ser realizada a qualquer custo e tal não será alheio ao facto da Festa se ter tornado, com o passar dos anos, no porquinho mealheiro do Partido Comunista Português e de essa valência, natural numa realização como esta, ter vindo a assumir preponderância no orçamento do partido, mais a mais com os fiascos eleitorais sucessivos e os buracos financeiros correspondentes.

 

Claro que se pode sempre argumentar com a incoerência que impera em todo o país, particularmente desde a retoma pós-confinamento, no que diz respeito ao combate à pandemia, desde as praias aos concertos, passando pelos transportes públicos. No fim de contas, porém, qualquer partido político deveria assumir a responsabilidade de fazer o mais correto e dar um exemplo de prudência aos seus militantes, simpatizantes e a todos os cidadãos em geral. Não se justifica um erro com outro. É tão básico quanto isto.

 

Pedia-se, pois, mais a um partido com a história e as responsabilidades do PCP. Mas o PCP não só decidiu enveredar por outro caminho como ainda decidiu fazer uma gestão da coisa absolutamente lamentável, mandando números aleatórios para o ar, omitindo informação e, sobretudo, contribuindo para a politização do assunto. Defender, por exemplo, que a realização da Festa é imperativa para a defesa dos trabalhadores é, no mínimo, pouco sério. Ao PCP exigia-se uma posição organizada, transparente, coordenada com a lei e com a DGS, sem arrogância no discurso, sem vitimizações, sem politização. O PCP fez tudo ao contrário.

 

Nota final para uma realidade que parece ter vindo para ficar mas que não deixa nunca de me causar espanto. Não obstante a frente de críticas esperadas à posição do PCP vinda da direita, é surpreendente observar certos comentadores de direita, de repente, a fazer a defesa do PCP. Já ouvi dois, daqueles mesmo à direita, a dizer que o PCP é muito responsável e desfazendo-se em outros elogios ao partido. Para mim isso é sempre mau sinal. Estarão eles incumbidos de tentar salvar a muleta de governação do PS? Ao que nós chegámos...

As três formas de se combater o fascismo

por Amato, em 14.08.20

Primeira: a educação e a formação da população com a ideologia da igualdade e da fraternidade. Não é possível destruir o fascismo se os nossos jovens são educados numa sociedade do «cada um por si», apologética da competitividade e com o lema Os fins justificam os meios. Não é possível combater o racismo quando a nossa sociedade desde a escola nos convida a ver no outro um adversário, um inimigo à nossa felicidade, em vez de um irmão com precisamente os mesmos direitos a ter uma vida digna e feliz.

 

Segunda: a informação e a propaganda especificamente direcionada para combater o racismo, a xenofobia e o totalitarismo. No seio de uma sociedade que construiu as máquinas de propaganda mais sofisticadas, seria suposto que este segundo ponto fosse um dado adquirido. Mas não é. A propaganda é aplicada extensiva e intensivamente com vista à defesa dos interesses económicos sejam eles quais forem e, deste modo, opera na sociedade sem uma qualquer bússola moral. Assim, a propaganda perde força e alcance enquanto arma de intervenção. Mais: tem tendência a reduzir-se ao desprezo e ao insulto gratuito o que, em vez de prevenir, produz acantonamento e ódio ideológico.

 

Terceira: a destruição do que quer que constitua o alimento circunstancial do fascismo. O fascismo suporta o seu crescimento e a sua propaganda em mensagens simples, diretas e eficazes por se basearem em problemas sociais concretos. Esses problemas podem ser simplificações mais ou menos grosseiras, podem carecer de inspeção e discussão, é certo, mas são fortemente baseados na realidade e, deste modo, promovem uma fácil identificação com uma parte da população, sobretudo aquela que é diretamente afetada. É, pois, fundamental enfrentar cada um destes problemas, as desigualdades, a corrupção nas instituições, as dificuldades de sobrevivência, a ausência de segurança e de perspetivas ao mesmo tempo que se patrocinam massivas migrações populacionais que, naturalmente, transformam os espaços, a cultura e as tradições, sempre no sentido da promoção de uma maior dificuldade em assegurar um posto de trabalho ou uma côdea de pão.

 

Não é possível erradicar a ideologia fascista sem articular em conjunto cada uma destas perspetivas. Apenas a educação e a propaganda não resolvem o problema. Apenas teoria no contexto de uma prática social antagónica, e mesmo pró-fascista, a que chamamos de capitalismo, não é suficiente. Mas, como em tudo o resto, a sociedade ocidental não enfrenta os seus próprios problemas e prefere adormecê-los com uma certa propaganda oca a que se pode chamar de politicamente correto juntamente com o despejar de dinheiro fácil o que, a médio prazo, quer um, quer outro, mais contribuem para o agravar do problema.

 

Brecht dizia, no segundo quartel do século XX, que o fascismo era a verdadeira face do capitalismo. Mais de dois mil anos antes, Platão postulava que a tirania seria o resultado natural da degeneração da democracia. Hoje, é preciso cuidado e não empurrar o problema para o cesto dos clichés e dos lugares comuns. A coisa é séria.

Fernanda Lapa (1943-2020)

por Amato, em 07.08.20

https://www.tv7dias.pt/wp-content/uploads/2020/08/Fernanda-Lapa-dest1596703511-1024x597.jpg

image: www.tv7dias.pt

 

Não deixa nunca de me espantar a forma como tratamos e como esquecemos, ao ponto da nota de rodapé, do quadradinho minúsculo ao canto do periódico, as grandes figuras deste país. Que sociedade somos, o que podemos ser, se não conhecemos quem tanto nos deu, se cultivamos o esquecimento permanente, sempre com os olhos postos num amanhã ilusoriamente renovado? Que sociedade é esta que projetamos deste modo?

Com que subtilezas se reescreve a História

por Amato, em 04.08.20

https://www.les-crises.fr/wp-content/uploads/2015/05/poll-france-nations-contribution-nazis-defeat-1.jpg

image: www.les-crises.fr

 

Escassos dias após o final da segunda grande guerra, perguntou-se ao povo francês qual país tinha dado um maior contributo para a derrota do nazi-fascismo nesse conflito armado. Naquele momento, a União Soviética recolheu 57% dos votos, Estados Unidos da América 20% e Reino Unido 12%, um resultado absolutamente natural. Afinal, os soviéticos foram, de longe, os mais sacrificados durante todo o conflito e os que lideraram, durante a maior parte do tempo sozinhos, a longa contra-ofensiva que viria a derrotar o Terceiro Reich. Sob todos os pontos de vista, a participação do Reino Unido foi reduzida e a dos Estados Unidos vergonhosamente tardia, literalmente a meses do fim da guerra, depois de ter passado o conflito inteiro a engordar a sua economia financiando os esforços de guerra de britânicos e alemães em simultâneo.

 

A mesma pergunta viria a repetir-se mais três vezes, em 1994, 2004 e 2015, e os resultados revelar-se-iam surpreendentes… ou não. As novas gerações, filhas e netas do pós-guerra, vieram a reconhecer os Estados Unidos como os principais responsáveis da derrota de Hitler, com percentagens acima dos 50% (58% em 2004 e 54% em 2015) empurrando a União Soviética para uns desprezáveis 20% (20% em 2004 e 23 % em 2015).

 

Com efeito, a construção da memória histórica é um processo complexo carregado de subtilezas. Uma delas é que são mais importantes os sentimentos, os afetos subjetivos que se desenvolvem relativamente aos acontecimentos e às partes do que propriamente qualquer tipo de análise objetiva sobre estes e estas. Não é que tenhamos acabado de descobrir a pólvora, nem de perto, nem de longe. Não é por acaso que se diz que a História é escrita pelos vencedores das guerras e que estes, de facto, sempre se empenharam, sempre tudo investiram, desde que há memória, em processos duais de auto-glorificação, por um lado, e de demonização dos derrotados, por outro.

 

A atualidade mostra-nos um esplendor jamais visto, no que à arte e à técnica diz respeito, dessa verdadeira ciência social chamada de propaganda que influencia, com incontestável eficácia, as mentes, as reações e os sentimentos das massas. Durante décadas, Hollywood trabalhou com afinco, produzindo muitos mais filmes contra o comunismo do que contra o nazismo, e os Estados Unidos, os plenos vencedores da guerra ideológica travada ao longo do século XX, entre capitalismo e comunismo, recolhem agora os resultados do que semearam com as massas, mundo fora genericamente, a dar-lhes o crédito que não tiveram, a validarem o falso, a reconhecerem como verdadeiro o imaginário dos filmes. Não é de estranhar. Os que respondem hoje a este tipo de sondagens são, afinal, os mesmos que acham que os combates do Rocky são acontecimentos históricos e que o Rambo foi um verídico herói de guerra, para dar dois exemplos apenas. São gerações incultas educadas pela televisão e pelos media, incapazes de distinguir a ficção da realidade.

 

Escrevo estas linhas a propósito da fuga de Juan Carlos de Espanha para a República Dominicana com escala em Portugal. Juan Carlos foge do seu passado de promiscuidade com o conservadorismo mais bafiento e violento, convertido, durante décadas, no fascismo de Franco, das suas íntimas relações com a monstruosa monarquia saudita e outras coisas que tais com o condão de apoquentar a opinião pública face ao seu filho, o virginal e impoluto Felipe VI de Espanha. Acabei de poetizar a coisa, eu sei, mas não resisti. O antigo monarca foge, ao que consta, para não vir a ser acusado de crimes concretos de lesa-estado.

 

Por toda a parte, Juan Carlos é apresentado como uma figura ímpar, uma espécie de herói com uns certos vícios, de algum modo inadaptado à contemporaneidade, mas com feitos assinaláveis na construção da Espanha contemporânea. Um jornal apresenta-o na primeira página como “o rei que enterrou o franquismo”, uma ideia que já havia lido, ficcionada, no último romance de Dan Brown, A Origem.

 

A verdade é coisa que não interessa muito para o caso. Se a narrativa mediática for repetida vezes suficientes, então ela tomará naturalmente o lugar da verdade para a esmagadora maioria das pessoas nas gerações que virão. Hoje, ainda há muitos espanhóis, republicanos, que sabem bem qual foi o papel de Juan Carlos na história de Espanha, durante a guerra civil, durante a ditadura, e que se recusam, por isso mesmo, a prestar vassalagem à monarquia espanhola. Estes, serão os únicos e derradeiros guardiões da verdade. Com o passar dos anos, com o esbatimento dos ideais, dos valores, com a dispersão populacional e o seu desenraizamento progressivo, a sua instrução enviezada e a sua falta de exigência, a verdade tenderá a perder-se e até a desaparecer das notas de rodapé dos livros de História laudatórios do poder. E é precisamente deste modo que se procede à reescrita da história.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Tags

mais tags