Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

A política portuguesa está estranha

por Amato, em 19.11.17

Confesso que me sinto confuso com o Portugal político contemporâneo. No passado, a esquerda não tinha força política parlamentar. O poder esteve, desde as primeiras eleições livres após a revolução de 74, entregue aos partidos do chamado arco da governação, PS, PSD e CDS, que, com diferenças pontuais de estilo, muito subordinadas, aliás, às lideranças que neles pontificavam, guiaram o país por um mesmo caminho. Esse caminho que se faz longo na poeira dos nossos passos coletivos é o caminho da liberalização da sociedade.

 

Os teóricos de direita vociferarão contra a factualidade deste ponto e, em parte, terão razão. O objetivo não é a liberalização total, ampla, generalizada. O objetivo não é um capitalismo puro e selvagem, mas antes um capitalismo de estado, um capitalismo em que o estado se constitui como simultaneamente o advogado e o juiz de um corpo só dos interesses da classe burguesa. O problema é que a razão destes teóricos de direita só encontra sustentação na sua própria teoria económica que é assim uma miscelânea de conceções ilusórias, axiomas débeis e enviesados e matemática medíocre. Não há, com efeito, um único exemplo de capitalismo que não possa ser qualificado como capitalismo de estado. E quando temos dúvidas sobre estas questões, devemos olhar diretamente para os Estados Unidos da América, que é o melhor exemplo de um país estruturalmente cristalizado para proteger os interesses das suas multinacionais burguesas. O presidente dos Estados Unidos da América consegue mais facilmente lançar um míssil sobre um outro país para garantir uma reserva de óleo do que passar uma lei sobre a educação ou sobre a saúde dos americanos.

 

Mas afastei-me da minha linha de raciocínio. No passado, a política em Portugal era simples: o rebanho governamental estava entregue aos lobos da direita, tivessem eles melhores ou piores vestes de cordeiro. À esquerda restava a rua. Melhor: ao Partido Comunista Português restava a rua.

 

É bom lembrar que o Bloco de Esquerda é um fenómeno recente que, ainda hoje, volvidos dezoito anos após a sua formação, mantém uma ligação ao povo pouco mais que vestigial. Neste ponto, atacam-me os bloquistas apontando para a maior expressão parlamentar do seu partido face ao PCP e têm razão. A política portuguesa está a mudar, está estranha. Como pode um partido que não tem uma freguesia, quanto mais uma autarquia, em todo o território nacional ter a expressão que o Bloco tem a nível parlamentar? É estranho. Como digo, a política está a mudar e o Bloco tem lucrado com isso. Será essa mudança sustentável? O passado sugere que o eleitorado do Bloco é pouco sólido, flutuante, que se baseia num protesto pouco refletido e muito condicionado à situação atual e, portanto, de natureza egoísta. Com Francisco Louçã, por exemplo, um político e parlamentar muitíssimo mais capaz do que Catarina Martins, o Bloco passou do oitenta para o oito de uma eleição para a outra, que é como quem diz, da noite para o dia. Podia ensaiar duas ou três explicações para o fenómeno, sendo que a minha preferida é a inconsistência ideológica aberrante do Bloco de Esquerda de cuja origem trotskista atinge, no mundo contemporâneo, a mais refinada versão. Tenho consciência, porém, de que qualquer ensaio de explicação esbarraria na realidade que é a absolutamente insondável vontade das massas. Não há lógica que resista a essa parede que é a realidade e que nos surpreende a cada esquina.

 

Perdi-me novamente, peço desculpas. É que esta problemática é complexa e é difícil expor o que penso com clareza sem dispersar-me. Servia isto para dizer que, incluir o Bloco de Esquerda nos movimentos das massas, na dinamização da rua não é muito relevante. O Bloco não tem rua, só tem parlamento. Como dizia, ao Partido Comunista restava a rua, as organizações de trabalhadores, o movimento sindical. A rua era a forma de o Partido se fazer ouvir, de dar voz aos trabalhadores, ainda que estes, em maioria, não a quisessem ter. A rua foi a forma de contrariar a hegemonia da direita sobre a sociedade, de se garantir que alguns direitos permanecessem e que outros fossem conquistados ao ímpeto liberalizador dos sucessivos governos.

 

Mas hoje... Hoje o Partido Comunista tem voz no parlamento. Hoje o Partido Comunista é fundamental para que haja governo. Hoje o Partido Comunista pode estabelecer as regras do jogo, dizer por que é que troca o seu apoio parlamentar a este governo. E na verdade, fê-lo. Trocou-o pela defesa dos funcionários públicos e pensionistas e por um punhado de outras minudências. Para mim é muito estranho assistir à manifestação de ontem, àquelas palavras de ordem que conheço de cor. Aquilo que para mim era real, aquilo que era vivo, aquilo que era a força e luta legítimas e honradas de uma minoria política sem expressão parlamentar, porque era disso que se tratava e ainda se trata, resultou numa espécie de encenação que se faz porque se faz e porque se tem que fazer. O Partido Comunista Português assumiu definitivamente, neste quarto ano de mandato governamental, uma dupla face, um jogo duplo: no parlamento protege o governo e defende-o — o que ainda é o mais penoso de se observar — a troco de ganhos de classe minimais; na rua exulta os demais trabalhadores a lutarem pelos seus direitos, os mesmos que não são atendidos no parlamento nem considerados pela ação governativa.

 

Bem sei que há condicionantes importantes na ação do PCP e tenho plena consciência de que, acaso o PCP exigisse mais do governo, a coligação cairia no mesmo dia. Tudo isto é uma questão de estimar o peso relativo dos pratos de uma balança, de fazer a diferença entre os ganhos e os proveitos de uma solução de compromisso. Mas isso é uma outra história, a qual seria importante aprofundar, porque quando se parte para uma solução deste tipo — e foi o PCP que a criou — é preciso ter consciência plena no que é que se está a meter. Do que este texto trata é de outra coisa, é de uma questão de caráter e de identidade. Um partido que pede aos seus seguidores para lutar na rua por aquilo que os seus dirigentes não lutam com todas as suas forças e armas no parlamento é de todo em todo indecente. Não há outro qualificativo. E sim, não basta apresentar propostas de lei que se sabe que serão chumbadas pelo PS, pelo PSD e pelo CDS. E mais: assistir a isto tudo — já lá vão três anos! — e continuar a apoiar o governo é revelador de uma grande falta de respeito e de dignidade pelo partido e pelos seus militantes.

Duas razões para não escrever

por Amato, em 12.11.17

De vez em quando, recebo mensagens que perguntam porque não escrevo mais frequentemente. Em resposta a essas mensagens apresento, de seguida, duas razões essenciais.

 

A primeira é a ausência de tempo e energia para escrever tão frequentemente quão desejaria e porque, ao contrário do que os leitores possam imaginar, este blog não é o centro da minha vida, nem de perto, nem de longe. Existe uma grande quantidade de outras coisas que me despertam o interesse e eu acho que isso é também enriquecedor dos textos e opiniões que constam deste espaço.

 

Kasper Gutman, o famoso personagem do clássico de cinema noirA Relíquia Macabra (título original: The Maltese Falcon), dizia a Sam Spade, o detetive protagonizado por Humphrey Bogart, que desconfiava do homem calado, porque este geralmente escolhia a hora errada para dizer as palavras erradas. Para ele, falar não podia ser praticado de forma judiciosa, a menos que se falasse o bastante.

 

Escrever, como falar, tem que ser praticado de forma abundante para poder ser feito judiciosamente. Tendo a divergir, contudo, de Gutman num ponto: quem fala e escreve demais, a toda a hora e a todo o momento, tem propensão para produzir comunicações de pouco valor e para dizer o que não quer e o que é irrefletido. Não dando um passo atrás antes de falar, não dedicando uma boa dose de reflexão sobre os temas, nem empregando um olhar vasto, como um abraço à realidade em redor, é impossível emitir opinião em qualidade, em amplitude de contexto e de bom-senso.

 

Este é um problema bem visível, por exemplo, no nosso Presidente da República: um comunicador voraz, experimentado, constante e absorvente do espaço mediático, mas uma a uma, as suas intervenções são de um vazio retumbante. Não é por acaso que o Presidente fala, fala, fala muito, fala disto e daquilo, do atual e do passado, pronuncia-se sobre tudo mas, no fim de contas, ninguém sabe bem o que ele disse, nem sabe quais as consequências do que disse para a sua situação, ou seja, o que ele diz não interessa muito. O que fica para lá de todo o infindável jorro de palavras do Presidente é uma, e somente uma, única palavra, a palavra “afeto”, como um leitmotiv ensurdecedor de toda a controvérsia, de toda a discussão, de todo o debate, e, claro, os fonéticos e teatrais abraços e beijos que distribui pela população.

 

A segunda razão porque não escrevo tanto quanto desejaria é a falta de paciência para lidar com a repetição. Por exemplo, há um ano escrevi este texto sobre a Lisbon Web Summit que hoje poderia repetir aqui na íntegra. Passou um ano e a febre em torno desta tonteira, deste disparate megalómano de gente preguiçosa, incapaz e intelectualmente infértil ainda se tornou maior, mais demente, mais pestilente.

 

Isto é bem compreensível, na verdade. É a febre do empreendedorismo, daquela ideia falsa que o capitalismo tão bem sugere de que é possível fazer dinheiro a partir do nada, de necessidades artificiais, vendidas através de um website apelativo ou de uma app qualquer. No fundo, bem lá no fundo, é aquela ideia tão atrativa de que é possível triunfar fazendo de burros o resto da malta, impingindo-lhes necessidades que nunca tiveram antes, extorquindo-lhes rendas por esses serviços de que nunca antes precisaram, frequentemente com criação minimal de emprego e com domicílio fiscal no exterior. Para o estado, para o país, o retorno é próximo de zero, se excetuarmos, claro, as bebedeiras na hotelaria lisboeta por altura da conferência.

 

O reconhecimento da recorrência deste tipo de fenómenos afasta-me da sociedade. Sentir que, ano após ano, nada se transforma, observar o drama desta inércia faz-me não comentar e não escrever. E, por isso, não comento, nem escrevo.

 

Meio mundo virtual está agora em polvorosa com o facto de um jantar final inserido nesta Web Summit ter tido lugar no panteão nacional, a Igreja de Santa Engrácia. Não percebo esta febre de indignação. Simbolicamente, parece-me perfeitamente adequado. A Web Summit janta e defeca lado a lado com os restos mortais de alguns dos mais ilustres cidadãos portugueses de sempre, dando corpo literal à proverbial metáfora: somos um país de papalvos provincianos, sem vestígio de identidade nem noção de história.

Marcelismo da era moderna: a transformação silenciosa do sistema

por Amato, em 10.11.17

A cada aparição despropositada do Presidente da República, seja nos hospitais por causa da legionella, seja nas barragens a propósito da seca, seja nas localidades vítimas dos incêndios, Marcelo parece que diz: “Estes tipos — os do governo, os das instituições públicas, os médicos e os bombeiros — não são de fiar para fazer o que é preciso, mas não se preocupem, o Presidente está aqui para tomar conta do acontecimento. Se houver problema, a culpa é deles, mas estarei aqui para apontar o dedo.”

 

Bem vistas as coisas, o papel a que o Presidente se presta é de todo em todo indecente. Ao mesmo tempo que apoia o governo, tudo faz para o relegar para um plano secundário a roçar o desprezível. Faz tudo parte do plano de Marcelo: uma transformação silenciosa do sistema, que visa instituir um regime presidencialista, ainda que informal — até ver! —, no país. Depois dos ignóbeis cavaquismo, socratismo e passismo, quem diria que viria um marcelismo da era moderna tomar conta de Portugal, a reavivar o fantasma do padrinho do Presidente, o último ditador fascista assumido deste país?

Marcelo, o vaidoso sagaz

por Amato, em 05.11.17

Desde o anúncio da candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa à presidência da República, foram feitas análises e previsões, traçaram-se cenários sobre cenários, baralharam-se hipóteses mais ou menos remotas e, cada uma delas, acabou por sair frustrada, derrotada pela história dos factos, caída na valeta do descrédito. Primeiro, espantaram-se com o incondicional apoio de Marcelo ao frágil governo que mal parecia equilibrar-se numa corda bamba de improváveis alianças. Depois, incrédulos, petrificados perante os raspanetes merecidos — mas que ninguém ousara dirigir — àquela criança mimada e mal educada, de mau perder e que se recusava emprestar o seu brinquedo, que então liderava o principal partido da oposição. Passos Coelho, com efeito, havia de sucumbir a um isolamento político construído pela hábil e paciente mão de Marcelo. Mais recentemente, Marcelo surpreendeu a opinião pública com um discurso duro e mais que justificado contra o governo e, do qual, se retirou uma demissão de uma ministra.

 

Porque é que todos os comentadores, todos os cenários, todas as previsões, ou quase todas, têm falhado ao longo desta primeira parte do reinado de Marcelo? A razão é o facto de ignorarem, ou pelo menos subestimarem, aquela que é a característica chave do personagem Marcelo Rebelo de Sousa: a sua vaidade.

 

Marcelo é um homem vaidoso. Quer ficar na história do país, quer ser reconhecido, quer ser grande aos olhos do povo por muito incapaz que seja ou por muito que nada faça de substantivo. Mas é este o seu desígnio que coloca acima de qualquer outra coisa, incluindo putativas lealdades partidárias. É isto que o define como homem, a sua vaidade poderosa, alicerçada numa experiência e sagacidade que não devem ser menosprezadas. Por isso, desde a primeira hora, Marcelo desmultiplica-se em viagens de estado e em ações mais ou menos estéreis, não rejeita uma aparição pública, reage a tudo o que mexe no país e não nega nenhuma entrevista, pelo contrário, promove-as. Com a sua ação, Marcelo sobrepõe-se ao governo, secundariza o primeiro-ministro, criando, sozinho, uma espécie de regime presidencialista informal. E é por isto mesmo que, para Marcelo e para a sua estratégia, não há nada melhor que um governo frágil.

 

Tivéssemos um governo forte de maioria absoluta e estas mesmas ações de Marcelo teriam um impacto reduzido à insignificância objetiva do seu cargo. Tivéssemos um governo forte e Marcelo seria um mero animador de telejornais, uma irrelevante extensão do comentador que foi durante os anos passados. Mas o governo que temos não é forte. Ao dar-lhe a mão, Marcelo capturou o governo na sua teia. Porque o governo precisava de todo o apoio que pudesse ter, deixou-se cair na armadilha. Paulatinamente, como dizia, a figura do Presidente foi-se sobrepondo à figura do primeiro-ministro e do seu governo. Hoje a palavra do Presidente vale muito. Mas amanhã fará tremer a sociedade.

 

Ao contrário do que se propala, não foi o duro discurso de Marcelo que fez com que a ministra se demitisse. Aliás, também aqui, neste ponto, se atesta a profunda sagacidade do Presidente. Marcelo sabia de antemão que a ministra se iria demitir e, precisamente por estar consciente disso mesmo, produziu aquele discurso duro e crítico relativamente ao governo. Se Marcelo tivesse falado e nada tivesse acontecido, a sua autoridade teria saído enfraquecida, a sua palavra cairia na insignificância. Assim, falou sabendo o que iria acontecer para induzir no povo uma ideia de causalidade entre discurso e demissão. Porque não falou Marcelo após Pedrógão? Porque não falou semanas antes? Não falou nesse nem noutros momentos, porque esperava o momento certo para produzir o efeito que pretendia.

 

Com isto, a palavra de Marcelo valerá muito mais no futuro. Desengane-se quem se apressa a adivinhar a queda do governo num futuro próximo. Marcelo aguentará este governo o máximo de tempo que conseguir. Marcelo precisa deste governo por ventura mais ainda do que este governo precisa do apoio de Marcelo. Não há governo que dê a este Presidente tanto em protagonismo, em relevância política e em poder quanto este. E quando vier um novo governo, Marcelo não será já a frágil figura que era quando assumiu o cargo. Atente-se nas palavras temerosas de Santana Lopes e Rui Rio para com o Presidente. Eles também estão conscientes de que o próximo governo nascerá dos restos mortais deste, amordaçado na teia habilmente tecida por Marcelo Rebelo de Sousa ao longo destes tempos.

 

Não se esqueçam: Marcelo não se move por nenhum interesse vulgar e comum a tantos outros presidentes e chefes de estado. Neste sentido, Marcelo é absolutamente incorruptível. Tudo o que fará terá que ser compreendido tendo em consideração o seu objetivo fundamental: o máximo reconhecimento por parte das massas. É a isto que Marcelo é profundamente devoto. Presidente dos afetos? Não, isso é música para embalar o povo.

 

https://www.tribunaalentejo.pt/sites/default/files/styles/article_teaser/public/field/image/ased.jpg?itok=fTjOi07X

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Mensagens