Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Porto de Amato

Porto de abrigo, porto de inquietação, porto de resistência.

Entrada enciclopédica: Esperança

O que é a esperança? O que é?

 

A esperança é, assim, como tantos conceitos codificados em palavras das quais fazemos uso corriqueiro e abusivo. Mas será que, verdadeiramente, percebemos o que quer dizer? Será que entendemos o nosso lugar enquanto seres utilitários do conceito, enquanto seres esperançosos?

 

De seguida, deixo um vídeo que considero muito elucidativo. Nele, o filósofo brasileiro Clóvis de Barros explica em detalhe afinal o que é isto de esperança.

 

 

publicado às 08:59

Uma reflexão sobre como isto vai acabar

No final do dia, contas feitas, fechada a loja, o que resultará da participação, ainda que indireta, das forças parlamentares de esquerda nesta solução governativa? Mais do que nos escondermos em argumentação mais ou menos hábil, convém que reflitamos com seriedade sobre esta questão.

 

Este governo PS representa, no máximo dos máximos, na melhor das melhores hipóteses, não mais que um pé no travão nas políticas de austeridade. “Apenas” isso ou “pelo menos” isso, escolham o advérbio que melhor vos aprouver.

 

Objetivamente, a única coisa que este governo está muito lentamente a lograr é a parar a austeridade sobre aqueles que o governo anterior havia elegido como os bodes expiatórios essenciais da crise e dos desequilíbrios da economia portuguesa: os trabalhadores por conta de outrem, em geral, e os funcionários públicos, em particular.

 

Repito a minha pergunta: é isto suficiente?

 

Adicionalmente, serão estas reversões sustentáveis, se todo o restante quadro do país permanece inalterado, se continuam a ser os mesmos a pagar a crise, se continuam a ser os mesmos a acumular o capital produzido no país sem que o seu “negócio” seja minimamente beliscado, se o aparelho produtivo continua sob resgate do diretório de potências europeias?

 

O código de trabalho permanece desregulado, as relações laborais desequilibradas em favor do patronato, os recibos-verdes veem a sua presença nauseabunda na sociedade cristalizada e enraizada, a segurança social vê o seu papel de biberão de dinheiros públicos para engordar lucros burgueses reforçado e alargado, tudo o que é estrutural na distribuição da riqueza mantem-se intacto ou, em alguns casos, deteriorado.

 

Face ao exposto, aumentar pensões em dez euros e atribuir descontos em passes de transportes públicos a estudantes do superior é suficiente? Acabar com a sobretaxa é suficiente?

 

Para as forças de esquerda parece que é e é pena que seja.

 

Quando este governo cair, as forças de esquerda que o suportam ficarão feridas de morte. Serão culpabilizadas, justa ou injustamente, por todos os pecados do executivo, por cada um dos objetivos falhados, por cada uma das desilusões e ficarão estereotipadas com uma governação que não foi a sua. Nunca mais poderão falar ao povo como se não tivessem nada a ver com o assunto. Nunca mais. E nunca mais a palavra esquerda será pronunciada do mesmo modo, esvaziada de substância e de ideal. E tudo isto a troco de quê? De uma reorganização fiscal e de um aumento de pensões?

 

Visto de longe, não me parece uma jogada muito interessante. Pode ser que esteja enganado. O futuro o dirá.

publicado às 19:39

Antecâmara para uma cambalhota na história

Os tempos políticos que correm são de um grande surrealismo e, passado o tempo conveniente para o podermos apreciar com uma certa distância, a sua natureza surreal, perplexa, é já indisfarçável, quer dizer, injustificável.

 

A direita teve razão quando se indignou com a solução parlamentar oferecida pela esquerda à governação PS. A direita, dentro e fora do PS, nunca pôde conceber tal solução e, portanto, nunca a conseguiu compreender e interiorizar, razão pela qual não lhe consegue oferecer uma resposta minimamente inteligível enquanto oposição. O máximo que Assunção Cristas e Passos Coelho conseguem é ensaiar uma débil posição de contraponto ao governo, criticando tudo o que acontece, com muito dramatismo, mas sem qualquer decalque com o real. E, depois, a memória ainda está bem fresca no povo. Ouvi-los criticar aumentos de impostos descredibiliza-os de uma forma tão definitiva que se torna num embaraço lamentável.

 

Não obstante, a direita tinha razão para se sentir como se sentiu. As razões são históricas e de prática política. O PS, tendo tido oportunidade para o fazer, sempre escolheu aliar-se à direita para formar soluções governativas de... direita. É factual. A exceção foi este governo.

 

Mas a situação é surreal não só pela história e pela coerência política, mas também pela prática concreta atual. Vejamos se me consigo explicar.

 

Olhamos para a proposta de orçamento de estado para 2017 e o que vemos? Melhor, o que vemos de esquerda? Concretamente, nada!

 

O aumento das pensões e o fim da sobretaxa são medidas que qualquer governo com uma certa razoabilidade e sentido de justiça poderiam tomar. Embora positiva, a reorganização fiscal operada, que coleta em potência exatamente os mesmos, também não. No que é o universo da esquerda, no que é a regulamentação do mercado de trabalho, a segurança dos trabalhadores, a distribuição da riqueza do país pelos portugueses... há apenas uma ténue medida de taxação aos imóveis de mais de seiscentos mil euros. É isso. Acabou. Tudo o resto, todo o lastro de desregulamentação, de destruição, do país nos anos de austeridade mantém-se perfeitamente intocado.

 

Honestamente, de que estamos nós concretamente a falar? É realmente surreal vermos a direita a criticar este governo quando, em bom rigor, o devia aplaudir de pé por ter conseguido o mais baixo défice da história democrática do país e, por seu turno, vermos a esquerda a apoiar e a constantemente argumentar desculpas para proteger este executivo, quando o devia estar a criticar ferozmente por, essencialmente, manter-se fiel à austeridade.

 

É evidente que a coisa política chegou a um ponto tão dramático, de clivagens tão profundas, em que a direita se extremou tão radicalmente, que obrigou a esquerda a aceitar um mal menor chamado governo PS. Entendo isso. Não deixo, contudo, de ter consciência dos conceitos em jogo. Esses não se alteraram. O vermelho não deixou de ser vermelho, nem o azul passou a ser cor-de-rosa. E a esquerda não está a apoiar um governo de esquerda. A esquerda está a apoiar um governo de direita e devia dizê-lo mais claramente e assumir um sentimento de alguma vergonha por isso mesmo. Ao meter-se em bicos de pés e ao não conseguir disfarçar um certo orgulho em medidas absolutamente frívolas como um aumento de dez euros nas pensões ou um desconto nos passes escolares dos estudantes do superior, está a colar-se a esta governação e a cada uma das suas consequências, boas ou más.

 

Vivem-se tempos políticos surreais, de facto. Veremos se todo este processo não conduzirá a transformações dramáticas dentro e fora destes partidos. Veremos se estes tempos não servirão como antecâmara para uma cambalhota na história.

publicado às 08:57

O significado de belas artes

Creio seriamente que este sistema que nos governa procura fazer de cada um de nós um atrasado mental. Agora querem fazer com que concordemos com a atribuição do Nobel da literatura a Bob Dylan usando argumentação variada: porque Dylan é um poeta dos melhores, porque não devemos ser puristas ou preconceituosos relativamente ao formato “canção”, porque Dylan escreveu um — um! — livro no século passado — e porque — esta é a minha preferida — escreve muito bem! Não aceitem esta linha argumentativa, por favor! Digam “Não!” a quem tenta fazer de vós atrasados mentais.

 

Deixo aqui algumas reflexões.

 

  1. Se existisse um prémio para galardoar a melhor peça musical, seria possível o género pop competir com o género operático?

 

  1. Se existisse um prémio para galardoar a melhor obra na área das belas artes, poderia uma caricatura ou um cartoon ser considerado para o prémio?

 

  1. Não é suposto o Prémio Nobel ser concedido a quem produziu uma grande obra no ano que finda à qual se junta uma carreira assinalável na área?

 

As respostas são não, não e... sim. Isto não quer dizer que estejamos a ser preconceituosos ou puristas relativamente ao formato da obra. O que significa é que há um significado para o conceito de beleza na Literatura, como em qualquer outra manifestação artística, aquilo que é tão bem definido na Pintura ou na Escultura através do conceito de “belas artes”. Tudo é virtualmente passível de ser considerado como arte. Belas artes, todavia, é outra coisa. Cada formato tem o seu significado e a sua importância, é verdade, mas isso é uma outra história. O que fizeram com o Prémio Nobel da Literatura deste ano foi procurar aniquilar qualquer vestígio deste conceito.

publicado às 09:14

Um azar nunca vem só

Estou um pouco chateado. É que estive à procura do meu CD Best of AC/DC e não há forma de o encontrar. Não faço ideia onde o terei guardado... As músicas são excelentes, mas as letras... sublime poesia.

 

Entretanto, fontes próximas confirmam-me que os AC/DC estão na pole position para o Nobel da Literatura do próximo ano. É caso para dizer que um azar nunca vem só: perder o CD de uma excecional banda de rock e uma peça literária ímpar imortalizada em áudio e potencialmente premiada com o Nobel no próximo ano...

 

For those about to Nobel, we salute you!

 

 

publicado às 20:42

Pop Nobel

A atribuição do Prémio Nobel da Literatura a Bob Dylan deve ser entendida no estrito contexto de pronunciado declínio da Literatura no mundo contemporâneo. Esse declínio está intimamente conectado com o esbatimento das formas, dos conceitos, em particular no que diz respeito à forma romance e ao próprio conceito de arte.

 

O capitalismo tem destas coisas. Como na nossa sociedade há apenas uma entidade, um valor, que se sobrepõe a todas as outras — o capital —, então é apenas uma questão de tempo até que todas as outras se moldem e se esbatam em função dessa.

 

O romance dos tempos modernos saiu de moda. É um produto que quase que não se fabrica mais. A sociedade da competição, a vida a mil à hora, não se coaduna com a leitura de um escrito substancial, massivo, que necessita de tempo para ser entendido, de horas consecutivas para ser apreendido, interiorizado. Esta sociedade prefere, com efeito, o parente pobre do romance, o chamado romance de cordel. Não interessa se o desenrolar do mesmo seja uma meia dúzia de lugares-comum que se repetem ad nauseam. Com efeito, é melhor deste modo: assim poupa-se no pensar. Por outro lado, o que interessa mesmo é o número de cópias vendidas — lembram-se? —, não é a arte que é vertida em tinta nas páginas brancas.

 

Por seu turno, o conceito de arte tornou-se numa entidade mais abstrata do que qualquer outra, do que jamais foi. Chegamos ao ponto de medir a arte de uma obra pela publicidade gerada, pelo número de likes e de partilhas, para além do número de vendas. Podemos dizer que não, mas na prática é exatamente assim. Se existisse um mínimo de brio profissional na edição livreira, se existisse um mínimo de consideração, de amor, pela arte, se houvesse um conceito concreto qualquer que fosse, então uma boa parte dos livros à venda atualmente nas estantes das livrarias não seria sequer publicada, simplesmente. Não é possível perceber como é que se pode produzir tanto lixo em forma de livro se não se imaginar que possam existir outros objetivos afluentes que se pretendem atingir junto das massas.

 

A atribuição do Prémio Nobel da Literatura a Bob Dylan, já o tinha escrito neste blog a propósito de Vargas Llosa — nem de propósito! —, não é muito relevante, mas deve ser entendida sob este ponto de vista. Há quem diga, e com toda a razão, ser incrível que Portugal, historicamente um país de excelentes escritores, ter apenas um laureado comparativamente com outros países como a Suécia que tem sete vencedores. Isto também diz muito sobre a qualidade das escolhas. Contudo, pela forma como a carruagem Nobel está a fazer o seu caminho, tenho muito receio que o próximo português vencedor do Nobel da Literatura, ou desta nova versão do Pop Nobel, venha a ser algum escritor da espécie de José Rodrigues dos Santos. Tenho receio porque, acima de tudo, se está a tornar provável e porque ainda me sobra alguma noção do ridículo e, por isso, também alguma vergonha.

publicado às 22:07

Se conduzir, não ouça mentecaptos

https://1.bp.blogspot.com/-NjVYtmL6srU/Tf6wfWs9c9I/AAAAAAAAAc0/_0xLJFswB5c/s1600/BrandonDrives.jpg

 

Hoje estava a ouvir uma senhora na rádio que dizia que os desafios de Guterres enquanto Secretário Geral das Nações Unidas eram enormes por, segundo ela, ter que lidar com uma política expansionista da Rússia na Crimeia e na Síria. Realmente, de quando em vez, muito mais frequentemente do que seria desejável, apanha-se com cada mentecapta nos media que chega a ser aterrador. Talvez radique aqui a razão de ser de muitos acidentes de viação. Confesso que, eu próprio, dei um pronunciado ziguezague na via não tendo chocado com outra viatura por uma unha negra.

 

Para a mentecapta senhora, que refira-se, a talhe de foice, é professora de faculdade!, o problema do mundo é a Rússia ter uma política expansionista particularmente na Síria! Não, a política externa dos Estados Unidos nem é expansionista nem tem qualquer problema. As guerras criadas ao longo deste novo milénio pelos americanos não têm qualquer problema. O problema é a intervenção russa.

 

Sem a intervenção russa, a Síria estaria seguramente dominada por esta altura pelo Estado Islâmico. A intervenção russa permitiu libertar, aliás, muitas cidades importantes e estratégicas do controlo dos terroristas. Relembro aqui a libertação da cidade de Palmyra.

 

Mas para a mentecapta senhora, o problema de António Guterres é a Rússia... É preciso ter cuidado: se conduzir, não ouça mentecaptos. Pode originar sinistros.

publicado às 21:23

Como a população forma a sua opinião

O facto mais interessante que podemos retirar deste diferendo entre táxis e Uber é constatar que a esmagadora maioria da população forma a sua opinião com respeito ao assunto unicamente com base na sua opinião pessoal relativamente à classe profissional dos taxistas.

 

Num assunto de todo em todo técnico, que só tem que ver com a noção de equidade perante a lei ou, eventualmente, com o tipo de sociedade que mais apraz a cada um, seja mais socialista, seja mais liberal, o povo emite a sua sentença, diz de sua justiça, negligenciando tudo isto, e tomando em consideração, simplesmente, a impressão empírica que tem sobre o serviço prestado pelos táxis e a simpatia dos taxistas.

 

Se bem que estas constituem-se como informações da maior relevância para a discussão do serviço em si, apesar da sua natureza empírica, nada têm que ver com a discussão em causa. Isto diz muito, todavia, sobre a psicologia das sociedades. Isto explica muita coisa sobre o funcionamento da democracia.

publicado às 22:42

Já é tempo de virar de pernas para o ar a lista das prioridades do país

Ao longo desta semana que terminou, os parceiros de coligação de suporte parlamentar ao governo PS têm discutido, cada um para seu lado, um aumento de dez euros para as pensões. PS e Bloco de Esquerda parecem entender-se melhor no sentido de apenas conceder um tal aumento às reformas até seiscentos euros, enquanto o PCP pretende que o aumento abranja todas as reformas, criticando — com razão, do meu ponto de vista — a divisão artificial e injusta que PS e Bloco tendem a promover no universo dos pensionistas.

 

Colocando de lado a discussão da medida em si, interessa-me refletir sobre o contexto em que a medida é lançada.

 

Desde o estabelecimento do acordo parlamentar que permitiu ao PS formar governo próprio, o PCP tem pautado a sua ação por uma sobriedade assinalável que deve ser objeto de elogio. Ao contrário do Bloco de Esquerda que exige novas medidas todos os dias, desde as mais sensatas às mais inapropriadas, colocando com isso pressão sobre o executivo não tanto pelas medidas em si, mas por colocar o governo numa posição defensiva face à oposição interna e externa, dentro e fora do PS, dentro e fora de Portugal, o PCP não afina pelo mesmo diapasão. Bem entendido, o PCP não se tem coibido de apresentar as suas próprias propostas, mas, simultaneamente, tem assumido uma posição sensata e equilibrada, evitando o a adoção de posições que possam ser interpretadas como linhas vermelhas, ou posições de xeque ao governo.

 

É, por isso, com alguma surpresa e, até mesmo, perplexidade, que tomei conhecimento desta proposta do PCP. Por que razão escolheu o PCP esta medida, de entre todas as que podia ter escolhido como bandeira, como ponto de partida para a negociação com o PS da aprovação do orçamento de estado de 2017?

 

É evidente que todos os comunistas concordam com o aumento das pensões e dez euros será um aumento seguramente insuficiente face à perda de poder de compra operada nos últimos anos. Mas não é isso que está verdadeiramente em causa. O que está em causa é que o PCP não é o partido dos reformados e pensionistas. Também os defende, como é evidente e histórico, enquanto elementos desprotegidos da sociedade, mas não são eles o objeto do partido.

 

O PCP pretende ser o partido do operariado, dos trabalhadores explorados pela burguesia reinante, de todos aqueles — e são tantos — que mesmo trabalhando, e trabalhando cada vez mais, empobrecem! Estes, sim, são o verdadeiro objeto da ação revolucionária do PCP e é através da intervenção direta no mundo do trabalho que todos os outros setores, incluindo os reformados, serão igualmente beneficiados.

 

No contexto atual, no qual o desemprego grassa entre os mais jovens e aqueles que conseguem trabalho se vêm forçados a trabalhar à hora, privados de qualquer tipo de direito, cada vez mais trabalhando mais horas por uma menor retribuição salarial, creio que uma medida mais justa, mais difícil e arriscada, por certo, mas mais acertada, seria uma que visasse o combate frontal ao falso recibo-verde e promovesse o contrato de trabalho e a contratação coletiva. Tal medida erguer-se-ia como uma apropriada bandeira para o PCP, o partido do operariado, pela sua relevância, pela urgência da sua implementação. Enquanto tal transformação não for operada no tecido laboral, aumentos de dez euros nas pensões serão sempre nada mais que terapêuticas pueris sobre uma enfermidade em acelerada propagação.

 

A reposição de rendimentos é muito bonita e toda a gente de esquerda concorda, mas há uma outra reposição que urge, que tem que ver com a total desregulação do mercado laboral, do desequilibrar da balança em favor do capital, e, essa sim, deve ser encarada como prioritária, porque sem ela não há o resto, sem ela não há futuro para a juventude nem para o país.

 

E, por último, deixem-me que diga, em jeito de desabafo: começa a ser revoltante ver a juventude ser colocada sempre, inexoravelmente, em último lugar na lista das prioridades do país. Quanto a isto, é preciso dizer basta! Desculpem-me, velhotes, desculpem-me, reformados e pensionistas, mas já é tempo de virar de pernas para o ar a lista das prioridades do país ao qual nos habituámos a chamar de Portugal.

 

https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/564x/63/5e/63/635e633652fd5427b8e83cdebe134633.jpg

 

publicado às 09:58

Uma triste figura

A primeira vez que ouvi o nome de Mário Vargas Llosa foi a propósito da atribuição do prémio Nobel da literatura a este escritor. O ano de 2010 precipitava-se para o seu términos. Na altura não percebi a razão de ser da atribuição deste prémio. Continuo a não perceber. Talvez um dia, quando a força das circunstâncias assim o exigir, pegarei um livro seu em mãos e, então, serei capaz de ajuizar sobre a justeza de tal atribuição.

 

A verdade é que o prémio Nobel não significa muito. Sejamos honestos e não dispersemos com a rudeza das palavras escritas: quantos prémios Nobel da literatura ficaram para a história? Quantos? Conseguem nomeá-los? Até vos faço um favor: percorram a lista da wikipedia e digam-me, honestamente, quantos dos laureados consideram que serão imortalizados acima do escorrer das areias do tempo? Admirados? São poucos?

 

Tal facto apenas vem concorrer para aquilo a que o prémio se tornou ao longo dos anos: um prémio totalmente politizado — no mau sentido —, travestido de qualquer sentido de arte, a leste de qualquer conceito de literatura, com o objetivo único de premiar não o escritor, mas aquilo que o escritor representa, isto é, de usar o escritor como uma bandeira para influenciar politicamente os povos.

 

Claro que, pelo meio, há Steinbeck, há Neruda, há Saramago, há Russel, Sartre e Shaw e ainda Hemingway e García Márquez e existirão outros, com certeza, mas estes acabam por ser exceções a uma regra vil e pérfida que se vem tornando mais carregada, mais descarada, a cada ano que passa.

 

Voltando a Llosa, devo confessar que “comecei” mal com o personagem. Ter como ponto alto do seu currículo uma altercação com Gabriel García Márquez, pareceu-me sempre pouco abonatório com respeito à sua pessoa. Dizem que se tratou de uma “questiúncula de saias”. Nunca consegui interiorizar bem a coisa, todavia. Como é que alguém poderia se chatear com um dos mais queridos, com um dos mais admirados, escritores latino-americanos, o mestre criador do realismo mágico que nos presenteou com algumas das mais preciosas obras literárias? Claro que as coisas não são bem assim, claro que o escritor e o homem não se constituem como entidades indissociáveis com propriedades transferíveis.

 

Hoje percebo melhor a questão. Vargas Llosa poderá ser um excelente escritor, mas é um indivíduo de uma pobreza intelectual assustadora. As recentes declarações sobre o Podemos espanhol e o que realmente pensa sobre o mapa geopolítico na América Latina, na qual se inclui o seu posicionamento sobre as FARC e o processo de paz na Colômbia, são um bom exemplo disso. Qualquer ignorante diria o mesmo. Qualquer ignorante talvez o dissesse melhor, descontados quaisquer assombros de pseudo-intelectualidade.

 

Na verdade, não sei se terá sido a tal “questiúncula de saias” a responsável pelo afastamento de Márquez e Llosa. Talvez sim. Para mim, contudo, a razão essencial terá sido, antes, o facto de Márquez ter visto a vivas cores a natureza medíocre de Llosa. De todas as atoardas que Llosa lançou nos últimos dias, a que para mim se reveste de maior dramatismo é a seguinte: “As utopias não trazem o paraíso à terra. Criam o inferno.”

 

Com esta tirada não sobra mais nada para se dizer. Para Llosa, contentem-se com o que temos: não vale a pena ambicionar mais nada. Ficamos por aqui. Para mim, é extraordinariamente triste ouvir tais palavras.

 

Acima, escrevi que Llosa talvez fosse um excelente escritor. Esqueçam. Quem diz uma coisa destas não pode ser um excelente escritor, tão pouco um razoável escritor. Tão pouco um razoável ser humano. Esqueçam a diferença que existe entre o escritor e o ser humano. Não se aplica. Llosa apenas poderá ser um medíocre, um triste escritor, um triste homem... uma triste figura.

publicado às 17:58

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub