Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Sobre os contrassensos da propaganda de medo

por Amato, em 24.06.16

Por que é que é tão difícil explicar a uma pessoa inteligente e letrada que a saída do Reino Unido da União Europeia em nada tem que ver com liberdade de circulação para esse país?

 

Há exemplos de países europeus que, não pertencendo à União Europeia, não necessitam de vistos especiais para serem visitados. A isso chama-se Espaço Schengen e, não sendo esse Espaço um exclusivo dos membros da União Europeia, não há nada que obrigue o Reino Unido a não manter acordos bilaterais relativamente a comércio e livre circulação com os seus parceiros europeus. O problema é que o Reino Unido, juntamente com a República da Irlanda, nunca tinha assinado esse acordo. Então, qual é verdadeiramente o problema? Quem se coloca contra o Brexit usa argumentos — a livre circulação e o livre comércio — que não têm, como facilmente se constata, qualquer sentido.

 

Todavia, é muito difícil fazer compreender que tudo aquilo que identificamos como União Europeia não é, de facto, União Europeia. Quanto muito, a União Europeia, enquanto construção, tê-lo-á tomado de emprestado. A ideia que temos não corresponde à realidade: a União Europeia é controlo, é subtração de autonomia, de liberdade e de democracia. A solidariedade entre os povos terá sempre lugar, assim os povos o queiram, pois não teve o seu princípio, nem terá o seu fim, na União Europeia.

 

A propaganda faz com que seja difícil de entender. É uma propaganda de medo que começou ainda antes dos resultados do referendo. A sua razão de ser radica no facto do poder europeu não querer ver a experiência democrática britânica replicada em mais nenhum país.

Viva o Brexit!

por Amato, em 24.06.16

Acordar com a notícia da vitória do Brexit é algo de excecional. Escrevo estas palavras sob um espírito de júbilo e de esperança. Não sei se o Reino Unido o fez pelas melhores razões, mas isso tão pouco interessa. O povo votou e escolheu sair e isso é excelente. É excelente por diversos motivos, principalmente porque coloca em causa o caminho seguido pela União Europeia desde sempre, ou seja, uma espécie de federalização não declarada governada pela Alemanha e orientada por políticas neofascistas.

 

Quem diria que iria ser a democracia o calcanhar de Aquiles desta União Europeia? Quem diria? A União Europeia, que tudo fez para se esquivar ao crivo democrático dos seus povos, com a criação de abjeções não eleitas como o Eurogrupo, ao mesmo tempo que despe o Parlamento Europeu de todo e qualquer poder significativo, vem a ser colocada em causa por um referendo nacional interno!

 

Excelente! Excelente! Viva! Ainda não escrevi tudo o que queria ter escrito, mas agora não consigo! Tenho demasiada adrenalina! Viva o Brexit!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens