Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Sobre as conexões mentais coletivas

por Amato, em 01.01.16

Se a sociedade, o conjunto de pessoas que inclui cada um de nós, fosse um corpo de uma pessoa apenas, é seguro afirmar que seria o corpo de um débil mental.

 

Os acontecimentos sucedem-se com grande celeridade, cada um dos quais lidado com um nível de histerismo próprio de uma criança cara a cara com um presente na véspera de Natal. É claro, portanto, que o corpo tem olhos e nariz, ouvidos e mãos para muito bem reconhecer o acontecimento com plenas capacidades sensoriais. Também dispõe de pernas em forma para correr e saltar e armar o circo que é comum ser armado nos primeiros dias após o reconhecimento sensorial. Acontece que, depois, qualquer tipo de conexão mental se revela infrutífera, não sendo estabelecido qualquer tipo de relação entre o que é observado ou uma aprendizagem consistente.

 

Nos últimos dias do ano vimos mais um banco ser intervencionado pelo Estado, com quantias avultadas a serem avançadas para cobrir buracos, justificando a aprovação de um orçamento retificativo na Assembleia da República. Quase de seguida, tivemos o anúncio de acordos de patrocínio a clubes de futebol, por parte de empresas de telecomunicações, que ascendem aos milhares de milhões de euros. Perante a sucessão dos eventos não vi ninguém questionar a moralidade da coisa que se assume particularmente grotesca no contexto de carestia em que o nosso país vive. Ao mesmo tempo que as classes trabalhadoras veem os seus magros rendimentos ainda mais emagrecidos, existem grandes empresas que engordam os seus lucros e que têm a possibilidade de oferecer estes escandalosos patrocínios. Mais: não exibem tão pouco qualquer vestígio de pudor em fazê-lo. O pior é que as duas coisas estão relacionadas. Ainda pior, como dizia no início, é a sociedade observar os acontecimentos e para além de não sentir revolta ainda bater palmas.

 

O melhor que descobri nos media foi uma tira de cartoon no DN que chamava a atenção para o assunto, ainda que timidamente e, diga-se, de forma intelectualmente pouco nutrida. De resto, não li nenhum comentário de nenhum comentador que conseguisse sequer apontar o óbvio.

 

Esta sociedade, se acaso fosse uma pessoa, seria efetivamente um perfeito débil mental.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

Mensagens