Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Se tudo é, então nada é

por Amato, em 02.07.20

No início de uma madrugada igual a tantas outras, entretive o espírito com um poema que me chegou ao olhar. Era um conjunto de frases elegantes, construídas com belas palavras. Falava de amor — claro, o omnipresente amor! —, dois amores, em verdade, que se confundiam: um amor carnal e um amor mais abstrato do que o primeiro, incorpóreo, por ter como objeto de afeição, nada mais, nada menos, que uma cidade. Isso mesmo: dois amores que se misturavam num só numa efervescência de palavras belas.

 

A leitura deste poema produziu em mim aquele sentimento de satisfação incompleta, um certo contentamento imperfeito, tão familiar, tão banal nos dias de hoje. Deem-me um desconto: já sou suficientemente velho para habitar em mim uma permanente impressão de que nada é novo e que tudo são variações mais ou menos descaradas de temas já amplamente tratados no passado.

 

A minha curiosidade prendeu-se, pois, não no conteúdo mas na forma do poema, mais precisamente na ausência de forma ou estrutura, sem métrica ou qualquer tipo de regularidade silábica ou a nível da rima. Aquele poema seria, assim, uma espécie de construção em verso livre. Sim: desta maneira não nos comprometemos e estamos sempre certos.

 

O que é certo é que a coisa fez germinar em mim uma dúvida fundamental: deste modo, sem regularidade que me valesse, sem estrutura para me dar um chão, como poderia eu, um leigo, qualificar o que havia lido como poesia? É que hoje em dia já ninguém escreve sonetos ou odes, ninguém perde tempo a contar sílabas, a acomodar rimas interpoladas ou cruzadas, nem a submeter-se a qualquer tipo de estrutura ou forma. O verso livre é a expressão, na poesia, desta filosofia de liberdade que alcança todas os braços da arte e se liberta com violência das restrições da forma, num culminar de toda uma evolução iniciada desde o Renascimento. Expressões similares encontramos também na pintura, na escultura, no bailado ou na música.

 

Liberdade, liberdade, liberdade! Liberdade! Foi este o caminho.

 

Ou não?

 

O problema é este: se tudo é passível de ser considerado como poesia, se tudo é poesia, se tudo é poema, então… nada é. Pensem nisto.

 

Quase tudo é definido por negação. Sabemos o que as coisas são, não através de uma epifania qualquer que nos bate nos sentidos da alma mas através do que não é. O que não é define o que é. Se tudo é poesia, então nada é poesia, esvazia-se o conceito, deixa de ser relevante a qualificação. Se qualquer sarrabisco numa tela é pintura enquanto arte, então nada é pintura. Se qualquer conjunto aleatório de sons é qualificado como música contemporânea, então até o barulho produzido pelos automóveis na hora de ponta pode ser qualificado como música e, portanto, nada mais é música porque tudo o é. Se qualquer aglomerado de pedras é escultura, então nada mais é, nada mais é escultura. É tudo uma expressão subjetiva da atividade humana de valor relativo às impressões e não à técnica que, mais não é que o domínio da forma que perece, que deixa de existir.

 

A forma é, pois, importante. As regras são importantes. As restrições à liberdade, também na arte, são determinantes para dotar o ser humano de liberdade, precisamente, na criação. A arte mostra-nos como a liberdade sem limites é um método infalível para coartar a própria liberdade, por paradoxal que isto possa soar. Se quisermos matar a criação humana, basta dar-lhe toda a liberdade, destruir as estruturas, matar as formas. Veja-se como é infértil a arte contemporânea, sobrevivendo, envergonhada, sem o assumir, à custa das formas célebres do passado. O verso livre é infértil, assim como as expressões contemporâneas da música, da pintura ou da escultura, perfeitamente incompreendidas por um público sem norte. Porque sem forma, não há arte. Sem restrições à liberdade, não há liberdade. Porque se tudo é, então nada é.

Dominação ideológica de classe

por Amato, em 25.06.20

video: youtube | Clóvis de Barros Filho

Esquerda, esquerda, luta de classes, luta de classes…

por Amato, em 18.06.20

https://images.squarespace-cdn.com/content/53d97f0ee4b0dce929b4b767/1407133564076-MM0UMFRFMSPFKZZTOC5X/?content-type=image%2Fjpeg

image: images.squarespace-cdn.com

 

Mais um orçamento, mais um voto de confiança, mais uma carta branca, mais uma fé absolutamente infundada num amanhã venturoso. A esquerda continua a segurar este governo burguês com unhas e dentes. Dizem que não é assim tão mau, que podia ser pior e, sobretudo, mantêm uma esperança juvenil numa discussão na especialidade que venha a acolher algumas das suas sugestões. A esquerda acha que são medidas desconexas e avulsas que justificam um orçamento de estado, isto depois de mais de quatro anos de cativações assumidas sem pudores que vieram a declarar toda e qualquer discussão em sede de orçamento de estado não mais que um engano, uma fantochada, um fingimento, um brincar ao faz-de-conta.

 

Não é preciso, sequer, estudar os relatórios de contas e de execução orçamental para se perceber que o significado prático dos orçamentos de estado é confrangedor e que os textos anunciados sempre com tanta pompa são, afinal, histórias de encantar. Mas a esquerda persiste, faz-se personagem principal do golpe de teatro, critica mas apoia, diz que não é bom mas também não é muito mau, diz que não se avança mas também não se anda para trás, que se abstém mas que, se fosse mesmo preciso, votaria a favor — esta última não disse, mas ninguém disso duvida nem por um segundo apenas. Nem um, nem outro percebeu muito bem o que o seu eleitorado quis dizer nas últimas eleições, tragédia das tragédias.

 

E foi mais um orçamento aprovado — isso é que conta —, suplementar como lhe chamam, um orçamento que pode muito bem vir a ser recordado como o orçamento que permitiu ao grande capital monopolista preservar os seus lucros em tempos de pandemia e confinamento à custa diretamente dos salários, dos rendimentos e das poupanças do povo trabalhador.

 

Ai!, luta de classes, luta de classes…

 

Será que a esquerda terá a coragem de assumir a sua parte ativa nas consequências que aí vêm ou vai continuar a fingir que não é nada com ela e que este governo governa por si próprio sem pecado e sem maioria? É que quando as responsabilidades chegarem serão divididas por todos, irmãmente, e elas são como a sujidade, como o lodo, mancham e se impregnam nas roupas e nos corpos. E de nada valem as oratórias de algibeira, as cassetes e os discursos ensaiados. Estão esvaziados. Sem prática, as palavras não valem nada.

Andamos a pregar aos peixes e ainda não demos por isso

por Amato, em 13.06.20

Sermão de Santo António aos Peixes

image: oamarense.b-cdn.net

 

De tempos a tempos retomo o pertinente tema da educação e da instrução dos nossos jovens. Será que temos consciência do que andamos a ensinar? Melhor: será que temos consciência da “bagagem” cultural com que um jovem sai do sistema educativo de que tanto nos orgulhamos? Esqueçam as pedagogias. Concentrem-se na essência. Sejamos muito pragmáticos, tanto quanto seja humanamente possível. Temo que é demasiado o tempo em que vivemos alimentando uma mentira,  dentro de uma bolha de ilusão que, mesmo que queiramos genuinamente dela sair, rebentar a bolha para observar o real com os nossos próprios olhos, não seremos capazes de distinguir a verdade da mentira, a realidade da ilusão.

           

Falava ontem com amigos estrangeiros sobre os atos de vandalismo que mancharam o final da semana, particularmente os estragos que fizeram à estátua do nosso Padre António Vieira no Rossio. Julgaram eles inicialmente esses atos na mesma proporção com que observaram os outros, mundo fora, particularmente nos Estados Unidos da América, e foi preciso que lhes explicasse que não era exatamente a mesma coisa. Sendo certo que todos estes atos de vandalismo partilham uma aguda irracionalidade, sendo certo que procuram qualquer símbolo do colonialismo e da opressão como bode expiatório para o despejar de uma fúria coletiva, a verdade é que a figura do Padre António Vieira não pode ser colocada no mesmo saco que generais esclavagistas do sul na guerra civil americana, colonialistas ingleses ou, até mesmo, o próprio Cristóvão Colombo.

 

Missionário português do século XVII, o Padre António Vieira foi um revolucionário que se destacou, naquele tempo, como o maior defensor dos povos indígenas do Brasil, lutou contra a escravatura, a sociedade de classes e contra a inquisição da “sua” igreja, entre muitas outras injustiças a meias entre a monarquia e a religião. O Sermão de Santo António aos Peixes destaca-se entre a sua vasta produção escrita como uma obra-prima fundamental da história das letras portuguesas, uma obra revolucionária que regista muito daquele que era o pensamento avançado e progressista do autor.

 

Ao espanto inicial dos meus interlocutores seguiu-se a natural exclamação: «quem fez aquilo à estátua do Padre com os três meninos indígenas seguramente que desconhece, seguramente que ignora!». Pois, pois, pois ignora. Ignoravam eles, os meus amigos, que o Sermão de Santo António aos Peixes é obra de estudo obrigatório no ensino secundário. Pois é. Mas aqueles, os que fizeram aquilo à estátua, não sabiam.

 

O que ensinamos nós aos nossos jovens? O que é que eles aprendem? De que adiantam as médias, os rankings, os números, as metas europeias, os “sucessos” escolares, os aproveitamentos, os acessos à universidade? O sucesso escolar está aqui, esteve esta semana no Chiado quando um certo conjunto de pessoas, as quais, provavelmente, tiveram contacto com a obra e a figura do Padre António Vieira, mostrou tudo aquilo que (não) aprendeu na escola. A vida real, nas ruas, a forma como nos comportamos, como nos relacionamos uns com os outros, como pensamos e questionamos o mundo, o que exigimos desta nossa sociedade, o que ousamos sonhar, tudo isto constitui o nosso verdadeiro diploma, são as verdadeiras linhas do nosso certificado de estudos. De que adiantam os outros, os pedaços de papel, se, na realidade, quando a realidade vem ter connosco e somos chamados a agir, nos comportamos como um conjunto de ignorantes, pouco mais que animais selvagens que exigem a satisfação imediata das suas necessidades aos seus donos?

 

O nosso sistema de ensino devia estar de luto, envergonhado como um todo, porque tal como no célebre Sermão do Padre António Vieira, mais lhe valia que andasse a pregar aos peixes já que os jovens, homens e mulheres, cidadãos em potência, pouco lhe ligam, pouco ou nada se interessam, apenas se interessam por “sucessos” e notas e entradas em faculdades que, em boa verdade, não significam nada.

A falta de ética é coisa que se tornou normal

por Amato, em 10.06.20

https://www.iol.pt/multimedia/oratvi/multimedia/imagem/id/581bb76d0cf277d677a4c9a8/

image: www.iol.pt

 

Quase oito meses depois da tomada de posse enquanto ministro das finanças do XXII governo constitucional e depois de uma ainda mais longa novela, principiada ainda em tempos de campanha eleitoral, em torno da sua suposta continuidade no cargo e alimentada por uma certa ambição pessoal relativamente à apetecível posição de governador do Banco de Portugal, eis que, aos nove dias do mês de junho de 2020, Mário Centeno apresenta a sua demissão das funções governativas que exercia anunciando-a ao país de braço dado com o primeiro-ministro António Costa.

 

A situação é-nos apresentada, transversalmente, com uma naturalidade desconcertante. Mais à esquerda dizem-nos que o mais importante são as políticas e não as figuras. Sendo uma verdade evidente, não deixa de ser também uma cobarde fuga ao enfrentamento da questão. Da direita ensaiam-se tímidas acusações de promiscuidade abafadas por um vasto currículo nessa insalubre matéria de transferências diretas entre a política e as instituições públicas e privadas.

 

Parece, com efeito, ter-se estabelecido como ato natural a demissão de um cargo político para perseguir outros objetivos de carreira. A prestação de funções governativas está reduzida, pois, a mais um parágrafo no curriculum vitae, a mais um degrau na carreira profissional, a mais um pré-requisito — um pré-requisito valioso, é certo — para se alcançar ambições pessoais maiores. Longe vai a necessidade de aparentar somente um certo sentido de missão ao país e ao povo. Há um pragmatismo que está completamente instalado, há uma ausência de hipocrisia que é salutar por um lado, mas que, por outro, é simplesmente a inexistência declarada de um qualquer pingo de vergonha.

 

O “Ronaldo das finanças”, o ás de trunfo do primeiro-ministro para a sua reeleição não foi mais do que um engodo, uma baixeza para ludibriar o eleitorado e para o PS vencer as legislativas e que sai agora precisamente na antecâmara para a discussão do orçamento suplementar, que é palavra bonita para se não dizer retificativo. O ministro das finanças deixa ficar o guião para que outros o defendam, aprovem e sigam, perfeitamente desresponsabilizado das consequências que dele advenham: uma indecência.

 

Não exageremos, todavia, na crítica ao ministro das finanças. É provável que a sua demissão tivesse que ter sido antecipada para o dia de ontem. É que havia legislação a ser aprovada ontem, justamente ontem, dois projetos de lei do PAN e do PEV, contendo regras mais restritivas para a nomeação do governador do Banco de Portugal e que podiam colocar em causa as aspirações de Mário Centeno.

 

O episódio de Mário Centeno não é o primeiro e, bem entendido, não será o último nesta dança promiscua entre o governo e as instituições públicas e privadas, nacionais e supranacionais. A forma como a situação foi gerida, desde o princípio, carregou-a de um simbolismo indelével, um simbolismo de uma assumida falta de respeito pelos cargos, de uma declarada falta de consideração pelo povo e pelo país e de um descaramento de cabeça erguida que é perturbador. É como se a falta de ética se tivesse tornado coisa normal, perfeitamente natural e aceitável.

Suprema ironia

por Amato, em 04.06.20

Nestes tempos de pandemia assistir aos liberais, aos que são avessos ao estado limitador das liberdades, de mão estendida por uma esmola desse mesmo estado, exigindo até como se fosse seu direito, é a revelação da suprema ironia, da ironia das ironias.

 

Todos exigem.

 

Todos procuram melhor posição às cavalitas da detestável máquina estatal, agarrados às famigeradas e desprezíveis gorduras do bicho.

 

Querem livre mercado. Querem o mercado a funcionar e a regular-se a si próprio. Menos quando dá para o torto. Nesse momento, querem estado e querem estado à fartazana!

 

Que lindo mundo este em que é possível andar de cabeça levantada e continuar a tentar convencer os outros a fazer aquilo que não se faz quando a oportunidade aparece. E como apareceu a oportunidade! Fica o registo para memória futura.

 

A fatura não tardará a chegar mas para os mesmos do costume, aqueles que têm que trabalhar para sobreviver. Luta de classes ao rubro... só que não. Infelizmente.

Estado de direito?

por Amato, em 30.05.20

Esta semana trouxe-nos um primeiro desfecho do caso do ataque à Academia do Sporting. Não me vou pronunciar sobre o caso, nem emitir qualquer opinião pessoal sobre o mesmo. Não o fiz há dois anos, nem o farei agora.

 

Fico muito preocupado, contudo, em perceber cabalmente que vivo numa sociedade em que se pode acusar alguém de algo de tão grave como terrorismo e, através disso, prender preventivamente e reduzir os seus direitos de arguido ao mínimo possível para, após dois anos de processo, escassa ou nenhuma prova ser produzida ou apresentada, nada ser provado.

 

É assustador observar a facilidade com que algo deste género pode ser posto em marcha e é ainda mais assustador quando se percebia que os fundamentos iniciais para uma tipificação de terrorismo eram, quanto muito, dúbios. A partir daqui as especulações legítimas que podemos tecer enquanto observadores independentes da “coisa” são múltiplas e perigosas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D

Tags

mais tags