Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Sem esquerda verdadeira, resta a direita, PS incluído

por Amato, em 13.04.17

Catarina Martins bem pede a António Costa, “Vá lá, Sr. Primeiro-ministro”, só para ouvir “Não pode ser, Sra. deputada”. Jerónimo de Sousa confessa-se muito desiludido com as propostas do governo, “Não se pode dar um passo maior que a perna”, diz Costa, e Jerónimo quase que chora. E toda esta charada prossegue a cada sessão parlamentar.

 

Bloco de Esquerda e, sobretudo, Partido Comunista Português mostram-se disfarçadamente envergonhados, como dois partidos emasculados ideologicamente. É a venda do Novo Banco, é o processo de recapitalização da CGD, é o sucumbir na questão das SWAPS com o Banco Santander, é a obsessão com os défices e as metas artificiais europeias — únicos objetivos governativos —, é a ausência de nenhuma transformação efetiva na sociedade, é o contribuir para uma solução governativa indubitavelmente preponente do caminho da direita para as sociedades e para os povos.

 

António Costa ainda se dá ao descaramento de vir dizer que quer repetir os acordos na próxima legislatura, ainda que venha a conseguir maioria absoluta. Pois como não quererá ele isso?! Tivesse tido Costa maioria absoluta e PCP e Bloco nunca votariam a favor destes orçamentos de estado e destas soluções para a banca e para a economia. E esta realidade apenas concorre para o enxovalho a que estes partidos estão visivelmente votados e ao qual o eleitorado — já avisei por mais que uma vez — não é alheio.

 

É preciso dizê-lo e nunca é demais repeti-lo. Este governo é idêntico ao governo anterior: tem um estilo diferente, mas a sua proposta para o país é a mesma, o seu modelo é o mesmo, a sua ideologia é a mesma.

 

Agora, PCP e Bloco de Esquerda preparam-se para se agarrar à questão europeia como desculpa esfarrapada para o que não foi feito. O Bloco de Esquerda, particularmente, até já inverteu o que vinha dizendo sobre a Europa, propondo já a saída do Euro, como se isso se tivesse tornado numa evidência agora e já não o fosse antes. A isto se chama um partido invertebrado ideologicamente, alterando de rumo de acordo com os ventos como se de um barco à vela se tratasse.

 

O futuro avizinha-se tenebroso. Sem esquerda verdadeira, resta a direita, PS incluído, para prosseguir a destruição ou, quanto muito, o adiamento do país que poderíamos ser.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mensagens