Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

O que se faz a um sociopata em Portugal?

por Amato, em 01.11.16

https://calstuart.files.wordpress.com/2013/02/mask-v.jpg

 

No dia de ontem, último dia do mês de outubro, aconteceu que a minha atenção foi captada para um post do universo de blogs do sapo intitulado 40 anos depois o 25 de Abril de 1974 falhou e assinado por Nuno Félix, com data de abril de 2014.

 

Quem acompanha o Porto de Amato percebe rapidamente que não estou de acordo com o conteúdo deste artigo de opinião. Aliás, tive já oportunidade para escrever sobre o assunto aqui. Com isto não quero dizer que discordo de tudo o que é escrito. O que quer dizer é que não considero o texto dotado de suficiente bom senso, nem considero as conclusões extraídas desse elencar parcial de factos, ou de factoides, chamemos-lhes assim, nem ajuizadas, nem lúcidas.

 

Todavia, se resolvi destacar este artigo de opinião escrito há ano e meio num blog que não sigo e com o qual não me identifico particularmente, não foi para discorrer sobre o conteúdo do mesmo. Repararam no autor do artigo? Nuno Félix... soa a alguma coisa? Exato, este é precisamente o homem do momento, aquele que conseguiu superar Miguel Relvas duplicando o número de licenciaturas falsas com as quais se pode integrar um executivo do governo de Portugal.

 

Agora, proponho a leitura mais atenta deste parágrafo do artigo que Nuno Félix escreveu há ano e meio:

 

Politicamente, o regime está falido. A democracia representativa não representa mais do que instituições fechadas à sociedade, que investem a maior parte dos seus recursos na mera manutenção e perpectuação no poder e na prosperidade dos seus protagonistas. O bem comum pode sempre esperar.

 

O que será mais importante, a influência do indivíduo sobre a sociedade ou o reverso? Será que, tão pouco tempo volvido sobre a escrita destas palavras, a sociedade portuguesa conseguiu corromper de tal maneira Nuno Félix compelindo-o a apresentar um currículo com duas licenciaturas falsas para desempenhar as funções de chefe de gabinete do secretário de Estado da Juventude e Desporto? Ou terá sido antes o contrário?

 

Sem menosprezo por nenhuma corrente filosófica, quem escreve algo como “A democracia representativa não representa mais do que instituições fechadas à sociedade, que investem a maior parte dos seus recursos na mera manutenção e perpectuação no poder e na prosperidade dos seus protagonistas.” e, logo depois, faz uma coisa destas — apresenta não uma, mas duas licenciaturas falsas no contexto de um cargo no governo! — não poderá ser qualificado como nada menos do que um sociopata, perdoem-me a aspereza da palavra, alguém que, tendo consciência de um certo quadro de valores sociais e de respeito pelo outro, decide franca e voluntariamente pela violação dessas normas, tendo-o feito ao mais alto nível do plano nacional.

 

O caso de Nuno Félix é também simbólico. Simboliza que este governo PS consegue superar, se assim o quiser, o anterior em todas as ignomínias. A diferença é que a esquerda, particularmente o Bloco de Esquerda, sempre tão lesto — e bem! — a apontar estas e outras similares infâmias ao governo de direita, agora deixa passar o caso praticamente em claro. Neste particular, dizer simplesmente que o PSD e o CDS não têm credibilidade para apontar o dedo, sendo verdade, é de uma pobreza argumentativa assustadora e não é mais que uma forma de fugir ao assunto.

 

Dito isto, o que se faz ao sociopata? O que se faz? Obrigamo-lo ao pagamento de uma coima? Encarceramo-lo, juntamente com outros como ele, obrigando-o a cumprir pena? Sujeitamo-lo a serviço comunitário, a internamento, tratamento e reeducação social? O que se faz com o sociopata, afinal? Esta devia ser a pergunta a fazer.

 

Parece que não, parece que não é nenhuma das opções anteriores. Pelos vistos, aceita-se a sua demissão e o caso fica resolvido. Aqui, no Porto de Amato, procurarei estar atento ao seguimento da sua brilhante carreira, sendo certo, porém, que passamos a ter consciência plena de que temos alguém que está perfeitamente identificado, socialmente perigoso, à solta, no meio de nós. É muito triste verificar que os valores que fundeiam a nossa sociedade são tão sólidos como pasta de papel, daquela com a qual as crianças brincam às construções.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mensagens