Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

O que os fogos nos mostram (mas que ninguém vê)

por Amato, em 02.07.17

Consumada a tragédia, concluído o combate que se impunha às chamas que engoliam uma parte do nosso abandonado país, entrámos naquela fase em que se exigem as explicações e os apuramentos de responsabilidades. É aqui que os dantescos fogos permitem iluminar uma faceta que já não é nova mas que é transversal a todos os segmentos da nossa sociedade, uma faceta do nosso caráter, da massa com que somos feitos e com que nos propomos edificar esta sociedade e que complacentemente admitimos que faça parte dos seus procedimentos diários.

 

Quando se exige ao governo que responda pelo que aconteceu, porque simplesmente não sobeja outrem a quem exigir explicações, o governo encolhe os ombros e aponta para outras entidades — entidades tuteladas pelo próprio governo —, diz que lhes endereçou muitas perguntas e que espera respostas. A ministra da Administração Interna emociona-se, chora junto das vítimas e dos deputados, diz que foi o momento mais difícil da sua vida e espera que dela tenhamos pena. Que estado de coisas é este a que chegámos? Será que perdemos por completo a noção do ridículo?

 

Pedir a demissão da ministra não é o suficiente, lamento. Quando em março de 2001 caiu a ponte de Entre-os-Rios, o então ministro Jorge Coelho demitiu-se e isso não adiantou de nada. Hoje, julho de 2017, mantem-se a generalidade das pontes sobre o rio Douro em risco de derrocada devido à extração de areias. E Jorge Coelho, nos entretantos, tornou-se alto quadro da construtora Mota Engil, principescamente retribuído pela sua ímpar competência. Falta responsabilização neste país, mas falta responsabilização a sério. O que não faltam são lavagens de mãos à Pilatos. Disso estamos bem servidos e é exatamente disso mesmo que uma simples demissão de ministro se trata.

 

Agora mesmo, o estado, que é o principal e último responsável pela tragédia de Pedrógão Grande sob todos os pontos de vista, aponta o dedo a entidades que ele próprio criou e tutela. Endereça-lhes perguntas e a comunicação social faz eco desta novela. Mas o que nos interessa a nós, cidadãos, que o estado tenha milhares de entidades, de institutos, de organizações, de observatórios e de comités?! Deixa, por isso, de ter que ser responsabilizado? Deixa, por isso, de não ser o responsável pelo que acontece?

 

Mas serve o presente texto para dizer claramente que este modus operandi não é exclusivo do estado, está em todo o lado, em todas as empresas e organizações. As mais relevantes empresas do país subcontratam a terceiros boa parte das suas responsabilidades deixando em mãos alheias o controlo e supervisão das competências dos funcionários que nelas operam. Qualquer responsabilidade num qualquer acidente mais ou menos grave que ocorra durante as atividades da empresa principal é imediatamente sacudida para essas empresas secundárias de colocação de mão de obra que, no limite, abrem falência e reabrem com outro nome deixando a culpa morrer solteira.

 

Tudo isto é muito claro e todos nós, mesmo os mais desatentos, conhecemos bem esta realidade que começa logo no pessoal que vai fazer a limpeza diária às instalações do sítio onde trabalhamos. Para além de baixar os custos com pessoal diminuindo os vencimentos reais, o processo de subcontratação tem esta consequência absolutamente vil: a desresponsabilização. A única novidade, ao que parece, é termos uma ministra que chora para não ser responsabilizada.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mensagens