Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Guterres, o homem com h minúsculo

por Amato, em 22.09.17

Terça-feira, 19 de setembro de 2017. Donald Trump discursava perante uma assembleia repleta das Nações Unidas. Do alto da sua boçalidade, entre insultos variados e gratuitos à Coreia do Norte, aos seus dirigentes e ao seu povo, disse que, se a oportunidade se se apresentasse, destruiria completamente aquele país. A seu lado, o presidente das nações unidas, impávido e sereno. Disse bem: o presidente das Nações Unidas, aquela instituição que foi criada para promover a paz, a concórdia e o diálogo entre os povos após duas grandes guerras mundiais, após um senhor chamado de Adolph Hitler, chanceler alemão, ter procurado subjugar meio mundo e depois de um senhor chamado Franklin Roosevelt, presidente Americano, ter autorizado o lançamento de duas bombas atómicas sobre o Japão, numa das mais obscenas chacinas perpetradas a coberto da guerra, o presidente das Nações Unidas manteve-se impávido perante um presidente de uma nação que afirmava que destruiria completamente um outro país.

 

É importante que coloquemos nomes, que relembremos a história, porque se não o fizermos corremos o risco de crermos nestas fábulas contemporâneas que nos são servidas pelos media do capitalismo.

 

Mas voltando ao que escrevia, Trump foi às Nações Unidas e disse que dizimaria um povo. Não houve ninguém que o chamasse de genocida. Houve um burburinho, apenas isso. Os amigos genocidas de Israel bateram palmas, claro. Mas ninguém apontou a gravidade da afirmação. O presidente das Nações Unidas manteve-se sereno. Não foi capaz de dizer, “Sr. Trump, modere a linguagem, vamos procurar respeitar-nos. Vamos falar de paz e não de guerra. O senhor está na casa das Nações Unidas, não num reality show qualquer”. Ao que consta, ele acha muito bem tudo aquilo. Ele acha que as Nações Unidas devem ser precisamente isto, um púlpito pomposo onde os países poderosos humilham os demais, uma espécie de canal mundial do serventualismo.

http://lachachara.org/chachawp/wp-content/uploads/2017/03/Turcios-Antonio-Guterres-ONU.jpg

 

Guterres não me surpreende em nada, na verdade. O seu percurso fala por si. É um homem muito pequeno, baixo, um homem de h minúsculo, que se assemelha na forma intelectual mais a um rastejante do que a um mamífero. Sempre foi um serventuário do poder no plano nacional e internacional e, agora, exerce a sua vocação ao mais alto nível.

 

Olhamos para trás, para a poeira da história e ficamos sempre muito espantados. Espantamo-nos com o modo como chegaram ditadores exploradores de povos ao poder. Espantamo-nos com as guerras e com a violência gratuita. O espanto, também ele, é gratuito. As razões estão aqui, bem claras, no presente. As razões estão nos homens com h minúsculo que, como Guterres, servem os mais odiosos poderes sem vestígio de princípios ou valores ou espinal medula.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D

Mensagens