Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Até fazer ferida

por Amato, em 22.01.17

Ontem dei-me conta de que o estado anda a pagar principescamente a um tal de Sérgio Monteiro — trinta mil euros brutos por mês — para que este venda o Novo Banco. É verdade: é esta a única missão de Sérgio Monteiro enquanto assalariado do governo português.

 

A produtividade de Sérgio Monteiro tem sido, todavia, miserável: em mais de um ano de atividade, catorze meses a auferir trinta mil euros, mais de quatrocentos mil euros depois — para ser mais preciso —, Sérgio Monteiro não só não logrou cumprir a sua única missão, como as propostas que angaria são cada vez mais insatisfatórias. Dizia José de Pina no Irritações, e com toda a argúcia, que pelo andar da carruagem Sérgio Monteiro poderá comprar a breve trecho, ele próprio, o Novo Banco com o dinheiro que o Estado lhe está a pagar. Irónico? Repugnante?

 

A este respeito, duas notas breves.

 

A primeira é, uma vez mais, a simbologia repulsiva da coisa. O Estado emprega e paga a uma figura de proa da austeridade e do executivo anterior, um indivíduo responsável pelo vilipendiar da coisa pública, do dar ao desbarato de empresas como a REN, a EDP, os CTT ou a TAP. Até parece, tal como no caso de Paulo Macedo, que não existe mais ninguém capaz de levar a cabo a tarefa. Mas não é verdade. A verdade é que este governo é farinha do mesmíssimo saco que o anterior. Deixemo-nos de coisas, portanto.

 

A segunda nota é a seguinte. As pessoas que tanto gostam de apregoar a equiparação do público ao privado, mesmo quando o que é público não tem termo de comparação no setor privado, deviam defender para Sérgio Monteiro um estatuto precisamente igual aos vendedores de imóveis do setor privado, como os da RE/MAX ou da ERA, que apenas ganham as comissões daquilo que vendem. Também aqui se vê a falta de coerência, particularmente dos setores mais à direita. Quando estão em questão trabalhadores comuns, a opinião é uma. Quando estão em causa gestores de topo, o referencial é outro. Neste último caso, a lei é chupar a teta estatal até fazer ferida.

 

http://www.transportesemrevista.com/Portals/6/Entrevistas/SET_sergioMonteiro/SERGIO-MONTEIRO-3.jpg

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mensagens