Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Porto de Amato

Porto de Amato, porto de abrigo do filho de Héracles

Preparação para o OE 2018 — 1ª parte

por Amato, em 21.05.17

A preparação do próximo orçamento de estado arrancou nos últimos dias a todo o vapor com reuniões bilaterais entre PS/governo e os parceiros parlamentares a terem lugar. O comportamento dos intervenientes tem sido coerente e em linha com o comportamento passado.

 

O PS/governo consegue manter uma dicotomia incorruptível entre discurso e prática, o que é a todos os títulos notável. Há uma tradição no PS, desde os tempos de António Guterres e Jorge Coelho, aliás, de deter quadros de formação e vocação primordial para padre. É o “diálogo”, é as “pontes”, é o sotaquezinho beirão, ao mesmo tempo que os mais descarados favorecimentos das grandes empresas e da banca têm lugar. É, assim, uma espécie de imagética adaptada de Frei Tomás que tem lugar nestas conversas preparatórias do orçamento de estado de 2018: acreditem-se no que ele (governo) diz, não se acreditem no que ele faz.

 

O Bloco de Esquerda, não tinha ainda qualquer conversa tido lugar, já anunciava medidas a tomar, linhas vermelhas que não poderiam ser ultrapassadas, escalões de IRS e outras que tais, assim, em jeito de ultimatos à base de pólvora seca. Depois do resultado deste último orçamento de estado, em que tanto, tanto, ficou por cumprir, falando apenas daquilo que terá ficado acordado, em que se legitimou uma continuidade aguada da austeridade da governação anterior, seria expectável uma atitude um pouco mais ponderada e prudente por parte deste partido, algo que, de todo, não se verifica. Não digo que o Bloco não retirará dividendos desta estratégia, sobretudo quando comparada com a diametralmente oposta estratégia do PCP. Não olvidemos ou menosprezemos esta sociedade espetáculo em que vivemos, animada por mentecaptos incultos que mais não são que ovelhas modernas equipadas com iPhones e iPads. Sabe-se lá o que esta gente, de princípios dúbios e frágil caráter, pensa sobre política, sobre economia ou sobre as relações humanas? É impossível adivinhar o sentido em que votarão nas próximas eleições.

 

No seu estilo reservado e ponderado, que é sinónimo de um partido de responsabilidade feito duma matéria da qual já não se fazem mais partidos hoje em dia, o PCP mantém-se também fiel a si próprio nestas conversas preparatórias do OE 2018. O PCP prefere sempre fazer as coisas desta forma. Se todos os partidos adoptassem idêntica postura, teríamos garantidamente uma política mais limpa, livre do chavascal mediático orgiástico em que se tornou. Mas os outros partidos não são como o PCP, nem esta sociedade está muito interessada neste tipo de valores, e o PCP não percebe que, deste modo fornece aos outros as armas para o derrotarem politicamente. PS e BE preparam a esta hora, mais que um OE para 2018, um plano para minimizar o PCP ao ponto de o poder extrair, como apêndice supérfluo, da coligação parlamentar. É que o PCP não fala, não exige, não aparece, agarra-se a princípios que só ele respeita, a acordos que apenas ele protege. O PCP participa num jogo a três sendo o único que respeita um conjunto de regras que apenas existem, não obstante o seu intrínseco valor, na sua própria cabeça.

 

O PCP não percebe que o seu nome está indelevelmente ligado a este governo e continua a agir como se não tivesse parte nele. O PCP não percebe que, quando este governo cair, de nada lhe vai valer esta atitude de separação entre as partes e que as ondas de choque atingi-lo-ão de igual modo. A situação que se avizinha afigura-se dramática para o PCP e a forma como o partido for capaz de lidar com toda esta situação pode tornar-se crucial para a sua sobrevivência política, isto é, dos sete ou oito pontos percentuais de eleitorado que normalmente nele vota.

Donzela de dia, meretriz de noite

por Amato, em 14.05.17

O que mais me revolta na humanidade é a hipocrisia, a dissimulação, a farsa, a imposturice. O que mais me revolta é a tentativa em fazer-me crer em algo que não é, com o singular propósito em daí extrair algum tipo de vantagem.

 

Na última semana, antes da visita do Papa a Fátima, uma das notícias mais destacadas, a mais destacada na região norte, sem dúvida, foi o desentendimento entre Rui Moreira, o atual Presidente da Câmara do Porto e o PS, que acabou com o primeiro a rejeitar ou prescindir do apoio do segundo à sua candidatura para um segundo mandato à frente da Câmara. Esse apoio seria de todo em todo natural, já que Rui Moreira tem governado a cidade desde o primeiro dia com o apoio declarado, assumido e formalíssimo do PS e dos seus vereadores. A razão para o desentendimento teriam sido as pressões do PS para incluir determinados nomes nas listas da candidatura de Moreira, o que poria em causa a independência da mesma e que teriam sido consubstanciadas nas declarações públicas da secretária-geral adjunta do PS, Ana Catarina Mendes. Rui Moreira chega mesmo a dizer que, na sua candidatura, os lugares são atribuídos apenas pela competência das pessoas e não por qualquer outro tipo de razão.

 

Porque eu sei que esta intrujice imunda passa para as pessoas e que muitas delas a aceitam assim mesmo sem pensar, vou dedicar o resto deste post para tentar desmascarar esta farsa.

 

Vou começar pelo fim. Se Rui Moreira apenas escolhe as pessoas do seu movimento pela competência, porque governou ao lado do PS durante estes quatro anos? Em particular, porque é que escolheu para seu braço direito e lhe atribuiu importantes pelouros um personagem como Manuel Pizarro, um puro aparelhista do PS e um perfeito incapaz fora desse estrito contexto?

 

Em segundo lugar, escolher a palavra independência para a defesa da candidatura de Rui Moreira é mais que uma mentira: chega a ser uma infâmia, um insulto! Rui Moreira é independente porque não tem filiação partidária? É isso?! Só quem não quer é que não sabe, porque é público, que a candidatura de Rui Moreira foi pensada por Paulo Portas, corria o ano de 2012, em reuniões com militantes do CDS nas quais Rui Moreira esteve presente. A candidatura de Rui Moreira, apresentada trapaceiramente como independente, foi apoiada formalmente, desde o primeiro momento, pelo CDS e, informalmente, por setores do PSD que, na altura, se opunham à candidatura de Luís Filipe Menezes à Câmara do Porto. Toda a gente sabe disto. Toda a gente sabe que Rui Moreira, não sendo militante do CDS, sempre foi íntimo desse partido e que frequentava (e frequenta...) as suas reuniões.

 

Porquê esta farsa? Porquê o embuste? Ah, é para se dizer de independente, porque está na moda e porque fica bem, as pessoas gostam, principalmente os idiotas úteis apartidários que se reproduzem como coelhos na nossa sociedade.

 

Chego deste modo ao último ponto ainda com esta dúvida no ar: qual a razão para este desaguisado entre Moreira e o PS, afinal? As declarações de Ana Catarina Mendes são, parece-me, de todo em todo expectáveis e naturais: se o PS apoia oficialmente a candidatura de Moreira à Câmara, é natural que festeje a sua vitória e que a interprete como também sua e também é natural que esteja representado na composição da lista de Moreira. Estranho seria o contrário. O problema, especulo eu, é que a lista em preparação de Moreira já deve ter os seus lugares bem atribuídos entre gente do CDS e “independentes”, como o próprio Moreira, afetuosos ao CDS ou ao próprio PSD. E, na verdade, sobretudo nesta fase de crispação política entre a antiga PaF e a nova Geringonça, Rui Moreira não quererá ver a sua candidatura “independente” como putativa plataforma de entendimentos entre PSD, CDS e o PS. Imagine-se: a candidatura de Moreira apresentar-se a eleições — como o foi até à semana passada — como uma pândega, vitoriosa por antecipação, entre CDS, PSD e PS!

 

É a candidatura “independente” de Rui Moreira, transparente e cristalina aos olhos de todos: pela frente, durante o dia, uma donzela impoluta, independente, que não se mistura com ninguém, dona apenas dos mais nobres preceitos de caráter; por trás, de noite, uma mulher da vida, uma meretriz que a todos se dá pela troca de favores e pela conquista de poder. Perdão, a todos exceto a CDU, cujos vereadores são a única força que resiste e que denuncia a patranha no seio da autarquia.

Baptista-Bastos (1933-2017)

por Amato, em 13.05.17

Baptista-Bastos

 

Na passada terça-feira faleceu Baptista-Bastos, um escritor premiado — daqueles que realmente sabia escrever — e, acima de tudo, um jornalista de referência, ao qual acresce ainda a sua qualidade de antifascista.

 

A forma como a morte de Baptista-Bastos passou praticamente despercebida nos media, a forma como os media não lhe prestaram uma franca e justa homenagem é paradigmática. Esta nova geração que constitui os órgãos de comunicação social portugueses parece que não tem, nem reconhece mais, qualquer referência à sua profissão.

 

Com a morte de Baptista-Bastos, parece que o país perde um dos seus sábios, um dos seus exemplos, um daqueles pilares que sustentavam aquela ideia que o país pretendia ter de si próprio. O país perde um dos seus pilares humanos e parece que não deixa outros que o substituam.

Um certo sentimento de melancolia no ar

por Amato, em 13.05.17

Há um certo sentimento de melancolia no ar que respiro, como uma tristeza profunda que invade os dias com nuances mescladas de resignação e de desespero. É difícil enfrentar a dura realidade das coisas. O ser humano evolui tão devagar, mas tão devagar, que parece que, em cada momento, não evolui nada de nada. Em cem anos, parece que a evolução do ser humano foi nenhuma. O que movia e controlava as massas há cem anos atrás é o que move e controla as massas hoje em dia: a religião, Fátima; o desporto, o futebol; o jogo, euromilhões, totoloto, totobola, lotaria, raspadinhas e, agora, as novíssimas apostas desportivas da placard.

 

É deprimente.

 

Com Fátima a rebentar pelas costuras para ver o Papa que beija criancinhas e deficientes, lembro-me das palavras sábias do Padre Mário de Oliveira: as pessoas buscam fora de si as soluções para as suas vidas. Deus, a existir — acrescento eu —, vive dentro delas e não fora, age através delas e não enquanto uma entidade autónoma. É mais fácil, todavia, passar uma vida entretida com encenações, teatrinhos irrelevantes, com jogos sem nenhum interesse para além do lúdico — e, por vezes, nem esse — e não tomar nas suas próprias mãos a sua própria vida, o seu próprio destino.

Sobre os Le Pens e os Macrons

por Amato, em 10.05.17

A fórmula mais eficaz para enganar o povo é fazê-lo crer numa sociedade a preto e branco, dividida entre bons e maus. Para ser bem sucedida, essa simplificação centra-se em um ou dois aspectos, no máximo, considerados como fundamentais e é bombardeada pelos media a todas as horas e a todos os minutos do dia até que o povo ceda, nem que por cansaço, até que deixe de questionar a formulação apresentada para apenas prosseguir a sua vida sem conflitos internos com a voz dominante.

 

http://static.diary.ru/userdir/1/8/7/0/1870468/59479782.jpg

 

A minha opinião é que nos preocupamos demasiado com Le Pens, quais demónios encarnados em figura de gente, e muito pouco com Macrons, os que se opõem ao mal e, portanto, os bons. Enquanto isso, os Macrons vão trilhando a sua ação política de desregulação das sociedades, de desequilíbrio económico, de favorecimento de classe — a banca, a alta finança, os donos dos grandes grupos económicos, os capitalistas, a burguesia —, e conduzindo essas mesmas sociedades a pontos de rotura, já sem qualquer vislumbre nem de pátria, nem de nação, nem de coisa nenhuma. Os Le Pens são consequência dos Macrons e não o contrário. Se consideram que o primeiro é o mal e o segundo é o bem, é bom que pensem melhor.

 

Mas é mais fácil pensar assim, admito. Este pensar entretém por mais um tempo. Os exploradores e os explorados permanecem explorados e explorados. Há uma ira que vai fermentando por debaixo deste pensar, é certo, mas nos entretantos, enquanto não rebentar a bolha que se vai formando, esta sociedade burguesa vai continuando o seu caminho.

 

Em Portugal assiste-se a fenómenos parecidos todos os dias. Por um lado, enojamo-nos — e bem! — com qualquer coisa que soe a fascismo declarado. Por outro, batemos palmas ao personagem que, por ora, vai ocupando os Paços do Concelho do Porto, fazendo a apologia de ditaduras para pôr o país em ordem. Rui Moreira gosta, aliás, de proferir os maiores disparates histórico-políticos nas palestras para as quais é convidado amiúde. Não sabe mais, compreenda-se. Todavia, as plateias aplaudem-no. Diz que podemos precisar de ditaduras “para termos a nossa soberania económica, na segurança”. Diz que espera que não seja assim mas... o país pode querer aquilo, refere, do alto da sua sapiência, não deixando de fazer objetivamente um elogio aos méritos que, segundo ele, o sistema tem. Diz ele, também, que uma solução para as sociedades é passarmos a ter democracias diretas em que todas as pessoas votariam através de uma app de um telemóvel, como se estivessem a jogar Pokemon Go. E as pessoas aplaudem! Profere ainda outras frases de igual estirpe, mas estas que selecionei são realmente impressionantes. É inenarrável a decadência, a mediocridade intelectual do personagem, mas ainda mais grotesco é ver aquela plateia de alunos e professores do ensino superior a aplaudir estas alarvidades como se não dispusessem de mais do que um neurónio para raciocinar.

 

As pessoas aplaudem, é um facto. Depois de ser reeleito para a Câmara Municipal do Porto, vê-lo-emos, Rui Moreira, a tentar uma cadeira do poder central e é provável que consiga. As pessoas aplaudem-no, não se esqueçam! E prestem atenção: Rui Moreira não é um Le Pen, é um Macron.

 

Os ditadores não são os Le Pens, acreditem. Estes raramente chegam ao poder. Os ditadores são os Macrons e vão a votos e ganham. E são aplaudidos.

A palavra e a prática

por Amato, em 01.05.17

Hoje, António Costa, o Primeiro-ministro, serve-se do Diário de Notícias para emitir uma página de opinião sob o título Dignificar o trabalho para uma economia com futuro. Ao longo dessa página, Costa assume-se frontalmente contra o trabalho precário, defende a segurança e a estabilidade dos trabalhadores e promete os mais variados e redobrados esforços da parte do governo para corrigir a situação que, diz, encara toda a temática como a prioridade das prioridades.

 

https://imagens.publicocdn.com/imagens.aspx/884527?tp=UH&db=IMAGENS

 

Curiosamente, mesmo na página ao lado — bravo, DN! —, surge uma peça sobre o facto de que este mesmo governo de António Costa prepara-se para rejeitar as propostas do PCP sobre a valorização da contratação coletiva no país. Vieira da Silva, o ministro do trabalho, nem quer ouvir falar delas.

 

Em duas páginas apenas, lado a lado, desmascara-se de forma clara a realidade deste governo, aquilo em que o governo efetivamente acredita — na peça sobre a contratação coletiva —, secundada pela hipocrisia da mensagem governativa, a sua oratória oca — no artigo de opinião de Costa. Vê-se claramente — mesmo quem é distraído — como este governo é capaz de dizer uma coisa e tudo fazer em sentido contrário do que diz. Trata-se de um governo falso, hipócrita, que não é de confiança. Tem uma palavra e uma prática que se não intersetam.

Séneca e como os problemas de ontem são os problemas de hoje

por Amato, em 30.04.17

Quem se interessa um pouco pelo estudo da história dos povos e do saber, chega rapidamente à conclusão que a versão da história que nos dão a conhecer tem que ser obrigatoriamente muito limitada. Mais importante ainda é perceber a falsidade daquela ideia que nos é plantada desde tenra idade de que agora somos muito avançados e que há dois mil anos atrás éramos todos um conjunto de bárbaros. Quem se acredita nisto não poderia estar mais longe da verdade.

 

A própria conotação que é atribuída à palavra bárbaro é muito interessante. Foram os romanos que a usaram pela primeira vez para distinguir aqueles povos que os invadiam vindos do norte, exércitos de homens de face por barbear, prelúdio do final do império. Hoje, poucas são as pessoas que não associam à palavra um homem sem cultura, sem modos e sem educação e, todavia, as evidências apontam para que os bárbaros fossem possuidores de uma cultura e de uma educação ao nível das do império romano.

 

Algo de semelhante se passa relativamente a todas as civilizações que nos são distantes. Ainda que admitamos notáveis avanços em algumas delas, nomeadamente nas clássicas, a verdade é que o fazemos numa atitude de profundo paternalismo. Esse paternalismo é alicerçado nos nossos avanços científicos, nos gadgets absolutamente redundantes com que decoramos as nossas vidas. Todavia, se olharmos com um bocadinho de atenção, somos obrigados a modificar a nossa opinião.

 

Cientificamente falando não nos encontramos tão mais avançados como julgamos e esta conclusão é tão mais evidente se fossemos capazes de excluir o século XX desta equação, período no qual os mais relevantes avanços foram conquistados desde a antiguidade clássica. Até ao século XX, toda a Matemática que se sabia já era dominada desde a Babilónia, dois mil anos antes de Cristo, se não antes. E ainda há toda uma gigantesca e antiquíssima civilização oriental (chinesa) que nos é completamente desconhecida. Lembro-me sempre deste facto interessante: existem inscrições nas antigas pirâmides egípcias que, hoje em dia, apenas poderiam ser feitas com o auxílio de maquinaria avançada.

 

Há, todavia, algo que supera a ciência em importância: o pensamento. Os pensadores clássicos colocam a nossa moderna civilização numa posição embaraçosa. Primeiro, porque a nossa civilização abdicou por completo de pensar, diminui a importância da Filosofia, reduz tudo à Ciência, a saberes feitos e finais, não questionáveis, artificiais. Segundo — e isto é que é realmente interessante —, porque estes filósofos já se questionavam sobre os mesmos problemas com que hoje nos deparamos na nossa sociedade.

 

Lúcio Aneu Séneca (4 aC - 65 dC)

 

Observe-se o caso de Lúcio Aneu Séneca precetor do jovem Nero, futuro imperador romano, e um filósofo romano que influenciou decisivamente o pensamento no período do Renascimento, mil e quinhentos anos depois da sua morte. Séneca foi autor de inúmeras obras notáveis de reflexão sobre a sociedade e sobre o Homem. Numa delas, talvez a mais famosa, Da Brevidade da Vida, Séneca diz o seguinte:

 

Nenhum homem sábio deixará de se espantar com a cegueira do espírito humano. Ninguém permite que sua propriedade seja invadida e, havendo discórdia quanto aos limites, por menor que seja, os homens pegam em pedras e armas para a defender. No entanto, permitem que outros invadam suas vidas pessoais de tal modo que eles próprios conduzem os seus invasores a isto. Não se encontra ninguém que queira dividir sua riqueza, mas ao mesmo tempo a sua vida é distribuída entre muitos. São avarentos em preservar o seu património, mas quando se trata de desperdiçar o seu tempo, são muito pródigos relativamente à única coisa capaz de justificar a avareza. Por isso, diverte-me interrogar um qualquer, dentre a multidão dos mais velhos:

“Vemos que chegaste ao fim da vida, contas já cem ou mais anos. Vamos! Faz o cômputo da tua existência. Calcula quanto deste tempo foi gasto tempo com um agiota, com uma amante, com um patrão ou com um cliente, quanto tempo se subtraiu com querelas conjugais, as reprimendas aos escravos, as atarefadas perambulações pela cidade; acrescenta as doenças que nós próprios nos causamos e também todo o tempo perdido: verás que tens menos anos de vida do que os que contas. Faz um esforço de memória: quando tiveste uma resolução na tua vida que seguiste? Quão poucas vezes um dia qualquer decorreu como planeaste! Quando empregaste o teu tempo contigo mesmo? Quando mantiveste a aparência imperturbável, o ânimo intrépido? Quantas obras fizeste para ti próprio? Quantos não terão esbanjado a tua vida, sem que percebesses o que estavas perdendo; o quanto da tua vida não   subtraíram sofrimentos desnecessários, tolos contentamentos, ávidas paixões, inúteis conversações, e quão pouco não te restou do que era teu! Compreendes que morres prematuramente!” Qual é pois o motivo? O Homem vive como se fosse viver para sempre, nunca lhe ocorre que é frágil, não nota quanto tempo já decorreu; gasta o tempo como se ele fosse farto e abundante, ao passo que aquele mesmo dia que é dado ao serviço de outro homem ou outra coisa pode ser o seu último. O Homem detém simultaneamente todos os medos dos mortais e todos os desejos dos imortais

Ouvirás muitos dizerem: “Aos cinquenta anos refugiar-me-ei no ócio, aos sessenta estarei livre de meus encargos.” E que segurança têm eles de uma vida tão longa?

E quem assegurará que tudo decorrerá conforme os seus planos? Não se envergonham de reservar para si apenas as sobras da vida e destinar à meditação somente a idade que já não serve mais para nada? Quão tarde começam a viver, quando já é hora de deixar de fazê-lo. Que negligência tão louca a dos mortais, de adiar para o quinquagésimo ou sexagésimo ano os prudentes juízos, e a partir deste ponto, ao qual poucos chegarão, querer começar a viver!

 

— Séneca, Da Brevidade da Vida, III (tradução não oficial)

 

Quando se lê um texto deste calibre há apenas uma conclusão a retirar: se há dois mil anos atrás os povos já se confrontavam com este tipo de problemas que hoje são tão reais nas nossas sociedades, hiperbolizados ao limite do imaginável com fenómenos como as chamadas redes sociais, então isso significa que o Homem de há dois mil anos atrás não era substancialmente diferente do Homem de hoje em dia, que as sociedades eram muito parecidas e que os problemas com que se deparavam então eram os mesmos com que nos deparamos hoje.

 

Um conhecimento profundo e genuíno da nossa história, comprova-se com textos deste tipo, apenas pode contribuir para o entendimento e resolução dos problemas do Homem e das sociedades humanas. O desprezo pela História e pela Filosofia, tem apenas como objetivo cristalizar a vida humana num modo de funcionamento que é o mesmo, perene, imutável com o passar dos milénios, e que apenas serve aos poderes que governam e lideram as massas para eles próprios se manterem, expandirem e cristalizarem. Pela evolução real do Homem e das sociedades, é imperioso que sejamos capazes de compreender isto e que não nos deixemos ofuscar por iphones e outros artifícios tecnológicos perfeitamente inúteis.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Amato

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D

Mensagens